Make your own free website on Tripod.com

CRISTIANISMO É RIDICULARIZADO PELOS ATEUS POR CAUSA DA CRENÇA NA TRINDADE

 

O texto que segue logo abaixo foi copiado de um site (http://fernandosilva.multiply.com/) que promove o ateísmo. Embora discorde de praticamente tudo o que está escrito lá, achei interessante encontrar este artigo sobre a Trindade juntamente com outros que possuem o propósito de rejeitar e ridicularizar as religiões cristãs.

Na opinião do autor do artigo, quando os cristãos criaram o dogma da Trindade, atestaram que a Bíblia “não” é “a palavra perfeita e infalível de Deus”. Isto deveria fazer todo cristão trinitariano pensar (principalmente os Adventistas do Sétimo Dia), pois, assim como a crença na existência de um inferno onde os pecadores sofrerão por toda a eternidade, desvirtua o caráter de Deus e fornece munição para os inimigos da Bíblia nos atacarem, assim também acontece com a crença na Trindade.

Irmão X

 

Demolindo o Dogma da Santíssima Trindade

Mike McClellan

http://www.anzwers.org/free/jesuschrist/index.html

 

Sempre tive problemas com o conceito e a doutrina da Santíssima Trindade. Mesmo depois 20 anos como “cristão renascido”, eu continuava a não entender a coisa. Outros cristãos afirmavam que entendiam mas que era muito difícil expressar em palavras. Robert Ingersoll fez os seguintes comentários em “Ingersoll's Works”, vol. 4, p. 266-67:

 

“Cristo, de acordo com a doutrina, é a segunda pessoa da Santíssima Trindade, com o Pai sendo a primeira e o Espírito Santo a terceira. Cada uma dessas pessoas é Deus. Cristo é seu próprio pai e seu próprio filho. O Espírito Santo não é nem pai nem filho, mas ambos. O filho foi gerado pelo pai, mas já existia antes de ser gerado, exatamente o mesmo antes e depois. Cristo é tão velho quanto seu pai e o pai é tão jovem quanto seu filho. O Espírito Santo procede do Pai e do Filho, mas já era igual a eles antes de proceder, ou seja, antes de existir, mas mesmo assim ele tem a mesma idade que os outros dois.

Deste modo, se afirma que o Pai é Deus, que o Filho é Deus e que o Espírito Santo é Deus e que esses três deuses fazem um só deus. De acordo com a tabela de multiplicação celestial, um é três e três vezes um é um, e de acordo com a regra de subtração do céu, se diminuirmos dois de três, sobram três. A regra da adição também é estranha: se somamos dois a um temos apenas um. Cada um é igual a si mesmo e aos outros dois. Nunca houve nem nunca haverá algo mais completamente idiota e absurdo que o dogma da Santíssima Trindade.”

 

Os cristãos estão diante de um dilema. A Bíblia diz no Antigo Testamento que “Eu, eu sou Javé, e fora de mim não há nenhum Salvador” (Isaías 43:11). “A Salvação vem de Javé” (Salmos 3:9), “Pois eu sou o Senhor teu Deus, o Santo de Israel, teu salvador” (Isaías 43:3). De acordo com o Antigo Testamento, só Deus pode ser o Salvador. Para que Jesus Cristo possa ser o Salvador, ele também tem que ser Deus.

 

Os defensores da Santíssima Trindade citam:

 

  “Para que sejam um, como nós somos um” (João 17:22)

  “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (João 1:1)

  “Como tu, Pai, estás em mim e eu em ti” (João 17:21)

  “Eu e o Pai somos um” (João 10:30)

  “Quem me vê, vê o Pai” (João 14:9)

  “Crede-me: eu estou no Pai e o Pai em mim” (João 14:11)

  “Pai santo, guarda-os em teu nome que me deste, para que sejam um como nós” (João 17:11)

  “Pois nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade.” (Colossenses 2:9).

 

A Bíblia tem muito mais versículos negando a Trindade que a confirmando:

 

  “Por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão só Deus” (Lucas 18:19)

  “Porque meu Pai é maior do que eu” (João 14:28)

  “Minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou” (João 7:16)

  “Meu Pai, se possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas como tu queres” (Mateus 26:39)

  “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” (Mateus 27:46)

  “Daquele dia e da hora, ninguém sabe, nem os anjos no céu, nem o Filho, somente o Pai” (Marcos 13:32)

  “Que, tendo subido aos céus, está à direita de Deus” (Pedro 3:22)

 

E ainda há outros trechos, mas os que foram citados mostram bem as contradições. Eis o dilema. Os cristãos sabem que, para Jesus ser o salvador da humanidade, ele tem que ser Deus também. É a Bíblia que diz. Se ele não é Deus, então ele não pode ser o salvador. Sua morte não teria sentido. Portanto, os cristãos inventaram a Santíssima Trindade para explicar a divindade de Cristo. Ele é homem. Ele é Deus. Ele é ambos. Ele tem que ser, para poder ser o salvador. Infelizmente, ele é, no melhor dos casos, indeciso. Às vezes ele diz que ele e Deus são um só. Às vezes ele admite que Deus sabe de coisas que ele ignora e faz coisas que ele não pode fazer. Os cristãos apelam para as coisas mais estranhas para provar o dogma da Santíssima Trindade, inclusive declarar que ele é um “mistério” e que “nós somos muito limitados para entender”. A Bíblia é a palavra perfeita e infalível de Deus? A doutrina da Santíssima Trindade que os cristãos criaram e as contradições em que ela implica gritam que “Não” ! Mas então como foi que o dogma veio a existir?

 

As origens da doutrina da Santíssima Trindade são chocantes. Como no caso da maioria das questões históricas relativas à cristandade, houve muita fraude e derramamento de sangue. Muitas vidas foram perdidas antes que o Trinitarianismo fosse enfim adotado. Como muitos cristãos sabem, a palavra “trindade” não aparece na Bíblia. E não aparece porque é uma doutrina que evoluiu aos poucos no início do cristianismo. Foi um processo manipulado, sangrento e mortal até que finalmente se tornou uma doutrina “aceita” da Igreja.

 

CONSTANTINO - COMEÇA A CRIAÇÃO DA TRINDADE

 

Flavius Valerius Constantius (c. 285-337 AD), Constantino o Grande, era filho do imperador Constâncio I. Quando seu pai morreu em 306 AD, Constantino tornou-se imperador da Bretanha, Gália (atual França) e Espanha. Aos poucos, foi assumindo o controle de todo o império romano. Divergências teológicas relativas a Jesus Cristo começaram a se manifestar no império de Constantino quando dois oponentes principais se destacaram dos outros e discutiram sobre se Cristo era um ser criado (doutrina de Arius) ou não criado, e sim igual e eterno como Deus seu pai (doutrina de Atanásio).

 

A guerra teológica entre os adeptos de Arius e Atanásio tornou-se acirrada. Constantino percebeu que seu império estava sendo ameaçado por esta divisão doutrinal. Constantino começou a pressionar a Igreja para que as partes chegassem a um acordo antes que a unidade de seu império ficasse ameaçada. Finalmente, o imperador convocou um concílio em Nicéia, em 325 AD, para resolver a disputa.

 

Apenas 318 bispos compareceram, o que equivalia a apenas uns 18% de todos os bispos do império. Dos 318, apenas uns 10% eram da parte ocidental do império de Constantino, tornando a votação tendenciosa, no mínimo. O imperador manipulou, pressionou e ameaçou o concílio para garantir que votariam no que ele acreditava, não em algum consenso a que os bispos chegassem.

 

As igrejas cristãs hoje em dia dizem que Constantino foi o primeiro imperador cristão, mas seu “cristianismo” tinha motivação apenas politica. É altamente duvidoso que ele realmente aceitasse a doutrina cristã. Ele mandou matar um de seus filhos, além de um sobrinho, seu cunhado e possivelmente uma de suas esposas. Ele manteve seu título de alto sacerdote de uma religião pagã até o fim da vida e só foi batizado em seu leito de morte.

 

OS DOIS PRIMEIROS TERÇOS DA TRINDADE - O CONCÍLIO DE NICÉIA

 

A maioria dos bispos, pressionada por Constantino, votou a favor da doutrina de Atanásio. Foi adotado um credo que favorecia a teologia de Atanásio. Arius foi condenado e exilado. Vários bispos foram embora antes da votação para evitar a controvérsia. Jesus Cristo foi aprovado como sendo “uma única substância” com Deus Pai. É significativo que até hoje as igrejas ortodoxas do leste e do oeste discordem entre si quanto a esta doutrina, ainda consequência das igrejas do oeste não terem tido nenhuma influência na “votação”.

 

Dois dos bispos que votaram a favor de Arius também foram exilados e os escritos de Arius foram destruídos. Constantino decretou que qualquer um que fosse apanhado com documentos arianistas estaria sujeito à pena de morte. O credo de Nicéia declara:

 

“Creio em Um só Deus, Pai Onipotente, Criador do céu e da terra e de todas as coisas visíveis e invisíveis. E em Um só Senhor, Jesus Cristo, o Filho unigênito de Deus, gerado do Pai antes de todas as coisas. Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai, por quem todas as coisas foram feitas ...”

 

Mesmo com a adoção do Credo de Nicéia, os problemas continuaram e, em poucos anos, a facção arianista começou a recuperar o controle. Tornaram-se tão poderosos que Constantino os reabilitou e denunciou o grupo de Atanásio. Arius e os bispos que o apoiavam voltaram do exílio. Agora, Atanásio é que foi banido. Quando Constantino morreu (depois de ser batizado por um bispo arianista), seu filho restaurou a filosofia arianista e seus bispos e condenou o grupo de Atanásio.

 

Nos anos seguintes, a disputa política continuou, até que os arianistas abusaram de seu poder e foram derrubados. A controvérsia político/religiosa causou violência e morte generalizadas. Em 381 AD, o imperador Teodósio (um trinitarista) convocou um concílio em Constantinopla. Apenas os bispos trinitaristas foram convidados a participar. 150 bispos compareceram e votaram uma alteração no Credo de Nicéia para incluir o Espírito Santo como parte da divindade. A doutrina da Trindade era agora oficial para a Igreja e também para o Estado. Os bispos dissidentes foram expulsos da Igreja e excomungados.

 

O CREDO DE ATANÁSIO COMPLETA A DIVINDADE TRINA

 

O Credo (trinitário) de Atanásio foi finalmente estabelecido (provavelmente) no século V. Não foi escrito por Atanásio mas recebeu seu nome. Este é um trecho:

 

“Adoramos um só Deus em Trindade ... O Pai é Deus, o Filho é Deus, e o Espírito Santo é Deus; e contudo eles não são três deuses, mas um só Deus.”

 

Por volta do século IX, o credo já estava estabelecido na Espanha, França e Alemanha. Tinha levado séculos desde o tempo de Cristo para que a doutrina da Trindade “pegasse”. A política do governo e da Igreja foram as razões que levaram a Trindade a existir e se tornar a doutrina oficial da Igreja.

 

Como vocês viram, a doutrina trinitária resultou da mistura de fraude, política, um imperador pagão e facções em guerra que causaram mortes e derramamento de sangue.

 

A TRINDADE CRISTÃ - MAIS UMA NO DESFILE DE TRINDADES

 

Por que surgiu esse clamor para elevar Jesus e o Espírito Santo a posições iguais à do deus judeu/cristão? Simplesmente porque o mundo pagão estava habituado a ter “três deuses” ou “trindades” como divindades. A trindade satisfazia à maioria de cristãos que tinha vindo de culturas pagãs. O cristianismo não se livrou das trindades pagãs, ele as adotou assim como adotou tantas outras tradições pagãs.

 

OUTRAS TRINDADES

 

O hinduísmo abraçou a divindade trina de Brahma, deus da criação; Vishnu, deus da manutenção, e Siva, deus da destruição. Uma das muitas trindades do Egito era Hórus, Ísis e Osíris. Os fundadores da primitiva igreja cristã não tinham idéia de que o conceito de Trindade iria surgir, ser votado por políticos, imposto por imperadores e um dia se tornaria parte integral do cristianismo moderno. Não é nenhuma surpresa que tal conceito seja “difícil” de explicar.

 

Há um deus cristão ou três em um? A maioria das igrejas cristãs apóia a doutrina da Trindade mas ainda há algumas que rejeitam o ensinamento. Hoje em dia, temos a liberdade de acreditar em uma possibibilidade ou outra, mas corremos o risco de sermos ridicularizados se negarmos a crença na Trindade.

 

Como num supermercado, você escolhe a sua religião.

Leia também:

É Vergonhoso Ser Considerado um Ariano?

 

VOLTAR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.