Make your own free website on Tripod.com

O PECADO IMPERDOÁVEL: PECAR CONTRA A NATUREZA SANTA DE DEUS (Blasfêmia Contra o espírito – Mat 12:31)

 

1 – INTRODUÇÃO

 

Relutei muito em publicar este artigo, visto confrontar a fé que muitos tem mesmo sobre a natureza de Deus e sobre o pecado imperdoável. Mas, confesso que, não tive outra opção que a de publicar.  Fiquei dias em luta interna sobre se deveria ou não publicar, mas, a palavra de Deus declara:

Se eu disser ao perverso: O perverso, certamente morrerás; e tu não falares para dissuadir o perverso do seu caminho, morrerá esse perverso na sua iniqüidade, mas o seu sangue eu o requererei da tua mão. Todavia se advertires o perverso do seu caminho, para que ele se converta, e ele não se converter do seu caminho, morrerá ele na sua iniqüidade; tu, porém, terás livrado a tua alma.”  (Ezequiel 33:08-09).

Como disse, relutei em publicar este artigo, pois tive que rever meus próprios conceitos, alguns que foram sendo revelados através do estudo da palavra do Eterno e da oração. Não reservo quaisquer direitos sobre as idéias aqui expressas e solicito aos irmãos que lerem este material, que o passem adiante, para que outros também recebam a iluminação sobre os temas tratados neste artigo. Se alguém quiser me contatar para quaisquer dúvidas, pode usar o e-mail: misaelmalagoli@gmail.com.  Peço somente que informem meu e-mail para tirar as dúvidas, e peço ao Eterno que ilumine a todos quantos Ele fazer chegar essas palavras. “Agindo Deus, quem impedirá?” (Isaías 43:13).

 

De forma superficial, muito se tem dito sobre o pecado contra o espírito (Mat 12:31), a Blasfêmia ‘imperdoável’. Muitos cristãos até ficam preocupados se o tenham cometido e ficam inquietos com isto. A classe pastoral, como tradição, tende a manter os leigos desinformados, pois assim sendo, fica mais maleável a modelagem conforme deseje o clero e sua ideologia dominadora. Até mesmo na classe clerical, muitos não buscam a compreensão baseados na palavra de Deus, mas se firmam em conceitos filosóficos destituídos da verdade bíblica.

Convido o leitor a não tirar conclusões antecipadas e não se ater a preconceitos formados, mas se que leia todo o texto, pois a leitura até o final é essencial para completa compreensão.

 

2 – O “TERCEIRO DEUS” – O DEUS IMPLACÁVEL?

A grande maioria do cristianismo formal, preferem crer em doutrinas pré-fabricadas, oferecidas por um clero, cujo interesses são obscuros e jamais declarados. Preferem crer no que lhes é oferecidos por teólogos e doutores em divindades, e, ao contrario dos cristãos de Beréia, que conferiam nas escrituras para ver se as coisas eram de fato como se pregava, preferem a comodidade à pesquisa sincera. (Veja sobre os bereanos em Atos 17:11).

No cristianismo ecoa, quase como um todo, a pregação de um deus-mistério, inconhecível pelos leigos, somente compreendido pelo clero pastoral que detém o conhecimento e restrito ao conhecimento completo somente dos doutores em divindade. O deus triúno tem sido aclamado por muitos como se fosse deus. Tal crença é baseada em dois textos apócrifos, inseridos ao texto sagrado, que contrariam e contradizem o restante das escrituras. O dogma católico da trindade, declarado objeto de fé católico central, e que coloca todos os que o aceitam como católicos e sob o jugo romano.

 

Jesus declarou que devemos conhecer a Deus e a seu enviado, o Cordeiro (João 17:03), e o Apocalipse revela que os salvos adorarão somente a Deus e ao Cordeiro (Apoc 05:13;14:01).

Sob a ótica trinitariana, e por meio de qualquer caminho tomado, chegaremos inevitavelmente à seguinte conclusão:

1 – Deus o pai, primeira pessoa da trindade,  perdoa qualquer ofensa ou pecado;

2 – O filho de deus, segunda pessoa da trindade, perdoa qualquer ofensa ou pecado;

3 – O espírito santo, o terceiro deus ou pessoa da trindade, não perdoa.

 

Esse tipo de pecado, em que o pai e o filho perdoam, mas o espírito santo, considerado o terceiro deus, não perdoa, joga por terra todo conceito trinitariano de Deus. Se a trindade é um Deus unidade de três pessoas co-eternas, é amor, é perdão e misericórdia, por que o terceiro deus é implacável e não perdoa? Verificamos na realidade que os atributos divinos não são compartilhados por três pessoas divinas ou três deuses. Se na realidade fossem três pessoas co-eternas, como se afirmam sem base bíblica, os três perdoariam (ou não) todo tipo de pecado, e o que um não perdoasse os outros dois não perdoariam. Os três teriam o mesmo tratamento, pois seriam iguais.

Vejamos agora o que vem a ser esse pecado imperdoável contra o espírito ou blasfêmia, citado por Jesus em Mateus 12:31, mas, dentro da palavra de Deus. Preferimos, como bereanos, nos ater à Bíblia, deixando de lado pretensões filosóficas, por mais bem intencionadas que sejam.

 

3 – O QUE É BLASFÊMIA? HÁ EXEMPLOS BÍBLICOS DE PESSOAS QUE COMETERAM ESSE PECADO SEM PERDÃO?

É fundamental entender o que seja blasfêmia. A tradição tem mudado ao longo do tempo o significado e definição de muitas palavras, como por exemplo, o significado da palavra batismo, que originalmente correspondia ao ato de mergulhar, submergir, e atualmente e usualmente é reconhecido como o ato de dar nome às coisas.

O termo ‘blasfêmia’ foi corrompido com a tradição, e, quando usado no texto bíblico corresponde a muito mais do que a definição que encontramos no dicionário.

Na maioria das vezes que se usa a expressão ‘blasfêmia’, vem a mente algumas questões sobre o significado deste termo, sendo as mais comuns:

A – Falar CONTRA Deus e contra a Bíblia;

B – Quebrar cruzes e xingar os crentes;

C – Atribuir a Satanás as obras de Deus (meio adventista)

D – Negar a Deus e ser ateu;

E – Dizer que o espírito santo não é o terceiro deus (no novo adventismo com seus ‘doutores em divindade’?)

Dentre outros ‘significados’ atribuídos erroneamente à blasfêmia ou ao pecado contra o espírito. 

Deixemos que a Bíblia nos explique o é Blasfêmia.

 

4 – A BLASFÊMIA NA BÍBLIA

Veremos agora, o pecado contra o espírito ou a Blasfêmia.

a) – JESUS ACUSADO DE BLASFÊMIA

Responderam-lhe os judeus: Não é por nenhuma obra boa que vamos apedrejar-te, mas por blasfêmia; e porque, sendo tu homem, te fazes Deus.” (João 10:33)

 

Jesus, porém, guardava silêncio. E o sumo sacerdote disse-lhe: Conjuro-te pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho do Deus. Respondeu-lhe Jesus: É como disseste; contudo vos digo que vereis em breve o Filho do homem assentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céuEntão o sumo sacerdote rasgou as suas vestes, dizendo: Blasfemou; para que precisamos ainda de testemunhas? Eis que agora acabais de ouvir a sua blasfêmia.” (Mateus 26:63-66)

Por se declarar “Filho de Deus”, Jesus fora acusado de Blasfêmia. Jesus não blasfemou querendo se passar por Deus, ele jamais disse que era Deus, mas sempre afirmou que era ‘filho’ de Deus. Por procuração e outorga, Jesus tinha autorização do pai, pois era filho de fato; o era e é e sempre será filho. Jesus não quis se passar por alguém que não era e sempre dependia de Seu Pai. O Filho tem os atributos do pai, e ainda, tudo que pertence ao pai, pertence de forma reservada, ao filho. O que o pai reserva para si somente, a isto o filho não tem (Veja Mateus 24:36 e Atos 01:07).

 

b) SAUL E SEU PECADO IMPERDOÁVEL

Disse Samuel a Saul: Enviou-me o Senhor a ungir-te rei sobre o seu povo, sobre Israel; ouve, pois, agora as palavras do Senhor. Assim diz o Senhor dos exércitos: Castigarei a Amaleque por aquilo que fez a Israel quando se lhe opôs no caminho, ao subir ele do Egito. Vai, pois, agora e fere a Amaleque, e o destrói totalmente com tudo o que tiver; não o poupes, porém matarás homens e mulheres, meninos e crianças de peito, bois e ovelhas, camelos e jumentos.” (I Samuel 15:01-03

E Samuel madrugou para encontrar-se com Saul pela manhã; e foi dito a Samuel: Já chegou Saul ao Carmelo, e eis que levantou para si numa coluna e, voltando, passou e desceu a Gilgal. “(I Sam 15:12).

Saul não cometera o pecado imperdoável por não ter aniquilado os amalequitas ou deixado animais vivos. Saul cometeu o pecado contra o espírito de Deus, ou natureza de Deus, ao construir de si mesmo um deus e se levantar numa coluna como se fosse deus. Esse foi o pecado de Saul, blasfêmia, ou seja, se fazer seu próprio deus e requerer adoração para si.

 

c) – A BLASFEMIA DE HERODES

Num dia designado, Herodes, vestido de trajes reais, sentou-se no trono e dirigia-lhes a palavra.  E o povo exclamava: É a voz de um deus, e não de um homem. No mesmo instante o anjo do Senhor o feriu, porque não deu glória a Deus; e, comido de vermes, expirou.” (Atos 12:21-23).

O pecado de Herodes, à semelhança de Saul, foi se fazer de si um Deus, e buscar adoração para si.

 

d) – AS BLASFÊMIAS DA BESTA DE APOCALIPSE 13

Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias; e deu-se-lhe autoridade para atuar por quarenta e dois meses. E abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome e do seu tabernáculo e dos que habitam no céu. “ (Apoc 13:05-06).

A besta fera de Apocalipse 13, o papado, montada pela mulher-igreja prostituta de Apocalipse 17, a igreja romana e suas filhas prostituas, se declarou de seu líder, o papa “Tu és o pastor, tu és o médico, tu és o diretor; finalmente, tu és outro deus na Terra.”-  Labbe and Cossart, History of the Councils, vol 14, col 109.

Ao proferir Blasfêmia, isto é, se declarar ‘outro deus’, o papado cometeu o pecado imperdoável, e ao ordenar que lhe adorem, como objeto de fé, se tornou reincidente no mesmo delito imperdoável.  A condenação desse sistema que blasfema, buscando adoração como se fosse Deus, está retratada em Apocalipse 18.

 

e) – O DELITO SEM PERDÃO DE FARAÓ

Então disse o Senhor a Moisés: Eis que te tenho posto como Deus a Faraó, e Arão, teu irmão, será o teu profeta. Tu falarás tudo o que eu te mandar; e Arão, teu irmão, falará a Faraó, que deixe ir os filhos de Israel da sua terra. Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó e multiplicarei na terra do Egito os meus sinais e as minhas maravilhas. Mas Faraó não vos ouvirá; e eu porei minha mão sobre o Egito, e tirarei os meus exércitos, o meu povo, os filhos de Israel, da terra do Egito, com grandes juízosE os egípcios saberão que eu sou Deus, quando estender a minha mão sobre o Egito, e tirar os filhos de Israel do meio deles.” Êxodo 07:01-05

Faraó se declarava o Deus do Egito, filho de Amon-Rá.  Moisés fora colocado “como Deus”, da parte de “Deus”, como por procurador de Deus diante de Faraó, e Arão como profeta de Deus (Verso 01).  Moisés recebeu procuração de Deus para falar à Faraó, e o que Moisés falasse era o que Deus havia ordenado.

Faraó se obstinou, e, por se declarar “deus”, não ouviu o verdadeiro Deus através de Moisés, que agia por procuração de Deus. Somente quando o Eterno feriu o pseudo-deus faraó, na carne de seu primogênito, faraó mudou de idéia, mas por pouco tempo, e deixou o povo ir. Faraó cometera o pecado contra o espírito ou natureza de Deus, quando fez de si mesmo ‘um deus’ e buscava adoração de todo o Egito.

 

f) – O PECADO DE LÚCIFER NO CÉU

E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono; e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do norte; subirei acima das alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo.”   (Isaías 14:13-14).

Lúcifer se propôs no seu coração ser ‘semelhante ao altíssimo’. Ao se declarar ‘deus’ e seduzir um terço dos anjos a adora-lo e procurar por mais adoradores, Lúcifer se tornou Satã, o opositor, o acusador dos irmãos (Apoc 12:10).

 

5 - A PERSISTÊNCIA DE SATANÁS

Dentre todos os exemplos de pessoas que cometeram o pecado contra o espírito ou natureza de Deus, com exceção de Lúcifer, todos pereceram e aguardam a condenação final.  Lúcifer ainda BUSCA ADORAÇÃO, TENTANDO DE PASSAR POR ‘TERCEIRA PESSOA’ DE SUA TRINDADE, para desviar a adoração de Deus, e do Cordeiro (Apocalipse 05:13). Lúcifer acumula pecado a pecado e blasfêmia sobre blasfêmia.

Deus somente compartilhou sua gloria e o direito à adoração para com seu filho, o Cordeiro. Toda autoridade FOI PASSADA AO FILHO (Mat 28:18),  E NÃO A UM TERCEIRO. O filho prometeu sempre estar com os sinceros que o buscarem, e que nunca os abandonaria. (Mat 8:20; João 14:18,19; 28,29).

 

6 – SATANÁS AINDA QUER SER SEU DEUS

Jesus nos advertiu a ‘guardar o coração’, ‘pois dele procede toda sorte’ de pecados, inclusive a ‘blasfêmia’ (Mat 15:19) ou o pecado sem perdão.

O Salmista escreveu: “Diz o néscio no seu coração: não há Deus”!  (Salmo 53:01 pp). Satanás quer levar os homens a serem seus próprios deuses, e cometerem o pecado contra a natureza de Deus. Ele quer levar os homens a adorarem um pseudo-falso-expúrio, trinitário deus, se passando por ‘deus espírito santo’.  Na lógica bizarra de Satanás, o ‘terceiro deus’ é implacável, enquanto os outros dois, são doentios em amor. Satanás muda os atributos de deus ao sugerir e mandar que ordenem seu deus impossível de existir por si só.

Ao ensinar tal conceito falso de Deus, que ele seja uma trindade, Satanás anula o sacrifício de Cristo, dizendo que Ele não morreu, pois é Deus. Ao se afirmar que Jesus tinha ‘duas naturezas’ e que Jesus tinha a natureza de Adão antes da queda,  satanás induz o homem ao pecado, pois a Bíblia diz que a natureza de Cristo era de Servo, escravo, em tudo semelhante aos irmãos (Fil 02:07; Heb 04:15).

Ao adorar o deus impessoal oferecido por Satanás, estamos adorando a criatura, ao invés do Criador. Satanás quer ser adorado, quer ser deus, e para tanto, perverteu o cristianismo, se passando por um suposto ‘terceiro deus’, o deus espírito santo da trindade católica.  A Bíblia reconhece e ordena que adoremos somente a Deus, o pai, e ao Cordeiro de Deus, o filho de Deus, Jesus (Apocalipse 05:13). A Adoração somente é verdadeira se o alvo, o objeto de adoração foi o verdadeiro Deus e seu Cordeiro.

Satanás usa a soberba dos doutores em divindade (I João 02:16-17), a sabedoria dos homens (I Corintios 03:19), para receber adoração, como se fosse um ‘terceiro’ deus. (II Tes 02:04).

 

7 – SATANÁS QUER QUE SEJAMOS NOSSO PRÓPRIO DEUS

Como ato desesperado de que o homem se perca, Satanás lança mão de fazer com que o homem se perca definitivamente. Que cometa o pecado que outrora cometera no céu, buscando ser seu próprio deus, ‘semelhante ao altíssimo” (Isaias 14:14).

Satanás quer que os homens cometam o pecado contra a natureza de Deus, a Blasfêmia, sendo seu próprio deus e buscando adoração de outros homens.  As capacidades de percepção são embotadas para que os homens não vejam nada além de seus diplomas de doutores em divindade e o próprio nariz. Quer que os homens busquem a adoração e se ergam para si altares e busquem ser adorados e admirados como se fossem deuses. Satanás sabe, que, se o homem assim agir, estará a um passo de cometer o delito imperdoável, contra a natureza divina, que requer para Si a adoração. Satanás sabe que conquistado tal espaço, seu agente agirá como um deus e desviará a adoração do verdadeiro Deus para tal agente. Satanás, o opositor, estará recebendo adoração através de seus deuses, ídolos feito de pessoas mortais e objetos de culto, e estará contente em desviar de Deus e do Cordeiro, o adorador (Apoc 13:04). O opositor sabe que Deus e o Cordeiro não obrigarão ninguém a adorá-Los. Eles não aceitam adoração forçada, falsa, mas Satanás e seus agentes a aceitam.

 

8 – SATANAS QUER QUE ADOREMOS INSTITUIÇÕES E CONFIEMOS EM HOMENS

Na sua tentativa de desviar a adoração de Deus e do Cordeiro (Apoc 05:13), Satanás faz com que instituições religiosas, igrejas, times de futebol, artistas e bandas, atores e atrizes, sejam objetos de Culto e ocupam o trono da alma.

A Igreja Católica, representada em Apocalipse 17 como Babilônia, a grande, proferiu blasfêmias ao se tornar em objeto de Culto e adoração. Ela própria, em seu credo, ensina seus adeptos a repetir: “Creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na comunhão...” (fonte: Credo Católico).

Durante 1260 anos de ódio e sangue, a igreja católica se declarava objeto de culto e assassinava quem não a adorasse e estivesse sob seu domínio. Atualmente ainda se declara objeto de adoração e fé, e repete como instituição, a blasfêmia, o pecado contra a natureza de Deus, sem perdão, citado por Jesus. Ela, sob inspiração demoníaca, quer ser adorada. O Dragão é adorado quando adoramos instituições.

Do seu representante máximo na terra, Satanás quer que o adoremos e seu procurador também quer ser adorado. Vamos repetir o que seu lacaio na terra diz de si mesmo, o que o papado diz sobre si mesmo: “Tu és o pastor, tu és o médico, tu és o diretor; finalmente, tu és outro deus na Terra.”-  Labbe and Cossart, History of the Councils, vol 14, col 109. Esta citação representa uma das muitas vezes que o papado cometeu blasfêmia, pecado imperdoável (Apoc 13:05,06).

A exemplo da mãe, a meretriz católica de Apocalipse 17, suas filhas que adoram seu deus-trindade, mistério (Apocalipse 17:05), o dogma central da fé católica e em que firma a meretriz, as filhas estão se tornando objeto de culto, buscando adoração como igrejas, cometendo o pecado contra a natureza de Deus, buscando se tornar objeto de adoração.  Estão em contraste com os que se salvarão, pois tem como selo o nome de Deus e do Cordeiro em suas mentes (Apocalipse 14:01), adorando somente estes e renegando quaisquer outros que busquem adoração. Não adoram nenhum outro além de Deus e do Cordeiro (Apocalipse 19:10).

Satanás induz ao pecado, e, dentro do que deveria estar o trono de Deus, na alma do crente, Satanás induz a adorar um ‘mistério’, uma trindade inconsistente e que se auto-anula, ao invés de adorar o criador e seu Cordeiro (João 17:03; Apoc 05:13). Satanás quer que não tenhamos o selo de Deus na fronte, com seu nome e o nome do Cordeiro (Apoc 14:01; 22:03). Satanás quer adoremos à besta, a um deus que se identifica com ela, onde de forma compulsória, a adoração está dirigida à ele próprio, ao invés de a Deus e ao Cordeiro. A triunidade de Deus foi definida nos concílios do inferno, discutida nos concílios da meretriz e está sendo imposta como objeto de fé, juntamente com o objeto de fé chamado denominação, e os adoradores estão sendo ensinados a adorar a criatura demoníaca da trindade católica e a igrejas fundadas por homens, e não por Deus.

Satanás se infiltrou no cristianismo como objeto de culto, se passando por um suposto terceiro deus, e ainda elevou o bispo católico ao status de ‘outro deus na terra’. Satanás impôs pela tradição católica, conceitos distorcidos sobre Deus e sobre seu filho, que leva os crentes a errar o alvo.

O opositor ri, desdenha, ao ver milhões de crentes, igrejas lotadas, de pessoas invocando um pseudo deus, um deus denominado deus espírito santo. Satanás desdenha e ri dos doutores em divindades, que gelam ao ler o livro de Apocalipse, onde somente o Pai e o Filho são reconhecidos com dignos de louvor (Apocalipse 05:13; 22:03; 14:01). Mas, por terem ótimas prebendas e rendas eclesiásticas, ajudas de custos, auxílios financeiro inúmeros, preferem defender o erro à se prostrar diante das evidencias bíblicas, preferem crer e ensinar outros a crerem no que são pagos para crer e defender. Satanás ri, pois sabe que estão próximos do passo de se auto-proclamarem deuses e buscarem adoração

Satanás ri ao ver multidões seguindo seu deus. Seguindo suas igrejas que se declaram objeto de fé e de culto. Satanás conseguiu se passar por deus, o terceiro membro de sua trindade, e tem estado no trono de muitas almas incautas que não procuram o colírio oferecido pelo Cordeiro e por seu pai (Apocalipse 03:18). Estão seguindo igrejas despidas da palavra de Deus e seguem tradições demoníacas e Satanás fica satisfeito em ver ‘toda a terra seguindo a besta’ (Apoc 13), uma de suas obras-primas. Ele fica muito satisfeito em ver milhões adorando a criatura ao invés do criador.

 

9 – CONCLUSÃO -  E AGORA, JOSÉ?

Jesus afirmou que onde dois ou três estivessem reunidos EM SEU NOME, Ele estaria com eles. (Mateus 18:20)

Meu irmão, aceite a oferta do eterno, e de seu filho Jesus, filho literal do Eterno e que morreu de fato, a morte e separação do Eterno. Filho este, que por muito amar, muito sofreu, e o Eterno o ressuscitou dos mortos (Rom 10:09; Gálatas 01:01; Colos 02:12).

Não permita que o deus deste século cegue seus olhos para que não vejas. Compre colírio espiritual do Cordeiro, para que vejas a verdade sobre a falsa adoração, sobre adorar a criatura ao invés do criador. Deixe de lado, se ainda não deixou, esse deus mistério, de babilônia e seu catolicismo diabólico.

Não permita que sua fé seja movida do Pai e de seu Cordeiro (Apoc 05:13 – João 17:03 – I Cor 08:06)  para falsos deuses, terceiros e quartos objetos de adoração. Não deixe que a igreja ou denominação se torne objeto de adoração. Não faças como Saul, não se levante a si mesmo, nem como Herodes, nem como o papado, se tornando um ‘deus’. Adore a Deus e ao Cordeiro e passe a outros esta recomendação. 

Não adores a uma igreja, por mais que ela diga que deva ser adorada. Ao procurar ser objeto de fé e de adoração, tal igreja cometeu o Pecado contra o espírito  ou natureza de Deus, a blasfêmia, o pecado sem perdão. Não a adore. Por mais que ela busque na filosofia se defender e se justificar em ser adorada, ela está, a exemplo de Lúcifer, buscando ser adorada, o que compete somente a Deus.

Se você leu até aqui, com certeza ainda não se declarou um deus, e não cometeu o pecado imperdoável contra a natureza de Deus. Sendo assim, não adore nada que não seja Deus e o Cordeiro. Não adore falsos deuses criados por Satanás e defendido por ‘doutores em divindade’. Adore somente a quem é devida a adoração.

Se ainda não permitiu que o Cordeiro viva em tua vida, apascente a verdes pastos e te dê o alimento espiritual necessário, a hora é esta. Volte à Cristo. Se ainda persistes em adorar a qualquer igreja que se declare objeto de Fé, saiba que a igreja, como denominação, cometeu o pecado de Lúcifer em ser ‘semelhante ao Altíssimo”. Talvez seja hora de rever seus conceitos e estudar biblicamente as bases de fé desse igreja. A igreja ou pessoa que se declarar objeto de culto, é um falso deus na terra, a exemplo da prostituta espiritual, a igreja romana, que se declara objeto de fé. A igreja que assim faz, cometeu o pecado imperdoável. Ela não deixará de sofrer os castigos descritos em Apoc 17-18.

Abra teu coração ao único que por direito, deve ser adorado. Abra teu coração ao Pai, através do único caminho, o Cordeiro. Firme em tua mente a convicção que somente o Pai e o Cordeiro podem legitimamente ser adorados. Renegue e abandone tudo que possa ser empecilho neste caminho, tudo que se vanglorie de ter prerrogativas divinas e de ser adorado.

A hora é agora. “hoje, se ouvires a sua voz” (Heb 04:07) não rejeitais. Recebei o Cordeiro em sua vida, e adore somente a quem de direito. ‘Maldito o homem que confia nos homens’ (Jer 17:05). Maldito o homem que aceita que outro homem (ou mulher) seja reconhecido como deus, ou quaisquer instituições seja declaradas objeto de fé.

Se assim agires, com certeza poderás estar entre os salvos quer dirão:

Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos” (Apocalipse 05:13).

misaelmalagoli@gmail.com

 

Dúvidas:

1 - Quem estava se passando por DEUS em Mateus 12 para que Jesus falasse o que falou?

R= Verso 22 e 23 "Trouxeram-lhe então um endemoninhado cego e mudo; e ele o curou, de modo que o mudo falava e via. E toda a multidão, maravilhada, dizia: É este, porventura, o Filho de Davi?"

A multidão estava perguntando, querendo saber quem era realmente Jesus, mas os fariseus estavam querendo minar a confiança da 'multidão' em Cristo e apelaram que ele expulsava demônios por Belzebu.

No contexto do verso 26 a 30, estavam atribuindo características diabólicas ao filho de Deus, ao único que teria o direito de ser chamado de 'Deus', por outorgação.

Não podemos basear uma doutrina em um único texto, por isto, para justificar o pecado imperdoável em querer se passar por Deus, possuir atributos divinos, foram apresentados os casos de Saul, Herodes, Lúcifer, a Besta, todos querendo ser Deus. Todas cometeram o pecado imperdoável, a Blasfêmia contra a natureza de Deus.

Os fariseus estavam no 'quase' cometendo este pecado, pecando contra a natureza de Deus e misturando as características exclusivas de Deus à Satanás. Eles, a grosso modo, estavam buscando desacreditar a Cristo, alegando que era o opositor que o dava poder. Jesus não afirmou que eles cometeram o delito imperdoável, mas os corrigiu e os advertiu a não cometerem, ou seja, apesar das advertências muito sérias que Jesus deu, não afirmou que eles haviam cometido a blasfêmia contra o espírito de Deus.,

 

2 - Levando em conta o seu estudo, se alguém, durante anos pecou contra o espírito (como eu) adorando um falso deus trindade, e agora passou a adorar o Deus único, estará perdoado? Então não foi o pecado imperdoável que eu cometi?

Não, você não cometeu, pois você não estava adorando a si como um deus. Você adorava um deus separado de si. Não temos como dizer se alguém cometeu o pecado imperdoável, mesmo que se declare um deus, mas, aquele que se declarar um deus, e ter plena convicção de que é 'melhor' que todos e procurar ser adorado, se não ultrapassou a linha de cometer o pecado imperdoável, está muito próximo. 

Quanto a ter adorado a trindade, a Satã, ao Flamengo, ou qualquer outro deus falso, vc não cometeu tal pecado.  Vc não se declarou com convicção ser 'um deus' ou ser Deus. Mesmo que tenha feito tal declaração, poderá não ter sido com plena convicção. Se ainda há espaço para que a mente de Cristo possa agir, não se cometeu tal pecado.

Ao adorar a trindade, vc adorava somente um falso deus, com mesmo efeito se você adorasse seus ancestrais ou um partido político. Você adorava a criatura, mas não era a vc que vc adorava e nem queria adoração dos outros, com plena convicção íntima de que era um deus.

 

3 -  OBS: Cremos que, pelo contexto de Mateus 12, tal pecado é atribuir as obras de DEUS (na pessoa de Jesus) à satanás ou como fazem os trinitarianos, ao deus espírito-santo... Mesmo assim, eu ainda pergunto: Isto é imperdoável (I João 5:16, 17)?

Desde que haja arrependimento - por parte do pecador que cometeu o pecado - o pecado não é para morte. Veja Marcos 01:01 e Atos 03:19 - Quem não está em condição de arrepender, está indo em direção de cometer o pecado imperdoável. Enquanto há arrependimento, o pecador não se declarou no íntimo de sua alma que é deus e não buscará a adoração dos outros. Quando o pecador é contumaz, e peca deliberadamente e expulsa os apelos divinos de sua vida, está indo em direção ao inferno (vide Provérbios 05:05-06). Enquanto há tristeza e arrependimento pelos delitos cometidos, mesmo que se tenha xingado o nome de Deus, sido ateu por algum tempo, perseguido os seguidores do cordeiro, o pecado imperdoável com certeza não foi cometido, mas quando se fecha os ouvidos a todos os apelos e se faz de si um deus e busca adoração, aí não devemos orar por quem agir assim. Cometeu o pecado para morte (I João 05:16-17).

Quanto a questão de atribuir as obras de alguém a outrem, somente o fazem quem desconhecer os executores.  Se quem atribuir a obra de Deus a Satanás, e depois disto houver arrependido, Deus o perdoa por meio de Cristo.

Vede que Jesus disse: "Tudo que fizerdes a um desses pequeninos, a mim o fizeste" (Mat 25:40).  Paulo, é um exemplo que atribuía a satanás as obras  que Cristo realizava por meio de seus discípulos. Cristo agia por meio de seus discípulos e Paulo atribuía com tanta convicção, que era satanás que estava agindo, ao ponto de perseguir os Cristãos. Paulo era zeloso e agia com fé, só que fé nas coisas erradas. Paulo tinha o deus errado, não o pai de Jesus.   Paulo então cometeu a blasfêmia contra o espírito de Deus? Com certeza que não. Paulo foi perdoado pela sua ignorância e quando descobriu a verdade a Abraçou, apesar de ter anteriormente atribuindo as obras de Cristo ao opositor.

Como seres humanos, devemos tomar o cuidado em julgar pessoas (Mateus 07:01). Não temos como saber, nem mesmo se, seres humanos individuais, propuseram em seu coração serem deuses. Talvez alguns até o declarem seres seus próprios deuses, mas será que tem a convicção de que isto seja verdadeiro? Não temos como saber. Quando a instituições que se tornem objeto de adoração, de vez se assentando no trono da adoração que compete só a Deus e ao Cordeiro, sim, cometeram, como instituições, a blasfêmia sem perdão. Não orem por tais instituições. É pecado para a morte.

Misael

 

RETORNAR