Make your own free website on Tripod.com

Textos Adulterados de EGW

 

 

Caros amigos e irmãos em Cristo,

Ao estudar sobre o tema “Divindade”, muitos irmãos sinceros, após estudar a Bíblia com muita oração e confirmarem em diversos livros dos testemunhos que somente Deus o Pai e Jesus Cristo seu Filho participaram da criação e são dignos de adoração, deparam-se com alguns textos dos livros “Evangelismo”, “O Desejado de Todas as Nações”, “Testemunhos para Ministros” e edições mais recentes de “Conselhos Sobre Saúde”, e perguntam-se: seria verdade que Ellen G. White escreveu em favor da Trindade?

Para estas almas pesquisadoras sinceras, preparamos um material resumido mostrando como os textos de Ellen G. White foram adulterados e re-editados após a sua morte por pastores que trabalharam para colocar a “trindade” entre as doutrinas da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

 

  1. Como se descobrem as adulterações?

Não é difícil, se você possuir acesso a Internet e um pouco de conhecimento em inglês. Caso não conheça este idioma, peça a um amigo que conhece, mesmo que este não seja adventista, para que te ajude. Não é necessário ser adventista para perceber adulterações em textos.

a)     Verifique qual é o original indicado no texto do livro em português que você estiver lendo. Exemplo:

Precisamos reconhecer que o Espírito Santo, que é tanto uma pessoa como o próprio Deus, está andando por estes caminhos. Manuscrito 66” Evangelismo, 616

 

O texto acima encontra-se no livro “Evangelismo”, um compilado de textos de Ellen G. White, e mostra a inscrição “Manuscrito 66”. Este manuscrito é o original de onde supostamente veio a frase citada no livro “Evangelismo”. Sabendo isto, acesse a Internet e digite: www.egwestate.andrews.edu. Este é o site oficial do Ellen G. White Estate nos Estados Unidos.

b)     Ao acessar este site, abrirá uma página com vários tópicos em negrito. Um deles possui o título: “The Published Writings of Ellen G. White”. Na segunda linha de texto abaixo deste tópico, encontra-se, em azul, o tópico “Search all the categories of Ellen G. White's writings (WAIS)”. Clique neste tópico, e o site se abrirá na página de pesquisa. O título que aparece logo na parte superior da tela é: “Ellen G. White Published Writings”. Esta página contém uma janela onde você deve digitar o que deseja pesquisar.

 

c)     Para pesquisar o texto acima, que aparece no livro “Evangelismo” e cita como fonte o “Manuscrito 66”, digite na janela de pesquisa palavras chaves que aparecem no texto, como no exemplo que damos abaixo:

“Holy Spirit” and “grounds”. Você obterá como resposta vários textos, e entre eles o texto original. Então é só traduzir o texto original compará-lo com o texto do livro em português e verificar a diferença.

 

2.  - O que este material apresenta

 

O artigo apresentado a seguir mostra como foram feitas as seguintes alterações nos escritos de Ellen G. White, para que se sustentasse a idéia de que ela teria crido na Trindade:

-         1923 – Alteração no livro “Testimonies For Minister and Gospel Workers” (Testemunhos para Ministros);

-         1940 – Alteração no livro “Desire of Ages” (Desejado de Todas as Nações) por ocasião de sua revisão, modificando o que havia sido originalmente escrito;

-         1946 – Colocação de textos manipulados e retirados de seu contexto original no compilado de textos de Ellen G. White denominado “Evangelism” (Evangelismo);

-         1957 – Alteração no livro “Consels fo Health” (Conselhos Sobre Saúde) por ocasião de sua revisão, modificando o que havia sido originalmente escrito.

 

É interessante ressaltar que, na década de 1960, após terem sido efetuadas todas as manipulações desonestas no livros do Espírito de Profecia citados acima, foi editado o livro “Questions and Doctrine” (Questões de Doutrina). Este livro cita os escritos manipulados de Ellen G. White encontrados no compilado “Evangelism” (Evangelismo), feito em 1946, para apoiar a crença na Trindade, levando os seus leitores a crer que os escritos de Ellen G. White embasavam esta doutrina.

Todas as referências de textos de Ellen G. White aqui apresentadas foram conferidas junto ao Ellen G. White estate entre os dias 20.08.2002 e 25.08.2002, para garantir a fidedignidade destas denúncias. Quem quiser conferir todas as referências e verificar sua autenticidade, pode fazê-lo através do site do Ellen G. White estate na internet: www.egwestate.andrews.edu.

 

DENÚNCIAS:

 

1  CITAÇÕES DO LIVRO “EVANGELISMO”

1. 1 – A afirmação de que o Espírito Santo seria uma pessoa

O livro “Evangelism” (Evangelismo) é um compilado de textos de Ellen G. White elaborado em 1946, aproximadamente 31 anos após a morte de Ellen G. White. Como este livro foi escrito após a morte da mensageira do Senhor, ele não foi revisado por ela. Assim, quaisquer diferenças encontradas entre os textos originais escritos por ela e os textos transcritos para o livro “Evangelism” são frutos de modificações acidentais ou intencionais por parte dos elaboradores deste compilado.

O primeiro texto do livro “Evangelismo” que trazemos para a análise é o que se encontra na página 616:

Precisamos reconhecer que o Espírito Santo, que é tanto uma pessoa como o próprio Deus, está andando por estes caminhos. Manuscrito 66” Evangelismo, 616

Apresentamos abaixo o texto do original, Manuscrito 66, obtido no site oficial do Ellen G. White Estate:

"The Lord instructed us that this was the place in which we should locate, and we have had every reason to think that we are in the right place. We have been brought together as a school, and we need to realize that the Holy Spirit, who is as much a person as God is a person, is walking through these grounds, that the Lord God is our keeper, and helper. He hears every word we utter and knows every thought of the mind." Manuscript Releases, Vol. 7, page 299 / Manuscript 66, 1899

 

Tradução:

O Senhor nos instruiu de que este era o lugar no qual deveríamos estar, e nós temos tido razão para pensar que estamos no lugar certo. Nós fomos colocados juntos como uma escola, e precisamos reconhecer que o Espírito Santo, que é tanto uma pessoa como Deus é uma pessoa, está andando por estes terrenos, que o Senhor Deus é nosso mantenedor e ajudador. Ele ouve cada uma de nossas palavras e sabe cada pensamento da mente.

Compare agora o texto original acima, com o texto do livro “Evangelismo”, que repetimos abaixo:

 

Manuscrito 66 original:

o Espírito Santo, que é tanto uma pessoa como Deus é uma pessoa,

Livro Evangelismo:

o Espírito Santo, que é tanto uma pessoa como o próprio Deus

 

Enquanto o original diz que o Espírito Santo é tanto uma pessoa como Deus é uma pessoa, o texto adulterado, mudado, do livro “Evangelismo” diz que o Espírito Santo é o próprio Deus. O original não disse que o Espírito Santo é um Deus, e sim que este é uma pessoa como Deus é uma pessoa. Quem é esta pessoa, segundo Ellen G. White? Em um outro texto ela esclarece quem é o Espírito Santo, que é uma pessoa como Deus é uma pessoa:

Impedido por Sua humanidade, Cristo não poderia estar em todos os lugares pessoalmente; então foi para benefício deles (os discípulos) que Ele deveria deixá-la, ir para o Pai, e enviar o Espírito Santo para ser seu sucessor na terra. O Espírito Santo é Ele mesmo, despojado da personalidade humana e independente dela. Ele Se representaria como estando presente em todos os lugares por Seu Espírito, como Onipresente. Mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em Meu nome, ele vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito (João 14:26). “Mas digo-vos uma verdade: Convém que Eu vá, porque se não fosse, o Consolador não viria a vós; mas se eu for, vo-lo enviarei.” (João 16:7).” Manuscript Releases Volume Fourteen, Page 23, 24

 

Perceba que Ellen G. White cria, e por tanto escreveu, que o Espírito Santo, que era tanto uma pessoa quanto Deus é uma pessoa, é Cristo mesmo, despojado da personalidade humana. Pastores infiéis, quando produziram o livro “Evangelismo”, que é um compilado de livros de Ellen G. White, 31 anos após a sua morte, mudaram, ou seja, adulteraram, o texto, para dar a entender que ela cria na Trindade. Como você mesmo pode constatar ela nunca escreveu que o Espírito Santo é um Deus, e sim que Ele “é Cristo mesmo, despojado da personalidade humana”. O texto no qual ela escreve isto (Manuscript Releases Volume Fourteen, Page 23, 24), explica outro texto que é apresentado no livro “Evangelismo”: 

O Espírito Santo é uma pessoa; pois dá testemunho com o nosso espírito de que somos filhos de Deus. Uma vez dado este testemunho, traz consigo mesmo sua própria evidência. Em tais ocasiões acreditamos e estamos certos de que somos filhos de Deus.

 

O Espírito Santo tem uma personalidade, do contrário não poderia testificar ao nosso espírito e com nosso espírito que somos filhos de Deus. Deve também ser uma pessoa divina, do contrário não poderia perscrutar os segredos que jazem ocultos na mente de Deus. “Por que , qual dos homens sabes as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus.” MS 20, 1906. Evangelismo págs. 616, 617.

Quem é o Espírito Santo apresentado acima? Ellen G. White mesmo explicou em outro testemunho que o Espírito Santo é sim uma pessoa divina, e esta é o Espírito do próprio Cristo:

 

Impedido por Sua humanidade, Cristo não poderia estar em todos os lugares pessoalmente; então foi para benefício deles (os discípulos) que Ele deveria deixá-la, ir para o Pai, e enviar o Espírito Santo para ser seu sucessor na terra. O Espírito Santo é Ele mesmo, despojado da personalidade humana e independente dela. Ele Se representaria como estando presente em todos os lugares por Seu Espírito, como Onipresente. Manuscript Releases Volume Fourteen, Page 23, 24

 

O texto do livro Evangelismo também diz que o Espírito deve ser uma pessoa divina, porque “perscruta os segredos que jazem ocultos na mente de Deus” (Evangelismo, págs. 616, 617). Ellen G. White escreveu quem era o único que perscruta os segredos que jazem ocultos na mente de Deus:

 

Deus informou a Satanás que apenas a Seu Filho Ele revelaria Seus propósitos secretos, e que requeria de toda a família celestial, mesmo Satanás, que lhe rendessem implícita e inquestionável obediência; mas que ele (Satanás), tinha provado ser indigno de ter um lugar no Céu.” História da Redenção, pág. 18

 

Cristo, o Verbo, o Unigênito de Deus, era um com o eterno Pai - um em natureza, caráter, propósito - o ÚNICO SER que poderia penetrar em todos os conselhos e propósitos de Deus....

O Pai operou por Seu Filho na criação de todos os seres celestiais." Patriarcas e Profetas, pág. 34

Assim, confirmamos mais uma vez, pelos próprios testemunhos escritos por Ellen G .White que o “Espírito Santo” mencionado no texto do livro “Evangelismo” é Cristo mesmo.

 

 

1.3 A afirmação de que há três pessoas vivas no “Trio” celestial

 

O consolador que Cristo prometeu enviar depois de ascender ao Céu é o Espírito em toda a plenitude da divindade, tornando manifesto o poder da graça divina a todos quantos recebem e crêem em Cristo como um Salvador pessoal. Há três pessoas vivas pertencentes à trindade celeste; em nome destes três grandes poderes – o Pai, o Filho e o Espírito Santo – os que recebem a Cristo por fé viva são batizados, e esses poderes cooperarão com os súditos obedientes do Céu em seus esforços para viver a nova vida em Cristo.Special Testimonies, Serie B. N.7, págs. 62 e 63 (1905). Evangelismo, págs. 614, 615

O texto acima foi copiado do livro “Evangelismo”, que é a tradução para o português do livro “Evangelism”, que citamos abaixo:

 

There are three living persons of the heavenly trio; in the name of these three great powers – the Father, the Son, and the Holy Spirit...” do livro “Evangelism”

 

No manuscrito original, Ellen G. White escreveu o termo “persons”, que significa pessoas. Entretanto, ela mesmo corrigiu e colocou o que deveria ser o correto entendimento. Riscou a letra “s” e acrescentou o final “alities”, transformando a palavra “persons” em “personalities”, que significa personalidades. Além disso, ela acrescentou o termo “the” logo após o início da frase, de maneira que a frase do manuscrito original se encontra da seguinte forma:

 

There are the living three persons alities of the heavenly trio in which every soul repenting of their sins believing receiving Christ by a living faith to them who are baptized. Special Testimonies, Serie B. N.7, págs. 62 e 63 (1905)

Tradução:

 

Existem as três personalidades vivas no trio celestial nas quais cada alma arrependida dos seus pecados recebendo a Cristo por meio de fé viva por eles são batizados.

 

Para que não fique só no meu testemunho, coloco abaixo uma fotocópia escaneada do manuscrito original de Ellen G. White, que comprova que as modificações aqui mencionadas foram feitas por ela mesma:

 

 

 

Agora, compare o texto que se encontra no livro “Evangelismo” em português, com o texto original:

 

Special Testimonies, Serie B. N.7, págs. 62 e 63 (1905) original:

Existem as três personalidades vivas no trio celestial

Livro Evangelismo:

Há três pessoas vivas pertencentes à trindade celeste;

 

Obviamente, trio celestial não é igual a “trindade celeste”. Percebemos mais uma vez que este trata-se de um texto que foi adulterado, para dar a entender que Ellen G. White teria apoiado a trindade em seus escritos.

 

O testemunho atesta da existência do “trio” celestial. Todavia, não afirma que a terceira pessoa, o Espírito Santo, é um Deus. A terceira pessoa a partir da Divindade aqui mencionada é o primeiro em honra após o Pai e o Filho. Quem seria este? Deixemos que os próprios testemunhos respondam. O testemunho acima, que lemos, fala de três pessoas, que são três grandes poderes. Obviamente, Deus o Pai é um grande poder, assim como o é Cristo o Filho. Todavia, quem é o terceiro grande poder, chamado de Espírito Santo? O testemunho nos diz quem ele era no passado, antes de haver pecado:

 

Lúcifer, no Céu, antes de sua rebelião foi um elevado e exaltado anjo, o primeiro em honra depois do amado Filho de Deus. Seu semblante, como o dos outros anjos, era suave e exprimia felicidade.

Entre os habitantes do Céu, excluindo-se o próprio Cristo, foi Satanás durante algum tempo o mais honrado de Deus, o mais elevado em poder e glória. Signs of the Times, 23 de julho de 1902…

[Lúcifer] fora o mais elevado de todos os seres criados, e o primeiro em revelar ao Universo os desígnios divinos. O Desejado de Todas as Nações, pág. 758.” A Verdade Sobre os Anjos, págs. 27 e 28

 

“Lúcifer era o querubim cobridor, o mais exaltado dentre os seres criados. Sua posição era a mais próxima do trono de Deus, e ele se achava intimamente vinculado e identificado com a administração do governo de Deus, havendo sido ricamente dotado com a glória de Sua majestade e poder.” A Verdade Sobre os Anjos, págs. 27, 28

 

Lúcifer, o "filho da alva", sobrepujando em glória a todos os anjos que rodeavam o trono, ... [estava] ligado pelos mais íntimos laços ao Filho de Deus. O Desejado de Todas as Nações, pág. 435.

 

O testemunho afirma que Lúcifer, ou Satanás, era o primeiro abaixo de Cristo, o mais elevado em poder, acima de todos os outros seres criados. O testemunho afirma que Satanás era um grande poder, e era o primeiro abaixo de Cristo. Existiria alguém entre Deus o Pai, Cristo e Lúcifer, que pudesse ser considerado um grande poder? Deixemos que os testemunhos nos revelem.

 

O Rei do Universo convocou os exércitos celestiais perante Ele, para, em Sua presença, apresentar a verdadeira posição de Seu Filho, e mostrar a relação que Este mantinha para com todos os seres criados. O Filho de Deus partilhava do trono do Pai, e a glória do Ser eterno, existente por Si mesmo, rodeava a ambos. Em redor do trono reuniam-se os santos anjos, em uma multidão vasta, inumerável - "milhões de milhões, e milhares de milhares" (Apoc. 5:11), estando os mais exaltados anjos, como ministros e súditos, a regozijar-se na luz que, da presença da Divindade, caía sobre eles. Perante os habitantes do Céu, reunidos, o Rei declarou que ninguém, a não ser Cristo, o Unigênito de Deus, poderia penetrar inteiramente em Seus propósitos, e a Ele foi confiado executar os poderosos conselhos de Sua vontade.” Patriarcas e Profetas, pág. 36

 

O testemunho é claro. Diz que “A glória do Ser eterno existente por Si mesmo, rodeava a ambos”, o Pai e o Filho. E vimos nos testemunhos que lemos acima que Lúcifer era o primeiro abaixo de Cristo. Assim, o “trio” celestial que havia no Céu, era formado por três grandes poderes, e estes eram: Deus o Pai (um Deus), Cristo (o Filho de Deus, portanto também um Deus) e Lúcifer (um ser criado, que não é Deus). Percebemos portanto que os testemunhos dados por Jesus a Ellen G. White mostram que realmente havia um trio celestial formado por três grandes poderes no céu. Todavia, o terceiro poder não era um Deus, e sim um anjo, que quis ser Deus. E por querer ser Deus, foi expulso do Céu.

 

O testemunho diz também o que Deus, o Pai, disse por ocasião desta reunião que houve no Céu: “Perante os habitantes do Céu, reunidos, o Rei declarou que ninguém, a não ser Cristo, o Unigênito de Deus, poderia penetrar inteiramente em Seus propósitos”. Quem quer que afirme haver um outro ser (Espírito Santo) que conheça os propósitos do Pai além de Cristo, está buscando contradizer o que o próprio Deus, o Pai, afirmou. Neste caso, em quem é seguro acreditar? “Seja Deus verdadeiro e mentiroso, todo o homem” Romanos 3:4. Fiquemos com o conselho que nos dá a Palavra de Deus, pois é obedecendo-a que estaremos seguros.

 

Após a queda de Lúcifer, um anjo foi exaltado à posição da qual ele caíra. O testemunho nos mostra quem é este anjo:

 

“Na crise suprema, quando coração e alma se rompem sob o fardo do pecado, Gabriel é enviado para fortalecer o divino Sofredor, animando-O a prosseguir no caminho manchado de sangue. Signs of the Times, 9 de dezembro de 1897.

Nessa horrível crise, quando tudo estava em jogo, quando o misterioso cálice tremia nas mãos do Sofredor, abriu-se o Céu, surgiu uma luz por entre a tempestuosa treva da hora da crise, e o poderoso anjo que se acha na presença de Deus, ocupando a posição da qual Satanás caíra, veio para junto de Cristo. O anjo não veio para tomar-Lhe o cálice das mãos, mas para fortalecê-Lo a fim de que o bebesse, com a certeza do amor do Pai. .” A Verdade Sobre os Anjos, pág. 195

 

Gabriel assumiu a posição da qual Lúcifer caíra. Lúcifer era o terceiro grande poder que integrava o “trio” celestial. Após a queda de Lúcifer, Gabriel passou a ser o terceiro grande poder pertencente ao “trio” celestial. Desde então ele é o mais exaltado ser criado, pois assumiu a posição de Lúcifer, que era o mais exaltado ser criado. É ele que é comissionado por Deus para comunicar os propósitos divinos aos homens, e, segundo o testemunho, fortalece os homens por “seu” divino poder:

 

Que grande honra é outorgada a Daniel pela Majestade do Céu! Conforta Seu servo tremente e lhe assegura que sua oração foi ouvida no Céu. Em resposta àquela fervorosa petição, o anjo Gabriel foi enviado para influenciar o coração do rei persa....

Tão grande foi a glória divina revelada a Daniel, que não pôde suportar a visão. Então o mensageiro celestial velou o resplendor de sua presença e apareceu ao profeta na "semelhança dos filhos dos homens". Dan. 10:16. Por seu divino poder, fortaleceu esse homem de integridade e fé, para ouvir a mensagem divina a ele enviada.” Santificação, págs. 51, 52

 

Conforme afirma o testemunho acima, Gabriel revelou a “glória divina” a Daniel. O testemunho também afirma que Gabriel, “por seu divino poder”, fortaleceu a Daniel. O anjo Gabriel, por manifestar a glória divina e possuir poder divino, segundo o testemunho, deveria ser adorado como Deus? Ele mesmo diz que não, falando ao profeta João:

 

De Gabriel, diz o Salvador em Apocalipse: "Pelo Seu anjo as enviou, e as notificou a João Seu servo." Apoc. 1:1. E a João o anjo declarou: "Eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas." Apoc. 22:9. Maravilhoso pensamento - que o anjo que ocupa, em honra, o lugar logo abaixo do Filho de Deus, é o escolhido para revelar os desígnios de Deus a homens pecadores.” O Desejado de Todas as Nações, pág. 99

 

Prostrei-me ante os seus pés para adorá-lo. Ele, porém, me disse: Vê, não faças isso; sou conservo teu e dos teus irmãos que mantém o testemunho de Jesus; adora a Deus.” Apocalipse 19:10

 

Embora Gabriel seja a “terceira pessoa a partir da Divindade”, não aceita adoração como Deus. Se Ele, que ocupa o lugar logo abaixo do Filho de Deus, sendo portanto o terceiro no “trio” celestial atual, não aceita adoração, nenhum outro ser deve ser adorado além do Pai e do Filho, conforme diz a Escritura:

 

“E ouvi a toda a criatura que está no Céu, e na Terra, e debaixo da terra, e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre.” Apoc. 5:13.

 

2 – Citação do livro “Consels on Health”  (Conselhos Sobre Saúde) A DIVINDADE... DEU A SI MESMA

 

A Divindade se encheu de compaixão pela raça, e o Pai, o Filho, e o Espírito Santo deram a Si mesmos para o trabalho do plano da redenção. Consels on Health, pág. 222

 

O pronome “Si” é colocado como tradução do termo “Themselves” do original inglês. É escrito com “S” maiúsculo para dar a entender que, como o texto estaria falando de três Deuses, o pronome “Si” representaria três Deuses. O mesmo acontece com o na versão em inglês – o termo “Themselves”, traduzido para o português pelo pronome “Si”, é colocado com letra inicial maiúscula, dando a entender que Ellen G. White estava se referindo a três Deuses. Caso o termo “Themselves” fosse escrito com letra minúscula (themselves), isto significaria que Ellen G. White não estava se referindo a três nomes próprios – o termo escrito com letra minúscula indica que ao menos um dos termos – Pai, Filho ou Espírito Santo – não é um Deus. Assim, caso o termo do inglês “themselves” estivesse com “t” minúsculo, isto deixaria claro que Ellen G. White não estava considerando o Espírito Santo como um Deus.

 

Pois bem, é exatamente isto o que acontece. No artigo original, o termo “Themselves” está escrito com “t” minúsculo (themselves). A letra maiúscula foi colocada quando o texto foi incluído no livro compilado “Conselhos sobre Saúde”, em 1957. Ao vermos o contexto, que não aparece no compilado “Conselhos sobre Saúde”, percebemos claramente que Ellen G. White não estava dando a entender, através deste texto, de forma alguma, que ela cria na Trindade:

 

"The Godhead was stirred with pity for the race, and the Father, the Son, and the Holy Spirit gave themselves to the working out of the plan of redemption. " Union Conference Record April 1, 1901 p. 2" (letter B12-1901).

 

Primeiramente veja que, no texto original apresentado acima, o termo “themselves” aparece com “t” minúsculo, tal como Ellen G. White o escreveu. Ellen G. White estava viva em 1901, quando este original foi escrito. Em 1957, quando a mudança foi efetuada, Ellen G. White não estava viva para autorizar a mudança. Apresentamos abaixo o texto original traduzido, para que os irmãos que tenham dificuldade com o idioma inglês possam ler o contexto da passagem:

 

A Divindade moveu-se de compaixão pela raça, e o Pai, o Filho e o Espírito Santo deram-se a si mesmos para o trabalho do plano da redenção.” Union Conference Record April 1, 1901 p. 2" (letter B12-1901).

 

Observe a letra minúscula no pronome “si”, indicando que Ellen G. White não se refere a 3 pessoas, e sim Duas, o Pai Eterno e seu Filho.

 

Agora, compare o texto que se encontra no livro “Consels on Health” (Conselhos Sobre Saúde), de 1957, com o texto original:

 

Consels on Health, versao original:

Pai, o Filho, e o Espírito Santo deram a si mesmos...

Conselhos Sobre Saúde: de 1957:

Pai, o Filho, e o Espírito Santo deram a Si mesmos...

 

4 – Citação do livro “O Desejado de Todas as Nações” - A TERCEIRA PESSOA DA DIVINDADE

 

No livro “O Desejado de Todas as Nações”, que é a tradução do original em inglês “Desire of Ages”, vemos a seguinte afirmação:

 

O pecado poderia ser resistido e vencido somente através da poderosa operação da Terceira Pessoa da Trindade, a qual viria não como energia modificada, mas na plenitude do divino poder.” Desire of Ages, 671

 

O termo “Terceira Pessoa da Trindade” é colocado como sendo a tradução do texto ¨Third Person of Godhead¨, que encontra-se no livro original “The Desire of Ages”.  Em primeiro lugar, o termo “Godhead”, que esta no idioma original, significa “Divindade” (Trindade é a tradução da palavra em inglês “Trinity”). Portanto, o termo Divindade nada tem que ver com o termo “Godhead”, do idioma original. Também temos que, no idioma inglês, idioma no qual o livro original foi escrito, a preposição “of” que se encontra neste termo, significa “from”, que quer dizer “a partir da”. Assim, a tradução correta para o português seria “Terceira Pessoa a partir da Divindade”.  Existe também um outro problema neste termo “Terceira Pessoa da Trindade”, que aparece no livro “O Desejado de Todas as Nações”. O termo do livro em inglês, “Third Person of Godhead”, aparece com as letras iniciais “t” e “p” minúsculas, da forma que se segue: “third person of Godhead”, mostrando que Ellen G. White não se estava referindo a um terceiro Deus. As iniciais minúsculas foram trocadas por iniciais maiúsculas na revisão de 1940 do livro “O Desejado de Todas as Nações”.

 

A citação do livro “Desire of Ages”, de 1898, foi repetida na revista Review and Herald em 1904, e mostra o termo “third person” também com iniciais minúsculas:

 

Sin could be resisted and overcome only through the mighty agency of the third person of the Godhead, who would come with no modified energy, but in the fulness of divine power.

Advent Review and Sabbath Herald, May 19, 1904, paragraph 3

 

Tradução:

 

O pecado poderia se resistido e vencido somente através da poderosa operação da terceira pessoa a partir da Divindade, a qual viria não com energia modificada, mas na plenitude do poder divino.

 

Percebemos então que o texto do livro “O Desejado de Todas a Nações” foi mudado, ou adulterado, para dar a entender que Ellen G. White cria em uma Trindade.

 

Agora, compare o texto que se encontra no livro “Desire of Ages” (O Desejado de Todas a Nações) atual, com o texto original de 1898, publicado em 1904:

 

“Desire of Ages”, versao original:

poderosa operação da terceira pessoa a partir da Divindade,

“O Desejado de Todas as Nações”: atual, adulterado:

poderosa operação da Terceira Pessoa da Trindade,

 

O mesmo termo, “third person of Godhead” aparede com as letras “t” e “p” minúsculas em “The Faith I Live By, page 52, paragraph 6”, “Advent Review and Sabbath Herald, November 19, 1908, paragraph 5”, e “Special Testimonies for Ministers and Workers. -- No. 10, page 25, paragraph 2”.

 

Outros textos que datam do tempo em que Ellen G. White ainda estava viva, também apresentam o termo “third person” escrito em letras iniciais “t” e “p” minúsculas:

 

“The Signs of the Times, December 1, 1898, paragraph 2”, “The Watchman, November 28, 1905, paragraph 2”,   “The Upward Look, page 51, paragraph 3”,

 

O termo “Third Person” apresentando letras iniciais “T” e “P” maiúsculas aparece apenas nas obras revisadas ou compiladas após a morte de Ellen G. White. Percebemos então que houve uma manipulação nos textos de Ellen G. White, apos a sua morte, durante anos, para que os membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia fossem levados a crer que ela cria em uma Trindade, quando isto em verdade nunca aconteceu. Quando buscamos saber quem é a “terceira pessoa a partir da Divindade que vem na plenitude do poder divino” que Ellen G. White cita no texto do livro “O Desejado de Todas as Nações”, encontramos a resposta em outros testemunhos:

 

1 – Satanás um dia foi a “terceira pessoa a partir da Divindade”:

 

Lúcifer, no Céu, antes de sua rebelião foi um elevado e exaltado anjo, o primeiro em honra depois do amado Filho de Deus.” A Verdade Sobre os Anjos, pág. 27

 

Entre os habitantes do Céu, excluindo-se o próprio Cristo, foi Satanás durante algum tempo o mais honrado de Deus, o mais elevado em poder e glória.” A Verdade Sobre os Anjos, pág. 28

2 – Após a queda de Satanás, perdeu o seu posto e o anjo Gabriel passou a ser a “terceira pessoa a partir da divindade”:

 

Na crise suprema, quando coração e alma se rompem sob o fardo do pecado, Gabriel e enviado para fortalecer o divino Sofredor, animando-O a prosseguir no caminho manchado de sangue. Signs of the Times, 9 de dezembro de 1897

 

Nessa horrível crise, quando tudo estava em jogo, quando o misterioso cálice tremia nas mãos do sofredor, abriu-se o Céu, surgiu uma luz por entre a tempestuosa treva na hora da crise, e o poderoso anjo que se acha na presença de Deus, ocupando a posição da qual Satanás caíra, veio para junto de Cristo.” A Verdade Sobre os Anjos, pág. 195

 

3 – Gabriel “se acha na presença de Deus”. Ele é um dos dois ungidos apresentados na visão de Zacarias, que estão na presença de Deus, e vem para a Terra “na plenitude do poder divino”:

 

"Falei mais e disse-lhe: Que são as duas oliveiras à direita do castiçal e à sua esquerda? E, falando-lhe outra vez, disse: Que são aqueles dois raminhos de oliveira que estão junto aos dois tubos de ouro e que vertem de si ouro? E ele me respondeu: ... São os dois ungidos, que estão diante do Senhor de toda a Terra." Zac. 4:11-14.

Os ungidos que estão diante do Senhor de toda Terra mantêm a posição uma vez outorgada a Satanás como querubim cobridor. Por intermédio dos seres santos que circundam Seu trono, o Senhor mantém constante comunicação com os habitantes da Terra. Review and Herald, 20 de julho de 1897.” A Verdade Sobre os Anjos, págs. 150, 151

 

Nesta visão as duas oliveiras que estão diante de Deus são representadas como vertendo de si o dourado óleo através de tubos para o receptáculo do castiçal. Daqui se alimentam as lâmpadas do santuário, para que possam produzir luz clara e contínua. Assim, dos ungidos que se acham na presença de Deus, a plenitude da luz divina do amor e poder é repartida a Seu povo, para que este possa com outros repartir luz, gozo e refrigério. Os que assim são enriquecidos devem enriquecer a outros com os tesouros do amor de Deus.” Profetas e Reis, pág. 594

 

Percebemos portanto que Ellen G. White, quando mencionou o termo “third person of Godhead” (terceira pessoa a partir da Divindade) no livro “Desire of Ages” (O Desejado de Todas as Nações), estava se referindo ao Espírito de Cristo. Esta mesma referencia ao Espírito de Cristo e sua obra como “espirito ministrador santo” em favor dos homens, de acordo com a luz do texto de Hebreus 1:13, 14, foi feita no testemunho “Special Testimonies for Ministers and Workers, Series A, #10, págs. 25, 26, 29, 30.”:

 

O mal estava se acumulando por séculos, e não poderia restringido e resistido apenas pelo grande poder do Espírito Santo, a terceira pessoa a partir da Divindade, que viria não com energia modificada, mas na plenitude do poder divino... o Espírito de Deus se alojaria em seus corações. Ele convenceria do pecado... O Espírito divino revela seu trabalho no coração humano... Permitam Cristo trabalhar pelo Seu Espírito Santo, acordá-los como que da morte e levá-los consigo. Deixem ele empregar suas habilidades... Estão aqueles com o coração preparado como barcos escolhidos para o trabalho e que podem receber o óleo dourado o qual através dos mensageiros celestiais, representados pelas duas oliveiras, será derramado nos tubos dourados para encher as lâmpadas?” Special Testimonies for Ministers and Workers, Series A, #10, págs. 25, 26, 29, 30. (tradução para o idioma português)

 

Esta citação apresentada acima, extraída de “Testimonies Series A” foi modificada, ou adulterada, primeiramente na edição de 1923, e esta adulteração foi mantida nas versões posteriores do livro “Testimonies to Ministers and Gospel Workers” (Testemunhos para Ministros), página 392. Nesta citação o termo “third person”, que foi originalmente escrito com letras iniciais minúsculas, foi modificado para “Third Person” (letras iniciais maiúsculas), com o mesmo objetivo pelo qual foram feitas todas as mudanças nos outros testemunhos que vimos nesta material – apoiar a idéia falsa de que Ellen G. White teria crido em uma Trindade. O texto de “Special Testimonies” que apresentamos acima é apresentado na versão atual do livro “Testemunhos para Ministros”, no idioma português, da seguinte forma:

 

O mal estava se acumulando por séculos, e não poderia restringido e resistido apenas pelo grande poder do Espírito Santo, a terceira pessoa da Trindade, que viria não com energia modificada, mas na plenitude do poder divino... o Espírito de Deus se alojaria em seus corações. Ele convenceria do pecado... O Espírito divino revela seu trabalho no coração humano... Permitam Cristo trabalhar pelo Seu Espírito Santo, acordá-los como que da morte e levá-los consigo. Deixem ele empregar suas habilidades... Estão aqueles com o coração preparado como barcos escolhidos para o trabalho e que podem receber o óleo dourado o qual através dos mensageiros celestiais, representados pelas duas oliveiras, será derramado nos tubos dourados para encher as lâmpadas?” Special Testimonies for Ministers and Workers, Series A, #10, págs. 25, 26, 29, 30. (tradução para o idioma português)

 

Agora, compare o texto que se encontra no testemunho original com o texto mudado, ou adulterado, que aparece na versão atual do livro “Testemunhos para Ministros”:

“Special Testimonies for Ministers and Workers, Series A, #10, págs. 25, 26, 29, 30”, versao original:

Espírito Santo, a terceira pessoa a partir da Divindade

“Testemunhos para Ministros, pág. 392”: atual, adulterado:

Espírito Santo, a terceira pessoa da Trindade

 

 

 

 

 
Conclusão:

 

ALGUÉM INTENCIONALMENTE MODIFICOU E MANIPULOU OS TEXTOS DE ELLEN G. WHITE PARA DAR A ENTENDER QUE ELA TERIA CRIDO NA DOUTRINA DA TRINDADE. ESTAMOS DENUNCIANDO ISTO PARA QUE ESTAS PESSOAS, SE ESTIVEREM VIVAS, SE ARREPENDAM, E PARA QUE NOSSOS IRMÃOS ADVENTISTAS SINCEROS PERCEBAM QUE NÓS FOMOS ENGANADOS.

 

Os textos analisados neste trabalho, comumente usados para “provar” que Ellen G. White teria crido na Trindade, quando comparados com os manuscritos originais e os seus respectivos contextos, deixam evidente que ela não estava de forma alguma apoiando uma crença na Trindade quando os escreveu. Pelas provas aqui apresentadas, verificamos que Ellen G. White nunca creu na Trindade. Ao contrário, ela concordava com seu marido, James (Tiago) White, que morreu não crendo na Trindade. O próprio fato de que pessoas no decorrer da história manipularem os textos por ela escritos, após a sua morte, para fazer parecer que ela teria crido na Trindade quando viva, evidenciam que ela não cria na Trindade. Se você, irmão, na sua sinceridade, ainda possui duvidas quanto a isto, leia um texto que Jesus a inspirou a escrever:

 

Impedido por Sua humanidade, Cristo não poderia estar em todos os lugares pessoalmente; então foi para benefício deles (os discípulos) que Ele deveria deixá-la, ir para o Pai, e enviar o Espírito Santo para ser seu sucessor na terra. O Espírito Santo é Ele mesmo, despojado da personalidade humana e independente dela. Ele Se representaria como estando presente em todos os lugares por Seu Espírito, como Onipresente. Mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em Meu nome, ele vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito (João 14:26). “Mas digo-vos uma verdade: Convém que Eu vá, porque se não fosse, o Consolador não viria a vós; mas se eu for, vo-lo enviarei.” (João 16:7).

Manuscript Releases Volume Fourteen, Page 23, 24

 

Ellen G. White previu o ômega da apostasia, que seria muito pior do que o Alfa, encabeçado pelo Dr. Kellogs. Hoje vemos claramente porque o ômega seria de natureza muito pior. Foram feitas adulterações nos textos de Ellen G. White durante décadas, para dar a membresia uma falsa impressão de que ela teria crido em uma Trindade, e estabelecer esta doutrina falsa, este vinho de Babilônia, a principal doutrina da igreja católica, dentro do corpo de doutrinas da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Após todas estas adulterações, utilizam os textos que foram anteriormente modificados e estão contidos nestes livros para dizer que a Trindade é a doutrina da igreja, e que esta apoiada pelos testemunhos. Esquecem-se que a Bíblia demonstra claramente que crer em um outro deus, o Espírito Santo, diferente do Pai Eterno, caracteriza-se como pecado de idolatria. (“Não terás outros deuses diante de Mim”) O Espírito Santo, sendo a glória de Deus Pai dada a Jesus Cristo e por Ele comunicada a nós através de Seus anjos, é o mais importante dom que necessitamos como meio de santificação, mas nem por isso é um deus. A adoração, segundo a Bíblia, é devida apenas e tão somente ao Deus Único e Eterno, e a Seu Filho Jesus Cristo  (Apocalipse 5:13; João 10:30).

 

Concluímos com o seguinte apelo:

 

1 - Oremos pelos responsáveis por estas modificações para que, se possível for, e se estiverem vivos, eles se arrependam de seus pecados e se convertam realmente a Cristo, pois Deus é fiel e justo para perdoá-los de toda injustiça;

 

2 – Oremos pela liderança da IASD – departamentais, pastores distritais e líderes de igreja, para que tenham um coração e espírito humilde possam pedir perdão por ter ensinado os membros a adorar um Deus que não é Deus, e para que os juízos divinos preditos no livro de Ezequiel, que estão prestes a cair sobre a IASD, sejam, se possível, retardados;

 

3 – Oremos por nós mesmos, para que Deus tenha misericórdia de nós e nos aceite como suas ferramentas para o Seu trabalho.

 

4 – Oremos para que a sacudidura, que já se iniciou na IASD (começa com questões doutrinárias e termina logo após a lei dominical, ver Eventos Finais – cap. “A Sacudidura”) possa se encerrar com grande parte do Seu povo fiel preparada para receber a Chuva Serôdia, e para que não sejamos sacudidos para fora do povo de Deus.

 

5 – Oramos para que você, sendo agora conhecedor destas adulterações feitas no passado, e da verdade de que os testemunhos dados por Jesus a Sua serva Ellen G. White nunca apoiaram a crença em uma Trindade, e que esta crença, portanto, não passa de invenção de homens movidos pelo espírito de Satanás, o pai da mentira; olhe para Jesus, arrependa-se do pecado de idolatria por ter aceito por algum tempo esta falsa doutrina, e peça a ele que perdoe este pecado, renovando-o para que andes na verdade a cada dia e pregue a outros que estão neste mesmo erro, para que estes possam se arrepender.

 

Que Deus te abençoe.  MARANATA!!!!!!!!

 

Jairo Carvalho

 

 

 

 

 Caixa de texto:  
          Se você apreciou a leitura deste folheto escreva-nos,
          e teremos a maior satisfação em fornecer-lhe mais
          material sobre este, ou sobre qualquer outro
          assunto de seu interesse.
 
 Caixa Postal 48342 – São Paulo – Cep: 03512-970
         Email: advhstpenha@hotmail.com
           Telefone: 0XX11.6852.3411

 

 

 

 

 


 

Material Formatado e Corrigido Por: Adventistas Históricos da Penha (Leigos)

Primeira Edição – Junho 2004                           Fonte: Jairo Carvalho

 

 

RETORNAR