Make your own free website on Tripod.com

Porque a promessa do Consolador foi condicionada à vitória do Messias?

By I. B. Zaituni Via Bereanos...

(Comentário sobre João 16:7-14 feito por um judeu convertido ao cristianismo)

Todavia, digo-vos a verdade, convém-vos que eu vá; pois se eu não for, o Ajudador não virá a vós; mas, se eu for, vo-lo enviarei. E quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais, e do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. Ainda tenho muito que vos dizer; mas vós não o podeis suportar agora. Quando vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras. Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará”.

O texto de João 16:7-14 tem um significado tão profundo que para compreendê-lo, necessitamos de ter uma compreensão do capítulo 12 do livro do Apocalipse;.isto nos levará a um confronto direto com a teologia tradicional (IASD).

Quando o Messias disse que, se Ele não fosse, o Consolador não viria, certamente estava falando da necessidade de se cumprir , na cruz, o seu ministério e desmascarar, nos céus, a satanás pois do contrário não teria condições de conceder os seu poder espiritual ao discípulos... Lucas 24:49. Se não desmascarasse a satanás, não se obteria o conhecimento celestial de Sua autoridade ante as hostes angelicais;. Autoridade esta que seria concedida por Seu Pai, o DEUS Eterno!

Na verdade, a declaração acima produz um forte impacto no investigador diligente, porém as evidências bíblicas nos conduzem à esta compreensão como poderemos observar no transcorrer deste nosso comentário.

Analisando-se o texto de Apocalipse 12:11 (E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do Seu testemunho; e não amaram as suas vidas até a morte), verificaremos que o sangue do Cordeiro (derramado na cruz) foi o motivo da vitória de Miguel (Jesus, o Messias) e Seus anjos sobre o dragão, a antiga serpente e seus anjos na guerra mencionada nos versos 7 e 8; vitória esta que veio a ocasionar a expulsão de satanás, juntamente com seus anjos, dos céus.

Se a derrota de satanás (e de seus anjos) resultando na conseqüente expulsão de todos das regiões celestiais foi devido ao sangue do Cordeiro (sacrifício do Messias), obviamente só podemos concluir que estes foram [definitivamente] expulsos dos céus em algum momento depois do sacrifício do Messias e não antes como nos tem ensinado aa teologia tradicional.

NOTA No Tempo Do Fim: Esta guerra e conseqüente expulsão dos anjos ímpios é a purificação do santuário (celestial) que ocorreu no fim da última semana (os 2.300 dias de Dan 8:14) das Setenta Semanas de Dan 9:24-27.  CLIC AQUI para entender esta colocação...

Quando analisamos o capítulo 5 do livro do Apocalipse, verificamos que a autoridade outorgada pelo DEUS Eterno ao Seu Filho foi reconhecida por toda as hostes celestiais, depois de sua vitória sobre a cruz. Sendo assim, certamente, o Messias, ao mencionar o relato de João 16:7-14 estava Se referindo ao conflito (Guerra Celestial) que estava diante de Si, conflito este que resultaria em Sua vitória sobre o dragão e seus anjos e que Lhe conferiria o direito de assumir diante de toda a hoste celestial todo o Domínio, Glória e Honra que haveria de ser outorgado por Seu Pai, o DEUS Eterno, o que Lhe permitiria, inclusive de cumprir Lucas 24:47 e do alto descer sobre os discípulos (o espírito, o Santo), dando Seus dons aos Seus servos, aqui na terra...

A Simbologia do Véu

Interessante é notarmos que na simbologia bíblica usada no tabernáculo, o véu representava as hostes celestiais (os anjos) e com o sacrifício do Messias na cruz, naquela tarde, o véu rasgou-se de alto a baixo (Mat 27:51) como símbolo da ruptura que haveria neste instante entre as hostes celestiais (Apoc 12:7-8).

O que tornou ainda mais interessante este acontecimento foi o fato de que o todo o conhecimento sobre o DEUS Eterno, que havia permanecido oculto praticamente entre os judeus, depois deste acontecimento em relação ao véu, o evangelho foi levado para todo o mundo conhecido naquela época, demonstrando assim uma maior participação dos anjos em seu ministério de levar a Palavra do DEUS Eterno e de Seu Filho à humanidade, fato este que antes era obstruído pelo governo de satanás e seus anjos ainda nas regiões celestiais. Sobre este poder satânico podemos confirmar em Daniel 10:12, 13, 20 e 21 quando o anjo Gabriel  afirmou que nada (ninguém, nos céus) a não ser o arcanjo Miguel (Jesus) pode ajudá-lo quando satanás obstruiu uma determinação do Eterno...

Portanto, certamente quando o Messias mencionou o texto em análise (João 16:7,8), Ele sabia que no caso de não vencer a satanás, primeiro na cruz e depois nos céus (Dan 8:14), não poderia conceder o Seu poder espiritual (em espírito, que é Santo) aos Seus seguidores que certamente [satanás e seus anjos] ofereceriam uma forte resistência (moral) ao seu futuro ministério intercessório.

Amém!

Versão: No Tempo do Fim

 

RETORNAR