Make your own free website on Tripod.com

O Dízimo Foi Cravado na Cruz?

By Ministério 4 Anjos

 

 

Dízimo – caducado na cruz, ou mandamento vigente?

Esta é uma pergunta que carece de resposta para muitos estudantes da Palavra de Deus. O material abaixo procura apresentar, de maneira resumida, a visão da Escritura sobre o tema.

 

Muitos subentendem que a ordem do Senhor quanto aos dízimos fazia parte da lei cerimonial, e portanto teria caducado na cruz. Fazem isso porque entendem que  a “lei de Moisés”, onde encontramos a ordem de Deus quanto aos dízimos, é a mesma “lei cerimonial”, composta de cerimônias que prefiguravam a oferta de Cristo Jesus na cruz do Calvário. Todavia, ambas tem significados e objetivos diferentes. A chamada “lei cerimonial” compõe-se do evangelho pregado em figuras, e abrange as ofertas e serviços rituais que tipificavam a Cristo, o Cordeiro de Deus que seria sacrificado na cruz para tirar os pecados do mundo. O evangelho, ou “boa nova” contido nestes rituais, é o fato de que Deus “amou o mundo de tal maneira, que deu Seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” João 3:16. Deus percorreu todo o caminho entre Ele e o pecador, e por meio de Cristo chegou bem próximo deste, de nós, mostrando-nos o quanto nos ama pelo preço que pagou pelo nosso resgate – o sangue, a vida de Seu próprio Filho. Mostrou pelo serviço ritual estabelecido na “lei cerimonial” que está bem próximo de nós, convidando-nos a todo o tempo ao arrependimento a fim de escaparmos da condenação eterna pelos nossos pecados passados, e, mediante um Sumo Sacerdote que pode compadecer-Se de nossas fraquezas – Seu Filho, oferece aos que aceitam o Seu amor graça para socorro e vitória contra toda a tentação, a fim de que o homem viva uma vida santa, em harmonia com os preceitos da Sua lei. A “lei cerimonial” mostrava, por meio dos rituais nela estabelecidos, qual seria o sacrifício provido por Deus para o perdão dos nossos pecados, e qual seria a obra de Cristo Jesus no santuário celestial em nosso favor, para completar a obra da redenção de nossa raça. Já a “lei de Moisés” não tinha o mesmo significado e objetivos que a “lei cerimonial”, como poderemos ver logo a seguir.

 

Confundir as expressões "lei de Moisés" e "lei cerimonial" é um erro grave, embora muito comum hoje em dia. As ordenanças da “lei de Moisés” eram chamadas de "estatutos e juízos" (Deut. 4:14), que consistiam-se em obrigações do homem para com Deus e para com seu semelhante. Foi dada aos filhos de Israel "para que os cumprísseis na terra a qual passais a possuir" (Deut. 4:14). Esta "terra", referida por Deus nesta ocasião aos israelitas descendentes de Abraão, não era a Canaã terrestre, senão a celestial, como o próprio apóstolo Paulo, falando a respeito de Abraão e dos patriarcas, disse:

 

"Todos estes morreram na fé, sem ter obtido as promessas; vendo-as, porém, de longe, e saudando-as, e confessando que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra. Porque os que falam deste modo manifestam estar procurando uma pátria. E, se, na verdade, se lembrassem daquela de onde saíram, teriam oportunidade de voltar. Mas, agora, ASPIRAM A UMA PÁTRIA SUPERIOR, ISTO É, CELESTIAL." Heb 11:13-16

 

E Deus, com vistas a habitação de Seu povo nesta pátria celestial, disse a Moisés: "tu, porém, fica-te aqui comigo, e EU TE DIREI TODOS ESTES MANDAMENTOS, E ESTATUTOS E JUÍZOS QUE TU LHES HÁ DE ENSINAR que cumpram na terra que Eu lhes darei para possuí-la" Deut. 5:31 Os estatutos e juízos da lei de Moisés foram ditados pelo próprio Deus.

 

E Deus ainda ordenou, com respeito a estes estatutos e juízos:

 

"Cuidareis em fazerdes como VOS MANDOU O SENHOR, VOSSO DEUS; não vos desviareis, nem para a direita, nem para a esquerda. ANDAREIS EM TODO O CAMINHO QUE VOS MANDA O SENHOR, para que vivais; bem vos suceda, e prolongueis NA TERRA EM QUE HAVEIS DE POSSUIR". Deut. 5:32, 33

 

Sim, os estatutos e juízos dados por Deus a Moisés deveriam ser cumpridos na terra que eles almejavam, ou seja, na pátria celestial. Assim sendo, deveriam ser tão duradouros como o será esta pátria celestial - "o seu reino será eterno" Dan. 7:27.

 

Na pátria celestial, não entrarão transgressores deliberados dos estatutos e juízos de Moisés, pois estes nada mais são do que a exposição pormenorizada dos princípios da lei de Deus, aliás, como os testemunhos o revelam claramente (Patriarcas e Profetas).

 

Está escrito que "nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, NEM OS ROUBADORES HERDARÃO o reino de Deus." I Cor. 6:10

 

"ROUBARÁ o homem a Deus? Todavia, vós Me roubais e dizeis: Em que Te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com MALDIÇÃO SOIS AMALDIÇOADOS, porque a Mim Me roubais, vós, a nação toda." Mal. 3:8, 9

 

Os que roubam a Deus deliberadamente nos dízimos e ofertas não herdarão o reino de Deus. Serão sim, amaldiçoados com "maldição". Por que diz Deus que os que não devolvem os dízimos e ofertas são "amaldiçoados com maldição"? Ele responde por Sua própria Palavra:

 

"porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las." Gálatas 3:10

 

A Bíblia é clara em afirmar que somente os transgressores da lei de Deus são amaldiçoados ("Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo." Deut. 27:26). Assim, se os que não devolvem os dízimos são amaldiçoados, isto é prova evidente e concludente que são considerados pelo céu como transgressores da lei de Deus tanto quanto aqueles que transgridem o quarto mandamento do sábado, ou qualquer outro mandamento.

 

Se Deus considerasse os que não devolvem os Seus dízimos como cumpridores de Sua lei, não seriam eles amaldiçoados por isso, e sim abençoados segundo as promessas feitas aos obedientes (ver Deut. 28:1-14).

 

Alguém pode dizer: "mas em Gálatas está escrito que a lei era um aio para nos conduzir a Cristo, e tendo vindo a lei, já não permanecemos subordinados ao aio". Todavia, também está escrito: "Anulamos, pois a lei pela fé? Não, de maneira nenhuma! Antes confirmamos a lei". Rom. 3:31. Isto significa que aqueles que estão em Cristo foram resgatados da maldição da lei, porque em Cristo tornaram-se cumpridores da lei. Não são amaldiçoados com a maldição pronunciada sobre os que não devolvem os dízimos  porque, em Cristo, pela fé nEle, tornaram-se fiéis na devolução dos dízimos.

 

Os símbolos da “lei cerimonial” que foram cumpridos na cruz, caducaram nesta ocasião porque encontraram nela cumprimento. Assim o foi com a páscoa - data da crucifixão, a oferta sacrifical, a oferta de manjares e o sacrifício pacífico que encontraram cumprimento na oferta do corpo do Filho de Deus, com o sacrifício pelos primogênitos, prefigurando a Jesus Cristo, o Primogênito dos mortos, e etc. Mas, quanto ao dízimo, que simbolismo podemos encontrar nele que poderia ter se cumprido na oferta da cruz? Acaso Deus deu 10% de Si mesmo ou do céu pela oferta do Calvário? Não, a Escritura é clara em afirmar que Deus deu tudo na oferta do Calvário, todas as coisas que nos conduzem à vida e à piedade. Não encontramos qualquer simbolismo no sistema de dízimos que possa ter cumprimento associado na oferta do Calvário. É portanto evidente que o sistema de dízimos não alcançou cumprimento que justificaria uma caducidade na cruz.

 

"Usa-se a mesma linguagem quanto ao sábado que se usa na lei do dízimo: "O sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus." Êxo. 20:10. Não tem o homem o direito nem poder para substituir o sétimo dia pelo primeiro. Poderá pretender fazê-lo, "todavia, o fundamento de Deus fica firme". II Tim. 2:19. Os costumes e ensinos dos homens não diminuirão as exigências da lei divina. Deus santificou o sétimo dia. Essa porção específica de tempo, separada pelo próprio Deus para culto religioso, continua hoje tão sagrada como quando pela primeira vez foi santificada pelo nosso Criador.

 

De igual maneira, o dízimo de nossas rendas "santo é ao Senhor". O Novo Testamento não dá novamente a lei do dízimo, como também não dá a do sábado; pois pressupõe a validade de ambos, e explica sua profunda importância espiritual. ... Enquanto nós como um povo, estamos procurando dar fielmente a Deus o tempo que Ele conservou como Seu; não Lhe daremos também nós aquela parte de nossos meios que Ele exige? Review and Herald, 16 de maio de 1882." Conselhos Sobre Mordomia, pág. 66

 

“Tal [referindo-se à experiência de Abraão e de Jacó ao dar o dízimo] era a prática dos patriarcas e profetas antes do estabelecimento dos judeus como nação. Mas quando Israel se tornou um povo distinto o Senhor lhe deu definida instrução sobre esse ponto: "Todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores são do Senhor; santas são ao Senhor." Lev. 27:30. Essa lei não deveria caducar com as ordenanças e ofertas sacrificais que tipificavam a Cristo. Enquanto Deus tiver um povo na Terra, Suas reivindicações sobre eles serão as mesmas.

 

O dízimo de todas as nossas rendas é do Senhor. Reservou-o para Si, para ser empregado em fins religiosos. Santo é. Nada menos que isso aceitou Ele em qualquer dispensação. A negligência ou adiamento desse dever, provocará o desagrado divino. Se todos os professos cristãos trouxessem seus dízimos fielmente a Deus, Seu tesouro estaria cheio. Review and Herald, 16 de maio de 1882.” Conselhos Sobre Mordomia, pág. 67

 

“Os israelitas eram ensinados a consagrar ao serviço do santuário o dízimo de toda renda. Além disso deviam trazer ofertas expiatórias, ofertas voluntárias e ofertas de gratidão. Esses eram os meios para sustentar o ministério do evangelho naquele tempo. Deus não espera menos de nós do que do povo antigamente. A grande obra da salvação precisa ser levada avante. Pelo dízimo, ofertas e dádivas fez Ele provisão para esta obra. Desse modo pretende seja sustentada a pregação do evangelho. Reclama o dízimo como Sua propriedade, e o mesmo deveria ser sempre considerado uma reserva sagrada a ser depositada no Seu tesouro para o benefício de Sua causa. Pede também nossas ofertas voluntárias e dádivas de gratidão. Tudo deve ser consagrado para enviar o evangelho às partes mais remotas da Terra.” Parábolas de Jesus, pág. 300

 

“O superintendente do rebanho de Deus, deve-se desempenhar fielmente de seu dever. Se, porque isso lhe é desagradável, ele toma a atitude de deixar que qualquer outro o faça, não é um obreiro fiel. Leia ele as palavras do Senhor em Malaquias, acusando o povo de roubo para com Ele ao reterem os dízimos. O poderoso Deus declara: "Com maldição sois amaldiçoados." Mal. 3:9. Quando aquele que ministra por palavra e doutrina, vê o povo seguindo um caminho que trará sobre si essa maldição, como pode negligenciar seu dever de dar instruções e advertências? Todo membro de igreja deve ser ensinado a ser fiel em devolver um dízimo honesto.” Obreiros Evangélicos, pág. 228

 

Caso você esteja convencido de que não tem sido fiel a Deus nos dízimos e ofertas, saiba que Deus, por intermédio dos estatutos e juízos de Sua lei, adverte a todos para que se arrependam, pois Ele designou um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um Varão, Cristo Jesus, que acreditou, ressuscitando-O dentre os mortos. NEle, em Cristo, temos a redenção, a remissão de nossos pecados pelo Seu sangue. E “nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Rom. 8:1). “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados, a fim de que, da presença do Senhor, venham tempos de refrigério, e que envie Ele o Cristo, que já vos foi designado, Jesus” Atos 3:19, 20. Achega-te a Cristo, não resista à Sua graça que te chama agora ao arrependimento, e Ele se achegará a ti com misericórdia e perdão. Escondendo-te nEle, andarás em harmonia com a Sua vontade.

 

Que Deus te abençoe,

Ministério 4 anjos

 

Leia também:

Os Estatutos de Moisés

 

Estudo Bíblico: O Dízimo

 

1) Quem é o verdadeiro proprietário do céus, da terra, do mar e de tudo o que neles há ?

    R.:Eis que os céus e os céus dos céus são do SENHOR, teu Deus, a terra e tudo o que nela há. Deut. 10:14

 

2) Deus exige para Si uma parte dos recursos que Ele dá ao homem ?

R.:Roubará o homem a Deus? Todavia, vós Me roubais e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Mal. 3:8

 

Obs : A palavra "dízimo" significa 10%, uma décima parte. Deus espera que, em reconhecimento de que Ele dá todas as bênçãos ao homem, este lhe devolva o dízimo de sua renda e ofertas voluntárias de suas posses. Prov. 3:9,10

 

3) Não devolver o dízimo que Deus exige e ofertas voluntárias, é pecado ?

R.:Não furtarás.” Ex. 20:15. “Pecado é a transgressão da lei”. I João 3:4

 

4) Para onde devem ser levados os dízimos e as ofertas de Deus ?

R.:Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida.”Mal.3:10;

 

Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo Ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito.” Ef. 2:19-22

 

Obs: A casa do tesouro é a verdadeira igreja de Deus.

 

5) Qual é a verdadeira igreja de Deus ?

R.:Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.”Apoc. 14:12;

 

O SENHOR te constituirá para si em povo santo, como te tem jurado, quando guardares os mandamentos do SENHOR, teu Deus, e andares nos seus caminhos. E todos os povos da terra verão que és chamado pelo nome do SENHOR e terão medo de ti.” Deut. 28:9,10

 

6) Para quem devem ser destinados os dízimos e as ofertas ?

R.:Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados do próprio templo se alimentam? E quem serve ao altar do altar tira o seu sustento? Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho” I Cor. 9:13,14;

 

E sabeis também vós, ó filipenses, que, no início do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja se associou comigo no tocante a dar e receber, senão unicamente vós outros; porque até para Tessalônica mandastes não somente uma vez, mas duas, o bastante para as minhas necessidades. Não que eu procure o donativo, mas o que realmente me interessa é o fruto que aumente o vosso crédito. Recebi tudo e tenho abundância; estou suprido, desde que Epafrodito me passou às mãos o que me veio de vossa parte como aroma suave, como sacrifício aceitável e aprazível a Deus.” Fil. 4:15-18;

 

Devem ser considerados merecedores de dobrados honorários os presbíteros que presidem bem, com especialidade os que se afadigam na palavra e no ensino.” I Tim. 5:17

 

Obs: Os dízimos e as ofertas servem para custear a pregação do Evangelho de Deus, para o avançamento da Sua obra.

 

7) Qual é o verdadeiro Evangelho Bíblico, pregado pela verdadeira igreja ?

R.:dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do Seu juízo; e adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” Apoc. 14:7;

 

Quem dera que eles tivessem tal coração, que Me temessem e guardassem em todo o tempo todos os Meus mandamentos, para que bem lhes fosse a eles e a seus filhos, para sempre!“ Deut. 5:29;

 

De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem. Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más.” Ecles. 12:13,14;

 

Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério guardado em silêncio nos tempos eternos, e que, agora, se tornou manifesto e foi dado a conhecer por meio das Escrituras proféticas, segundo o mandamento do Deus eterno, para a obediência por fé, entre todas as nações,” Rom. 16:25,26

 

Se até hoje pecamos em não devolver os dízimos e as ofertas pertencentes ao Deus Eterno, ou não O honrando por não encaminhá-los para a pregação do verdadeiro Evangelho, ou ainda furtando o que é destinado aos pobres, cumpramos o Seu mandamento, para obediência por fé entre todas as nações. Estamos orando por todos que recebam este material para que possam, pela fé em Cristo Jesus, obedecer e honrar a Deus, devolvendo a Ele os dízimos e as ofertas, conforme Ele nos instruiu em Sua palavra.

 

Que Deus os abençoe.

Ministério 4 Anjos.

 

RETORNAR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.