Make your own free website on Tripod.com

Tudo Que Você Sabe Sobre
os Sinais da Volta de Cristo Pode Estar Errado...

 

Ao escrever sobre o sinal da vinda do Messias, irei destacar que, realmente, já se cumpriram ou estão cumprindo-se, bem como ainda se cumprirão, muitos eventos que precedem a 2ª vinda do Filho do Homem. Portanto, para que fique bem explícito, temos que analisar bem as perguntas que foram feitas em Mateus 24:1-3 e, conseqüentemente, as respostas dadas.

De acordo com a Versão da Bíblia de Jerusalém - BJ (poderia ser escolhida outra), assim está escrito os três primeiros versos com as três perguntas feitas:

“Saindo do Templo, Jesus caminhava e os discípulos se aproximaram dele para mostrar-lhe as construções do Templo. Ele disse-lhes: ‘Estais vendo tudo isto? Em verdade vos digo: não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja demolida’. Estando ele sentado no monte das Oliveiras, os discípulos se aproximaram dele, a sós, dizendo: ‘Dize-nos quando vai ser isso, e qual o sinal da tua Vinda e da consumação dos tempos’”. (Mat. 24:1-3).

A primeira pergunta diz:

Quando vai ser isso?” Esta pergunta, é óbvio, diz respeito à destruição do Templo de Jerusalém. O Messias não disse quando iria acontecer o que Ele estava afirmando; contudo, do verso 4 ao 44, Ele descreveu vários acontecimentos e situações que precederiam a destruição do Templo e da cidade de Jerusalém. Portanto, o que percebemos é que essas profecias já se cumpriram (inclusive o verso 14 – Cf. Col. 2:5-6). No entanto, isso não impede que elas tenham um outro cumprimento.

O verso 14 diz: “E este Evangelho do Reino será proclamado no mundo inteiro, como testemunho para todas as nações. E  então virá o fim”. Portanto, segundo este verso, podemos entender claramente que o fim, ao qual o Messias estava referindo-se, era para o Templo e a cidade de Jerusalém. E isto de fato já aconteceu.

É bem verdade, que Ellen G. White faz aplicações e interpretações dos referidos versos desse capítulo, como tendo outros cumprimentos, além daqueles que antecederam à destruição do Templo e da cidade.

A segunda pergunta diz:

Qual o sinal da tua Vinda”? Antes de fazer o comentário sobre esta pergunta, faz-se necessário destacar uma explanação, que o Pr. Rodrigo (Unasp) fez na igreja central de Brasília (IASD), sobre uma lição da Escola Sabatina (Lição 7 – Mateus 24 – Jesus e as profecias apocalípticas – 2º trimestre de 2002). Ao discorrer sobre a lição, ele chamou atenção para a palavra grega – σεμειον, precedida de artigo definido singular. Esta expressão está no singular. Portanto, não se refere a sinais, mas a um sinal.

Em função disso, caso você queira realmente estudar todo o capítulo 24 de Mateus, você perceberá que somente encontramos a palavra sinal, nos versos 4 e 30. A primeira vez foi citada na pergunta feita pelos apóstolos. Enquanto na segunda,  encontramos dentro da resposta do Messias.

Por isso, agora, destacaremos os versos 29 a 31, pois neles está escrito: “Logo após a tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do céu e os poderes dos céus serão abalados. Então aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu com poder e grande glória. Ele enviará os seus anjos que, ao som da grande trombeta, reunirão os seus eleitos dos quatro ventos, de uma extremidade até a outra extremidade do céu”.

O mais interessante que percebemos nesses versos e nos escritos de Ellen G. White, é que os acontecimentos (de certo modo regionais): o terremoto de Lisboa – 1755 (Apoc. 6:12); o escurecimento do sol e a lua vermelha como sangue – 19/05/1780; bem como a queda dos meteoritos (estrelas cadentes) – 13/11/1833, deveriam ocorrer antes de outros grandes eventos de caráter universais.

Sobre os acontecimentos universais Ellen G. White escreveu:

“A 16 de dezembro de 1844, o Senhor me deu uma visão acerca do abalo das potestades do céu. Vi que quando o Senhor disse ‘céu’, ao dar os sinais registrados por S. Mateus, S. Marcos e S. Lucas, Ele queria dizer céu, e quando disse: ‘Terra’, queria significar Terra. As potestades do céu são o Sol, a Lua e as estrelas. Seu governo é no firmamento. As potestades da Terra são as que governam sobre a Terra. As potestades do céu serão abaladas com a voz de Deus. Então o Sol, a Lua e as estrelas se moverão em seus lugares. Não passarão, mas serão abalados pela voz de Deus.”

“... Vi que as potestades da Terra estão sendo abaladas agora, e que os acontecimentos ocorrem em ordem. Guerras e rumores de guerra, espada, fome e pestilência devem primeiramente abalar as potestades da Terra, e então a voz de Deus abalará o Sol, a Lua e as estrelas, e também a Terra. Vi que a agitação das potências na Europa não é, como alguns ensinam, os abalos das potestades do céu, mas sim o abalo das nações iradas.” (Primeiros Escritos. 5ª ed. 1995. p. 41.).

De acordo com essa citação, o abalo das potestades do céu ocorrerá com a voz de Yahweh. Encontramos referências a esses acontecimentos em Apoc. 16:17-21 e no livro o Grande Conflito. 33ª ed. – capítulo: o Livramento dos Justos – 1987. pp. 641-643. E no livro Primeiros Escritos – cap. O Livramento dos Santos. pp. 285-286, assim está escrito:

Foi à meia-noite que Deus preferiu livrar o Seu povo. Estando os ímpios a fazer zombarias em redor deles, subitamente apareceu o Sol, resplandecendo em sua força e a Lua ficou imóvel. ... Tudo parecia desviado de seu curso natural. Os rios deixavam de correr. Nuvens negras e pesadas subiam e batiam umas nas outras. Havia, porém, um lugar claro de uma glória fixa, donde veio a voz de Deus, semelhante a muitas águas, abalando os céus e a Terra. Houve um grande terremoto. ... ”

O sinal que caracterizará a vinda do Filho do Homem:

Logo apareceu a grande nuvem branca, sobre a qual Se sentava o Filho do homem. Quando a princípio apareceu a distância, parecia esta nuvem muito pequena. O anjo disse que ela era o sinal do Filho do homem. ...”. (Primeiros Escritos. p. 286.).

Surge logo no Oriente uma pequena nuvem negra, aproximadamente da metade do tamanho da mão de um homem. É a nuvem que rodeia o Salvador, e que, a distância, parece estar envolta em trevas. O povo de Deus sabe ser esse o sinal do Filho do homem. Em solene silêncio fitam-na enquanto se aproxima da Terra, mais e mais brilhante e gloriosa, até se tornar grande nuvem branca, mostrando-se na base uma glória semelhante ao fogo consumidor e encimada pelo arco-íris do concerto. Jesus, na nuvem, avança como poderosos vencedor. ...”. (O Grande Conflito. 33ª ed. 1987. p. 646.).

Vi uma nuvem flamejante aproximar-se de onde Jesus estava. Então Jesus ... tomou o Seu lugar na nuvem que O levou para o oriente, onde ela apareceu primeiro aos santos na Terra – uma pequena nuvem escura que era o sinal do Filho do Homem. Enquanto a nuvem passava do Santíssimo para o oriente, o que levou vários dias, a sinagoga de Satanás adorava prostrada aos pés dos santos. – To The Little Remnant Scattered Abroad, 06-04-1846”. – (WHITE, Ellen G. Meditações Matinais MARANATA – O Senhor Vem! 1ª ed. 1977. p. 285.).

A terceira pergunta diz:

Qual o sinalda consumação dos tempos”? Esta pergunta, embora seja destacada como uma terceira pergunta, ela pode ser parte da pergunta anterior. Por isso, a “consumação do século” ou “fim do mundo”, deve ser entendida como sendo um acontecimento relacionado à segunda vinda do Messias ou posterior a ela. Conforme relatado em Mateus 25:31-46. Quando o Filho do Homem se assentará no trono de Sua glória, para realizar o grande julgamento.

Conclusão

Portanto, de acordo com o que foi citado acima, percebemos que todos os eventos (tidos por sinais) que precederiam a segunda vinda do Messias, ainda não se cumpriram. No entanto, poucos são os que restam e um deles faz-se necessário destacar.

Aprendei pois a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão”. (Mat. 24:32 - ARA).

Sobre esse verso e a parábola da figueira (Mat. 21:18-22 e Mar. 11:12-14 e 20-26), Ellen G. White escreveu o seguinte:

A maldição da figueira foi uma parábola viva. Aquela árvore estéril, ostentando sua pretensiosa folhagem ao próprio rosto de Cristo, era um símbolo da nação judaica. ...”.

“...Na figueira estéril poderiam ler tanto o seu pecado como o seu castigo. Seca à maldição do Salvador, apresentando-se queimada, ressequida desde as raízes, a figueira mostrava o que seria o povo de Israel quando dele fosse retirada a graça divina. ...”. (O Desejado de Todas as Nações. 20ª ed. 1997. pp. 582 e 583.).

Este é um sinal que está cumprindo-se em nossos dias. Leia Romanos, capítulos 11. Contudo, destaco apenas o verso 15:

Porque, se o fato de terem sido eles rejeitados trouxe reconciliação ao mundo, que será o seu restabelecimento, senão vida dentre os mortos?”

No entanto, devemos estar vigiando sempre, porque um dos últimos eventos - antes do sinal do Filho do Homem - que a Escritura Sagrada descreve: “Os poderes do céu serão abalados” (Mat. 24:29). Deverá ocorrer somente após o fechamento da porta da graça, quando o Messias deixar de interceder pela humanidade no Santuário Celestial. Especificamente, “o abalo das potestades”, ocorrerá ao final da sétima praga ou pelo menos, durante a sétima praga. Portanto, em função do decreto de morte estabelecido para eliminar os guardadores do sábado – a odiada seita. – josielteli@hotmail.com

 

Quando Aparecerá o Sinal do Retorno de Cristo? Só Deus (o Pai) Sabe!

 

O sinal da vinda do Messias aparecerá somente após o Pai declarar o dia e hora em que o Filho do Homem virá. Esta declaração ocorrerá no desfecho da sétima praga de Apocalipse 16:17-21.

Após o Messias falar a respeito do sinal do Filho do Homem, Ele, como já foi dito, passa a falar da parábola da figueira. Então, seguem-se duas afirmações importantíssimas feitas pelo Filho do Eterno:

 

Primeira:

Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça”. (Mat.24:34 – ARA).

Essa afirmação tem somente duas maneiras de ser interpretada. Uma é em função da geração contemporânea do Messias.

Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre a presente geração”. (Mat. 23:36 – ARA).

A segunda maneira de interpretá-la, é em função da última geração que testemunhará a segunda vinda do Messias “com nuvens e grande glória”.

Segunda:

Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão”. (Mat. 24:35 – ARA).

Em função desse verso, podemos ter certeza absoluta que todas as declarações positivas (afirmações e/ou negações explicitas), feitas pelo Messias estão e são mais firmes que o próprio  Céu e a Terra.

Portanto, é em função desse último verso que, devemos fundamentar o verso seguinte que diz:

“Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai”. (Mat. 24:36 – ARA).

Ellen G. White, sobre Mat. 24:36, declarou o seguinte:

Mas o dia e hora de Sua vinda não foram revelados. Jesus declarou positivamente a Seus discípulos que Ele próprio não podia dar a conhecer o dia ou a hora de Sua segunda vinda. Houvesse estado na liberdade de revelar isto, que necessidade teria então de os exortar a uma constante vigilância? Alguns há que pretendem conhecer o próprio dia e hora do aparecimento do Senhor. Muito zelosos são eles em delinear o futuro. Mas o Senhor os advertiu a sair desse terreno. O tempo exato da segunda vinda do Filho do homem é mistério de Deus”. (O Desejado de Todas as Nações. 20ª ed. 1997. pp.632-633.).

Em outro lugar, o Messias declarou:

Então, os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel? Respondeu-lhes: Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade”. (Atos 1:6-7 – ARA).

É a meia- noite que Deus manifesta o Seu poder para o livramento de Seu povo. ... Em meio dos céus agitados, acha-se um espaço claro de glória indescritível, donde vem a voz de Deus como o som de muitas águas, dizendo: ‘Está feito.’  Apocalipse 16:17”.

Essa voz abala os céus e a Terra. ...”

A voz de Deus é ouvida no céu, declarando o dia e a hora da vinda de Jesus e estabelecendo concerto eterno com Seu povo. ...”. (O Grande Conflito. 33ª ed. 1987. pp.642 e 646.).

Vi uma nuvem flamejante aproximar-se de onde Jesus estava. Então Jesus ... tomou o Seu lugar na nuvem que O levou para o oriente, onde ela apareceu primeiro aos santos na Terra – uma pequena nuvem escura que era o sinal do Filho do Homem. Enquanto a nuvem passava do Santíssimo para o oriente, o que levou vários dias, a sinagoga de Satanás adorava prostrada aos pés dos santos. – To The Little Remnant Scattered Abroad, 06-04-1846”. – (WHITE, Ellen G. Meditações Matinais MARANATA – O Senhor Vem! 1ª ed. 1977. p. 285.).

Depois que o Pai declarar  dia e a hora da vinda do Filho, segundo essa citação, levará vários dias para o Messias passar do Santíssimo para o Oriente:

Enquanto a nuvem passava do Santíssimo para o oriente, o que levou vários dias ...”.

Estude, pense e reflita nas seguintes passagens:

Bloco1

Também a Glória de Israel não mente, nem se arrepende, porquanto não é homem, para que se arrependa”. (1Samuel  15:29 – ARA – cf. Num. 23:19).

Porque eu, o SENHOR, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos”. (Mal. 3:6 – ARA).

Paulo, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo, para promover a fé que é dos eleitos de Deus e o pleno conhecimento da verdade segundo a piedade, na esperança da vida eterna que o Deus que não pode mentir prometeu antes dos tempos eternos e, em tempos devidos, manifestou a sua palavra mediante a pregação que me foi confiada por mandato de Deus, nosso Salvador, a Tito, verdadeiro filho, segundo a fé comum, graça e paz, da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, nosso Salvador”. (Tito 1:1-4 – ARA).

Por isso, Deus, quando quis mostrar mais firmemente aos herdeiros da promessa a imutabilidade do seu propósito, se interpôs com juramento, para que, mediante duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, forte alento tenhamos nós que já corremos para o refúgio, a fim de lançar mão da esperança proposta”. (Heb. 6:17-18 – ARA).

Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança”. (Tiago 1:17 – ARA).

Bloco 2

Eu nada posso fazer de mim mesmo; na forma por que ouço, julgo. O meu juízo é justo, porque não procuro a minha própria vontade, e sim a daquele que me enviou”. (João 5:30 – ARA).

Então, os judeus se maravilhavam e diziam: Como sabe este letras, sem ter estudado? Respondeu-lhes Jesus: O meu ensino não é meu, e sim daquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se eu falo por mim mesmo”. (João 7:15-17 – ARA).

Muitas coisas tenho para dizer a vosso respeito e vos julgar; porém aquele que me enviou é verdadeiro, de modo que as coisas que dele tenho ouvido, essas digo ao mundo”. (João 8:26 – ARA).

Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do Homem, então, sabereis que EU SOU e que nada faço por mim mesmo; mas falo como o Pai me ensinou”. (João 8:28 – ARA – cf. versos 29 e 38).

Porque eu não tenho falado por mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, esse me tem prescrito o que dizer e o que anunciar. E sei que o seu mandamento é a vida eterna. As coisas, pois, que eu falo, como o Pai mo tem dito, assim falo”. (João 12:49-50 – ARA).

Quem não me ama não guarda as minhas palavras; e a palavra que estais ouvindo não é minha, mas do Pai, que me enviou”. (João 14:24 – ARA).

“... Assim procedo para que o mundo saiba que eu amo o Pai e que faço como o Pai me ordenou. ...”. (João 14:31 – ARA).

Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer”. (João 15:15 – ARA).

Como pudemos perceber, o Messias falou apenas o que o Pai ordenou que Ele falasse. Então, sendo assim, quem afirma que o Filho sabia ou sabe o dia e a hora de Sua vinda, faz falsa a declaração que Ele disse a respeito dEle e do Pai.

“Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai”. (Mat. 24:36 – ARA).

PORTANTO, EM FUNÇÃO DO QUE FOI APRESENTADO ACIMA, PODEMOS AFIRMAR QUE, SOMENTE O PAI SABE O DIA E A HORA DA VINDA DO MESSIAS. POR ISSO, ELE MESMO FARÁ A DECLARAÇÃO DE TAL ACONTECIMENTO. josielteli@hotmail.com

 

Jesus Cristo Ainda NÃO Sabe o Dia de Sua Vinda?

Estive conversando com um amigo sobre a proximidade volta de Cristo. E ele me disse que só Deus, o Pai, sabe quando chegará o momento de Jesus retornar. Mas eu já ouvi o pastor dizer que existe uma passagem do Espírito de Profecia, que diz que Jesus não sabia a data de Sua volta apenas como ser humano, mas agora Ele já sabe o dia e a hora de Sua segunda vinda. O que vocês acham? -- PML

Irmão, se Ellen G. White escreveu alguma coisa nesse sentido, desconhecemos. Mas sabemos que Mateus 24:36 afirma taxativamente que "daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai". E Jesus, depois da ressurreição e de ter seu sacrifício aceito pelo Pai, disse aos discípulos: "Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade." Atos 1:7

E complementando o pensamento, sugerimos-lhe também a leitura atenta destes dois textos bíblicos:

"E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte. Porque todas as coisas sujeitou debaixo dos pés. E, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, certamente, exclui aquele que tudo lhe subordinou. Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos." I Coríntios 15:24-27.

"Ao único Deus, nosso Salvador, mediante Jesus Cristo, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém!" Judas 25.

Portanto, irmão, somente se Deus, o Pai, revelou essa data a Jesus, como fez com o Apocalipse (1:1), então o Filho agora sabe. Lembre-se também que o próprio Jesus Cristo disse que há temas que o Pai reserva para Sua exclusiva autoridade.

Recentemente, comprei o último CD dos Arautos e gostei da primeira e da segunda músicas. A primeira porque apresenta a seguinte visão: O Pai, no uso de sua exclusiva autoridade, dirá ao Filho que está na hora de buscar Seus filhos. A segunda porque apresenta um refrão no coro que diz que somos salvos em Deus e em Seu Filho!

A irmã White apresenta o mesmo argumento em sua visão "Fim dos 2.300 dias" (Primeiros Escritos, pág. 54). Deus se levanta e sai (uso da autoridade). Cristo o acompanha. Além disso vemos na visão que os raios de luz saem sempre do Pai para o Filho e, então, são enviados a nós (novamente encontramos a soberania).

Cremos que, quando Deus considerar que chegou o momento, enviará o Seu Filho para nos buscar. Podemos ficar tranqüilos, porque Deus nunca se move tarde demais!

No livro O Grande Conflito, 33ª ed. 1987. p.646 (Capítulo: O Livramento dos Justos), Ellen G. White escreveu que o Pai dirá o dia e a hora da vinda do Filho. Isso parece comprovar o que foi afirmado pelo Filho em Mat. 24:36 e Atos 1:7.

Como alerta final, reflita sobre a citação abaixo:

"Haverá, mesmo entre nós, mercenários e lobos disfarçados em ovelhas que persuadirão [alguns do] rebanho de Deus a sacrificar a outros deuses diante do Senhor. ... Jovens que não se acham estabelecidos, arraigados e firmados na verdade serão corrompidos e desencaminhados pelos condutores cegos dos cegos; e os ímpios, os desdenhadores que duvidam e perecem, que desprezam a soberania do Ancião de Dias e colocam um falso deus sobre o trono, um ser de sua própria invenção, um ser completamente tal qual eles mesmos - estes instrumentos estarão nas mãos de Satanás para corromper a fé dos incautos." Mensagens Escolhidas, vol. 3, pág. 398.

Grande abraço, irmãos! -- Resposta preparada por RFJ.

 

Discordo

Sobre este assunto creio que Jesus, como Deus onisciente, sempre soube o dia de Sua Vinda. Mas como homem, Ele se destituiu dos poderes da divindade. Não fez uso destes poderes. Veja Filipenses 2:6-8: "o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz."

Creio que devemos entender que o Pai por ter a autoridade de comandar o universo, não destituí o Filho da Onipotência, Onipresença e da Onisciência, atributos exclusivos da divindade. Se Jesus não soubesse o dia de Sua vinda, Ele não seria Deus. Entendo, portanto, que Jesus respeita a autoridade do Pai e na condição de Salvador, Senhor e exemplo deseja que também façamos o mesmo.

O Pai determina, comanda e o Filho obedece, segue os planos do Pai porque o Pai e o Filho são Um, veja João 10:30: "Eu e o Pai somos um." -- Jackson Diogo Damásio Outeiro, IASD Central de Campo Grande, MS.

 

Comentário do Editor do Adventistas.com

Caro irmão Diogo, é um prazer receber aqui no site a visita de nosso professor da Classe de Escola Sabatina! Pergunto-lhe, em minha condição de aluno seu:

Se Ele sabia e disse que não sabia, teria mentido?

Se o Filho de Deus, depois de ressurreto, disse que há questões como essa, referentes a datas e épocas, que pertencem à exclusiva autoridade do Pai, como poderemos desmenti-Lo?

Por que diz a Bíblia que o Apocalipse, escrito lá pelo fim do primeiro século, é uma revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu?

Embora adjetivos como onisciente, onipresente e onipotente, sejam expressões humanas e imperfeitas para descrever realidades divinas, não lhe parece que a supervalorização da onisciência do Filho limita a onipotência do Pai, que é o soberano do Universo?

Não estaria essa informação acerca da data ligada exatamente ao atributo da Soberania Universal, definido por Cristo como "exclusiva autoridade do Pai"?

Embora Jesus Cristo tenha dito ser um com o Pai, acrescentou: O Pai é maior do que eu! Por isso, convém ler esse texto de Filipenses em outras versões, como, por exemplo, a Nova Bíblia de Jerusalém.

Contudo, respeito sua opinião, entendendo que o Filho de Deus, embora pudesse até conhecer por Si mesmo essa data, preferiu submeter-Se mais uma vez ao Pai, reservando-Lhe o controle dessa informação.

Grande abraço e escreva-nos sempre!

 

RETORNAR