Make your own free website on Tripod.com

 

Tenho hoje o privilégio de pregar uma mensagem contra a qual preguei e me opus tenazmente durante alguns anos, a exemplo do que no passado fez Saulo de Tarso, na minha ignorância (Deus o sabe); e como Ele perdoou ao apóstolo, peço que assim também me perdoe. Aos irmãos que desejarem conhecer a verdade, oro para que Deus lhes ilumine o entendimento, para que possam, ao ler este material, serem encaminhados para o encontro com o único Deus verdadeiro, tal como o fui, por meio da misericórdia do Pai Eterno, segundo a revelação do Seu Espírito Santo, por intermédio de Jesus Cristo, nosso Senhor, e de seus instrumentos humanos.

 

Quantos deuses verdadeiros há? A Bíblia afirma haver um só. Então, de que vale então deixar de crer em três, para crer em dois? Este material trata da resposta para esta pergunta.

 

Que Deus te abençoe e te ilumine no estudo,

 

Jairo Carvalho

By Ministério 4 Anjos

 

DEUS e CRISTO!

Quantos deuses existem? - Uma revelação bíblica

 

O evangelho eterno

 

Deus, vendo a miséria na qual nós os homens pecadores vivemos, rodeados de enfermidades de todas espécie, contemplando injustiças, maledicências, hipocrisia, falsidade, extorsão, roubo, assassinato e toda a sorte de males, e encontrando por fim a morte como destino, desejou nos erguer deste estado de decaimento moral. Mais que isto, desejou nos conceder poder moral a tal ponto que pudéssemos novamente ser capazes de viver em harmonia uns com os outros, expulsando de nós por completo o egoísmo e fazendo-nos passar a agir sempre pelo princípio do amor abnegado e altruísta, habilitando-nos desta forma a viver eternamente com os outros seres inteligentes criados que nunca caíram e não conhecem a morte. Tal plano afigura-se para nós como uma “boa nova”, uma maravilhosa notícia para quem estava sem esperança neste mundo, pensando que o melhor legado dado ao homem é aproveitar os curtos anos de uma existência que está longe de ser considerada como completa em felicidade.

A palavra “evangelho” significa “boas novas”, e resume o que é o plano de Deus para o nosso erguimento moral. A Palavra de Deus afirma que o evangelho é o “poder de Deus, para a salvação de todo aquele que crê” (Rom. 1:16). Nesta mesma Palavra encontramos a mensagem do evangelho, uma mensagem que, se crida pelo homem, o reerguerá em poder e força moral, e o habilitará para desfrutar de uma vida eterna de felicidade, onde “Deus lhes enxugará dos olhos toda a lágrima” (Ap. 7:17). Tal mensagem, chamada de evangelho eterno, é encontrada em Apocalipse 14:

         “ Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo”           Apoc. 14:6 (ênfase suprida)

Um evangelho eterno é uma mensagem que deve ser pregada em todos os tempos, o que inclui este no qual vivemos. Uma boa nova que, crida e obedecida é capaz de salvar os homens em todos os tempos. Pela passagem acima, vemos também que esta mensagem é um convite mundial, estendido a todos os homens que habitam na face da Terra, posto que é para ser pregada a cada “nação, e tribo, e língua, e povo”. O que este evangelho diz? Lemos no próximo verso da Palavra:

“dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas”        Apoc. 14:7 (ênfase suprida)

 

A Palavra de Deus divide o mundo em duas classes: os que obedeceram ao evangelho eterno e os que não obedeceram:

       “Mas nem todos obedeceram ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem acreditou na nossa pregação?” Rom. 10:16 (ênfase suprida)

Obviamente, os que obedeceram ao evangelho foram os que acreditaram. Em que creram eles? Na Palavra de Deus, obviamente, que apresenta o evangelho eterno ao homem. Este nos convida a temer a Deus. E para que obedeçamos a este evangelho, devemos “temer” ao Deus revelado na Palavra de Deus, e a Ele dar glória. De nada adiantará temermos a um Deus não revelado na Palavra. Isto não será de proveito para nossa salvação, pois assim fazendo não estaremos obedecendo ao evangelho. Para aqueles que não obedecem o evangelho, é como se este estivesse encoberto para eles; e a respeito de tais pessoas, a Palavra de Deus claramente afirma:

“Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, é para os que se perdem que está encoberto” II Cor. 4:3 (ênfase suprida)

Enquanto os que se salvam, que recebem a vida eterna, são os que obedecem ao evangelho eterno, temendo ao verdadeiro Deus, os que se perdem são os que não acreditam na Palavra de Deus, e portanto não temem ao verdadeiro Deus que ela revela.

        “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” João 17:3

 

Como encontrar a verdadeira Palavra de Deus?

       "Jesus, porém, respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus." Mateus 4:4 (ênfase suprida)

Se desejamos ser finalmente salvos, precisamos viver de toda a Palavra que sai da boca de Deus. Precisamos obedecer ao Seu evangelho, e temer ao Deus revelado na Palavra. Sabemos que a  Bíblia é a palavra de Deus; todavia, na atualidade, não podemos considerar que, ao lermos quaisquer das diferentes traduções da Bíblia existentes, estamos lendo a Palavra de Deus para nós. Por quê não o podemos? Porque as diferentes traduções da Bíblia, católicas e protestantes, apresentam as mesmas passagens bíblicas traduzidas de formas muitas vezes tão diferentes, que quando lidas nos levam a entendimentos diversos. Citamos um exemplo como ilustração:

 

       "Jesus lhe respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso."    Lucas 23:43

O texto acima é extraído da tradução bíblica para o português “Almeida Revista e Atualizada”. Este relata as palavras ditas por Jesus ao ladrão na cruz. Da forma que é lido, dá a entender que Jesus disse ao ladrão que naquele mesmo dia o ladrão estaria com Ele no paraíso. Como ambos estavam para morrer na cruz, o meditar sobre o texto da forma como está leva o leitor à conclusão de que a alma é imortal, ou seja, quando o corpo morre, o espírito vai para o céu no mesmo dia. Todavia, tal conclusão estaria em conflito direto com outras passagens da Bíblia que afirmam claramente que a alma é mortal, tiradas da mesma versão da Bíblia (Almeida Revista e Atualizada), da qual tiramos a passagem de Lucas:

"Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram; para sempre não têm eles parte em coisa alguma do que se faz debaixo do sol." Eclesiastes 9:4-6

E em outra passagem, a Bíblia assevera claramente que os mortos somente se encontrarão com Jesus a fim de estarem para sempre morando com Ele, após a Sua segunda vinda à terra:

"Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor." I Tes. 4:16, 17

Como o texto acima, extraído da própria versão Almeida Revista e Atualizada assevera claramente, os mortos em Cristo vão ressuscitar por ocasião da vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Conclui-se portanto que há algo de errado com a tradução desta versão das palavras de Cristo ao ladrão na cruz descritas em Lucas 23:43. Caso esta estivesse correta, teríamos uma prova concreta de que a Bíblia, a Palavra de Deus, está em contradição. Pesquisamos o texto acima em outras versões, e encontramos a seguinte tradução:

" And Jesus said to him, Verily I say to thee, This day shalt thou be with me in paradise." Lucas 23:43 (1833 Webster Bible)

 

Tradução:

"E Jesus disse a ele, Verdadeiramente Eu te digo, Este dia você estará comigo no paraíso"

Pela versão da Bíblia acima, vemos que Jesus disse ao ladrão que, no dia em que Ele estivesse no Seu reino, o ladrão estaria com Ele no paraíso. Não que estivesse naquele mesmo dia, pois nem mesmo Jesus esteve no Seu reino naquele dia. A Escritura afirma claramente que Jesus esteve morto na tumba desde o final da tarde de sexta-feira até a manhã de domingo, quando ressuscitou (Mar. 15:37-16:7; Luc. 23:46-24:7). Também aponta para o reino de Cristo como estando no futuro, ao ressoar a sétima trombeta:

"O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e Ele reinará pelos séculos dos séculos." Apocalipse 11:5

Vemos portanto, claramente revelado na Palavra de Deus, que o ladrão não foi ao Céu no mesmo dia da crucifixão; que não era este, portanto, o significado das palavras que Jesus lhe disse. A tradução Almeida, que dá este entendimento, não pode ser então aceita como sendo a Palavra de Deus, ao menos para esta passagem.

O exemplo que citamos acima é apenas um de muitos que poderíamos apresentar. Concluímos portanto que, embora existam muitas traduções da Bíblia disponíveis em nossa língua, nem todas elas transmitem exatamente o que Deus quis dizer em todas as suas passagens. Errou Deus? Não, erraram os homens que, ao traduzirem a Bíblia, o fizeram de maneira a dar às passagens o sentido que eles entendiam ser o correto, não o que Deus queria dar. O que faremos nós então, para saber o que foi que Deus disse? A resposta é: estudar. Comparar texto com texto, Escritura com Escritura, de maneira a harmonizar os próprios textos bíblicos e extrair das diferentes traduções a Palavra que Deus realmente disse, que se harmoniza com todas as outras da Escrituras. Este é o método de pesquisa indicado pelo próprio Deus, e quem o seguir não precisa ter medo de errar. Deus o guiará à verdade:

"Assim, pois, a palavra do SENHOR lhes será preceito sobre preceito, preceito e mais preceito; regra sobre regra, regra e mais regra; um pouco aqui, um pouco ali" Isaías 28:13

Há uma promessa maravilhosa que Deus cumprirá na vida daqueles que buscarem o conhecimento do Senhor conforme Ele nos recomendou pelo texto acima:

" Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR; como a alva, a sua vinda é certa; e ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra." Oséias 6:3

Uma dotação especial do Espírito Santo, a graça que preparará um povo para estar em pé no Dia do Senhor, nos últimos dias da história da Terra, será concedida aos que desta forma buscarem conhecer ao Senhor.

Através deste material, pretendemos conhecer a Palavra de Deus com respeito à adoração. Queremos saber o que Ele nos disse sobre quem é Deus e quem deve ser adorado. Vamos para isso estudar supostas adulterações na Palavra de Deus que teriam tido o objetivo de levar os homens a crer em algo que Deus nunca ensinou ao homem. Está escrito que Satanás assaltaria a raça humana, "para enganar, se possível fosse, os próprios eleitos" Mat. 24:24. Sim, está profetizado que seria permitido a Satanás operar "com todo o poder,...e prodígios da mentira" II Tes. 2:9. É interessante notar que, sendo o  papado o "mistério da iniqüidade", e sendo o papa o próprio "filho da perdição" de II Tes. 2:3, temos que a quase totalidade das traduções da Bíblia hoje disponíveis foram efetuadas a partir do trabalho de vassalos ou dissidentes parciais do papado. Digo dissidentes parciais referindo-me aos reformadores da idade média e moderna, que também traduziram a Bíblia. Isto porque, mesmo tendo eles já se separado da igreja de Roma quando se dedicaram ao trabalho de tradução, como haviam sido instruídos uma vez por ela, não estavam ainda totalmente livres da influência de suas crenças anti-bíblicas, e obviamente, ainda que não intencionalmente, deixaram um legado da sombra do papado sobre suas obras de tradução das Escrituras.

Sabendo o quanto o papado trabalhou no passado para esconder a Bíblia e suas verdades do povo, e posteriormente impor a este suas doutrinas ditas "bíblicas" mas de fato sem qualquer amparo desta, não é difícil crer que possam ter havido diferenças dignas de nota entre os originais da Bíblia e as traduções disponíveis atualmente, sejam elas intencionais ou influenciadas pela crença doutrinária dos tradutores.

Ao partirmos em busca da verdade, precisamos discernir corretamente a verdade e o erro. Quando temos a verdade, descartamos o que não está em conformidade com ela como sendo erro. No caso das traduções das diferentes passagens bíblicas, descartamos as traduções que não conferem com a verdade, considerando-as incorretas. Obviamente, para encontrarmos tal verdade que nos autorize a com segurança descartas outras traduções da Bíblia, não poderemos utilizar apenas uma versão da Bíblia como base de análise; antes, teremos que comparar as mesmas passagens em traduções diferentes da Bíblia a fim de obtermos um comparativo entre as mesmas e encontrar a tradução verdadeira, a mensagem que expressa a "Palavra de Deus" dos textos em análise. Como os originais da Bíblia são praticamente inexistentes, posto que os mais antigos manuscritos datam de épocas posteriores às que viveram os escritores originais, a única alternativa que encontramos para efetuarmos uma pesquisa bíblica válida a fim de descobrirmos qual é a verdadeira Palavra de Deus referente aos textos estudados é:

1 - encontrar um texto concernente ao tema que vamos estudar que seja suficientemente claro como para por fim à questão, e que tenha a tradução que dê a ele o mesmo sentido em todas as versões pesquisadas; a partir de então, estabelece-se o que está neste texto como sendo a Palavra de Deus - a verdade absoluta;

2 - partindo da verdade absoluta, estudamos os outros textos relacionados com o mesmo tema, objeto de análise, considerando como válidas apenas as traduções que se harmonizam com a verdade absoluta. 

O método acima explicado pode parecer um pouco difícil de ser entendido, mas quando o aplicarmos na prática, na seqüência deste estudo, veremos que é fácil não somente de ser entendido, como também de ser aplicado.

 

A que Deus vamos temer e dar glória?

 

   “Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” Apoc. 14:7

Como vimos ao início deste material, é fundamental para a nossa vida eterna encontramos a resposta correta para esta questão, pois precisamos temer ao Deus revelado na Palavra de Deus, se é que queremos ser salvos. Para encontrarmos a resposta para esta pergunta, utilizaremos o método exposto na seção anterior. Primeiramente, recorremos à Palavra de Deus, e procuramos um texto que seja suficientemente claro para por fim à questão, e que apareça escrito de tal forma em todas as traduções pesquisadas, que dê o mesmo sentido no entendimento. Encontramos tal texto na passagem de I Coríntios 8:6:

"todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele." I Coríntios 8:6 (Almeida Revista e Atualizada) (ênfase suprida)

O texto é suficientemente claro para definir a questão. Afirma haver um só Deus, o Pai. Seguindo o método de estudo proposto, leremos este mesmo texto em todas as versões às quais consultaremos durante o estudo:

 

American Standard Version:

"yet to us there is one God, the Father, of whom are all things, and we unto him; and one Lord, Jesus Christ, through whom are all things, and we through him." I Coríntios 8:6

Tradução:

"ainda para nós há um Deus, o Pai, de quem são todas as coisas, e nós para Ele..."

 

1769 Authorised Version:

"But to us there is but one God, the Father, of whom are all things, and we in him; and one Lord Jesus Christ, by whom are all things, and we by him. {in: or, for}" I Cor 8:6

Tradução:

"Mas para nós há apenas um Deus, o Pai, de quem são todas as coisas, e nós por Ele..."

 

1947 Revised Standard Version:

"yet for us there is one God, the Father, from whom are all things and for whom we exist, and one Lord, Jesus Christ, through whom are all things and through whom we exist."

Tradução:

"ainda para nós há um Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós existimos..."

 

Interlinear Greek New Testament:

"all {BUT} hmin {TO US THERE IS} eiv {ONE} yeov {GOD} o {THE} pathr {FATHER,} ex {OF} ou {WHOM ARE} ta panta {ALL THINGS,} kai {AND} hmeiv {WE} eiv {FOR} auton {HIM;} kai {AND} eiv {ONE} kuriov {LORD} ihsouv {JESUS} cristov {CHRIST,} di {BY} ou {WHOM ARE} ta panta {ALL THINGS,} kai {AND} hmeiv {WE} di {BY} autou {HIM.}"

Tradução:

"Mas para nós há um Deus o Pai, de quem são todas as coisas, e nós para Ele..."

 

Reina valera 1909:

     "Nosotros empero no tenemos más de un Dios, el Padre, del cual son todas las cosas, y nosotros en él: y un Señor Jesucristo, por el cual son todas las cosas, y nosotros por él."

    Tradução:

     "Nós todavia não temos mais de um Deus, o Pai, de quem são todas as coisas, e nós por Ele..."

   

     1889 Darby translation:

    "yet to us there is one God, the Father, of whom all things, and *we* for him; and one Lord, Jesus Christ, by whom are all things, and *we* by him."

Tradução:

"ainda para nós há um Deus, o Pai, de quem são todas as coisas, e nós por Ele..."

 

SEV - Las 1569 Sagradas Escrituras:

     "nosotros, sin embargo, no tenemos más que un Dios, el Padre, del cual son todas las cosas, y nosotros en él; y un Señor, Jesús, el Cristo, por el cual son todas las cosas, y nosotros por él."

Tradução:

"nós, todavia, não temos mais que um Deus, o Pai, de quem são todas as coisas, e nós nEle"

De todas as versões da passagem de I Coríntios 8:6 lidas acima, podemos notar que, ademais de pequenas diferenças existentes entre elas, todas apresentam a mesma verdade central: "há um só Deus, o Pai". Assim, temos isto estabelecido como verdade absoluta, Palavra advinda diretamente de Deus:

 

"há um só Deus, o Pai".

 

Se há um só Deus, o Pai, conforme o testemunho bíblico, como fica Jesus? não é mais Deus? Não encontramos nós muitas passagens nas quais Jesus Cristo é claramente denominado "Deus" no Novo Testamento bíblico? Estudaremos estas passagens aqui.

 

É Jesus Cristo, Deus?

Sabemos que os livros que compõem o Novo Testamento foram escritos após a encarnação de Cristo. Em tais livros, encontramos abundante testemunho quanto ser Jesus o Filho de Deus (Mat. 8:29; 14:33; 27:43; Mar. 1:1; 3:11; 15:39; Luc. 1:35; 4:41; 22:70; Jo. 1:34, 49; 5:25; 10:36; 11:4; 11:27; 19:7; 20:31; Atos 8:37; 9:20; II Cor. 1:19; Heb. 4:14; I Jo. 4:15; 5:5) . Citamos dentre eles I João 4:15:

    "Aquele que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele, e Ele, em Deus."

Encontramos todavia poucos textos que apontem Jesus como sendo "Deus" após a Sua encarnação. Tendo como verdade o testemunho de todas as versões da Bíblia que analisamos, pela passagem de I Cor. 8:6, de que há um só Deus, o Pai, deve haver algum problema nas versões da Bíblia que trazem textos apontando Jesus, após Sua encarnação, como Deus. Do contrário, teríamos que concordar que a Palavra de Deus está contradizendo a si mesma. Assim, vamos analisar as passagens que apontam a Jesus como "Deus" no novo testamento segundo as diferentes versões bíblicas, buscando harmonizá-las com a verdade absoluta encontrada em I Cor. 8:6 e confirmada pelo testemunho unânime de todas as versões bíblicas pesquisadas: "há um só Deus, o Pai".

As passagens que encontramos, as quais Jesus é apontado como Deus de forma direta são: "Heb. 1:8; Tito 2:13; Rom. 9:5; Jo. 1:18". Chamamos estas de passagens diretas, porque não é necessário que as comparemos com outras para descobrir à quem estão se referindo; basta apenas lê-las, conforme você pode verificar abaixo:

"mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de eqüidade é o cetro do seu reino." Hebreus 1:18

"aguardando a bendita esperança e a  manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, o qual a si mesmo se deu por nós" Tito 2:13, 14

"deles são os patriarcas, e também deles descende o Cristo, segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre. Amém!" Romanos 9:5

   "Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou." João 1:18

 

Existem outros textos do novo testamento os quais entendemos que apontam Cristo como sendo Deus através de comparações com outras passagens, dos quais trataremos na seqüência deste estudo. Por ora, nos ateremos à analise dos três textos acima.

 

Traduções incorretas da Bíblia:

 

Tito 2:13:

" aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus," Tito 2:13

Vamos comparar a tradução acima, da Bíblia Versão Almeida Revista e Atualizada, com uma versão de 1769:

"Looking for that blessed hope, and the glorious appearing of the great God and our Saviour Jesus Christ; {glorious...: Gr. the appearance of the glory of the great God, and of our Saviour Jesus Christ}" Tito 2:13 (1769 Autorized Version)

Tradução:

"procurando por aquela bendita esperança, e o glorioso aparecimento de nosso grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo; {glorioso...: Grego: o aparecimento da glória do grande Deus, e de nosso Salvador Jesus Cristo}" Tito 2:13

Perceba que, nesta versão, o próprio tradutor assevera que do grego temos: "a glória do grande Deus, e de nosso Salvador Jesus Cristo". Esta tradução se harmoniza perfeitamente com a verdade absoluta bíblica de I Cor. 8:6, estudada a pouco, que afirma que "há um só Deus. Consideramos portanto esta como sendo a tradução correta, e desprezamos a tradução da Versão Almeida. Por que o fazemos? Porquê, caso aceitássemos a tradução da Versão Almeida para este verso, estaríamos assumindo que a Palavra de Deus está em contradição, pois não pode haver outro Deus além do Pai, conforme vimos. Perceba que, neste estudo, estamos buscando mais que apenas levantar uma questão de palavras dentro da Bíblia; estamos buscando saber qual Palavra é de fato a expressão da vontade de Deus, par de fato vivermos de toda a Palavra que sai da boca de Deus (Mat. 4:4), desprezando por completo qualquer alteração desta efetuada pelo maligno através de agentes humanos.

Para aqueles que desejam ver a tradução da passagem em análise em todas as versões propostas neste estudo, estas são citadas ao final do estudo, no Apêndice 1.

 

     Hebreus 1:8:

"mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de eqüidade é o cetro do seu reino." Hebreus 1:8

Vamos comparar a tradução acima, da Bíblia Versão Almeida Revista e Atualizada, com a versão "American Standard Version":

"but of the Son he saith, {1} {2} Thy throne, O God, is for ever and ever; And the sceptre of uprightness is the sceptre of {3} thy kingdom. {1) Ps 45:6 f 2) Or Thy throne is God for etc 3) The two oldest Greek manuscripts read his}

    Tradução:

    "mas do Filho Ele disse {1} {2} Teu trono, Ó Deus, é para sempre e sempre; E o cetro de eqüidade é o cetro do {3} Teu reino.

    {1) Sl. 45:6 f  2) Ou Teu trono é de Deus para etc. 3) Os dois manuscritos Gregos mais antigos apresentam Seu} (ênfase nossa)

Perceba que, na passagem acima, o tradutor sugere como tradução possível o texto: "Teu trono é de Deus para", em lugar de "Teu trono Ó Deus é para". Obviamente, a tradução proposta muda o entendimento da passagem; tira-a de um entendimento conflitante com a verdade de I Cor. 8:6 (há um só Deus, o Pai), e coloca-a em harmonia com tal verdade. Por isso, aceitamos esta tradução e desprezamos a tradução da Versão Almeida.

Para os que desejam analisar, disponibilizamos as demais traduções desta passagem nas versões propostas no estudo no Apêndice 2.

 

Romanos 9:5

"deles são os patriarcas, e também deles descende o Cristo, segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre. Amém!" Romanos 9:5

Vamos comparar a tradução acima, da Bíblia Versão Almeida Revista e Atualizada, com a versão "1947 Revised Standard Version":

     "to them belong the patriarchs, and of their race, according to the flesh, is the Christ. God who is over all be blessed for ever. Amen."

Tradução:

"à eles pertencem os patriarcas, e da sua raça, segundo a carne, é o Cristo. Deus o qual é sobre todos seja bendito para sempre. Amem"

Como podemos observar, a tradução acima não é em nada conflitiva com a verdade de I Cor. 8:6 (há um só Deus, o Pai). Portanto, aceitamos esta tradução a não a da Almeida, cuja tradução coloca em contradição a Palavra de Deus.

 

João 1:18

    "Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou."

Vamos comparar a tradução acima, da Bíblia Versão Almeida Revista e Atualizada, com a versão "1947 Revised Standard Version":

    "No one has ever seen God; the only Son, who is in the bosom of the Father, he has made him known."

    Tradução:

       "Ninguém jamais viu a Deus; o único Filho, que está no seio do Pai..."

Como podemos observar, a tradução acima não é em nada conflitiva com a verdade de I Cor. 8:6 (há um só Deus, o Pai). Portanto, aceitamos esta tradução a não a da Almeida, cuja tradução coloca em contradição a Palavra de Deus. Lembre-se que a Palavra de Deus afirma, como verdade absoluta, confirmada por todas as traduções pesquisadas da Bíblia, sem exceção, de que "há um só Deus, o Pai". Portanto, qualquer texto que afirme haver um outro "Deus" além do Pai está em contradição com a verdade absoluta, e não pode ser considerado como a "Palavra de Deus", por mais que esteja incluso na tradução da Bíblia em questão. Deve ser rejeitado.

 

Outros textos que favoreceriam a aceitação de mais de um Deus:

Existem outros textos encontrados em nossas Bíblia que, embora não apontem explicitamente a Cristo como sendo Deus, dão ao leitor o entendimento de ter Cristo a mesma Soberania de Deus. Citamos Judas 4:

Judas 4:

"Pois certos indivíduos se introduziram com dissimulação, os quais, desde muito, foram antecipadamente pronunciados para esta condenação, homens ímpios, que transformam em libertinagem a graça de nosso Deus e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo." Judas 4 (Versão Almeida Revista e Atualizada)

O texto da tradução Almeida revista e Atualizada citado acima refere-se a Cristo como nosso único Soberano. Embora aparentemente inocente, ele é diretamente conflitante com outro texto bíblico que afirma ser o Pai o único Soberano:

"que guardes o mandato imaculado, irrepreensível, até à manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo; a qual, em suas épocas determinadas, há de ser revelada pelo bendito e único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores; o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A ele honra e poder eterno. Amém!" I Timóteo 6:14-16

O texto acima afirma que o "único Soberano" é aquele "que habita em luz inascessível", e "a quem homem algum jamais viu". Obviamente, este texto não se refere a Cristo, o qual foi visto não só por seus discípulos como também por muitos outros homens; refere-se ao Pai, que nunca foi visto por olhos mortais. Ele é aqui claramente apontado como o único Soberano.

Vemos que os textos de Judas 4 e I Timóteo 6:14-16 estão em contradição, a menos que considerássemos o Pai e Cristo como sendo uma pessoa, mas sabemos que isto não pode ser. Assim, precisamos encontrar qual dos dois textos é verdadeiro. Para tanto, vamos recorrer às diferentes traduções. Primeiramente analisamos I Timóteo 6:14-16:

 

1769 Authorised Version:

"That thou keep this commandment without spot, unrebukeable, until the appearing of our Lord Jesus Christ: Which in his times he shall shew, who is the blessed and only Potentate, the King of kings, and Lord of lords; Who only hath immortality, dwelling in the light which no man can approach unto; whom no man hath seen, nor can see: to whom be honour and power everlasting. Amen."

Tradução:

"...o qual é a bendita e única Potestade, o Rei dos reis, e Senhor dos senhores; O qual é o único que tem imortalidade, habitando na luz da qual nenhum homem pode se achegar; o qual nenhum homem tem visto..."I Timóteo 6:14-16

 

American Standard Version:

"that thou keep the commandment, without spot, without reproach, until the appearing of our Lord Jesus Christ: which in {1} its own times he shall show, who is the blessed and only Potentate, the King of {2} kings, and Lord of {3} lords; {1) Or his 2) Gr them that reign as kings 3) Gr them that rule as lords}who only hath immortality, dwelling in light unapproachable; whom no man hath seen, nor can see: to whom be honor and power eternal. Amen."

Tradução:

"...o qual é a bendita e única Potestade, o Rei dos {2} reis, e Senhor dos {3} senhores; {1) Ou seu 2) Grego daqueles que reinam como reis 3) Grego daqueles que governam como senhores} o único que tem imortalidade, habitando em luz inacessível; o qual nenhum homem tem visto..."

 

1947 Revised Standard Version:

"I charge you to keep the commandment unstained and free from reproach until the appearing of our Lord Jesus Christ; and this will be made manifest at the proper time by the blessed and only Sovereign, the King of kings and Lord of lords, who alone has immortality and dwells in unapproachable light, whom no man has ever seen or can see. To him be honor and eternal dominion. Amen."

Tradução:

"...pelo bendito e único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, que sozinho tem imortalidade e habita em luz inacessível, o que nenhum homem tem visto ou pode ver..."

 

Interlinear Greek New Testament:

"thrhsai se {THAT THOU KEEP} thn {THE} entolhn {COMMANDMENT} aspilon {SPOTLESS,} anepilhpton {IRREPROACHABLE,} mecri {UNTIL} thv {THE} epifaneiav tou {APPEARING} kuriou {OF LORD} hmwn {OUR} ihsou {JESUS} cristou {CHRIST;}

hn {WHICH} kairoiv idioiv {IN ITS OWN TIMES} deixei {SHALL SHEW} o {THE} makariov {BLESSED} kai {AND} monov {ONLY} dunasthv {RULER,} o {THE} basileuv {KING} twn {OF THOSE} basileuontwn {BEING KINGS} kai {AND} kuriov {LORD} twn {OF THOSE} kurieuontwn {BEING LORDS;} o {WHO} monov {ALONE} ecwn {HAS} ayanasian {IMMORTALITY,} fwv {IN LIGHT} oikwn {DWELLING} aprositon {UNAPPROACHABLE,} on {WHOM} eiden {DID SEE} oudeiv {NO ONE} anyrwpwn {OF MEN} oude {NOR} idein {TO SEE} dunatai {IS ABLE;} w {TO WHOM} timh {HONOUR,} kai {AND} kratov {MIGHT} aiwnion {ETERNAL.} amhn {AMEN.}"

Tradução:

"...o bendito e único Soberano, o Rei daqueles que são reis e Senhor daqueles que são senhores, o qual tem unicamente a imortalidade habitando em luz inascesível, o qual nenhum dos homens é capaz de ver..."

 

1909 Reina Valera:

" Que guardes el mandamiento sin mácula ni reprensión, hasta la aparición de nuestro Señor Jesucristo: La cual á su tiempo mostrará el Bienaventurado y solo Poderoso, Rey de reyes, y Señor de señores; Quien sólo tiene inmortalidad, que habita en luz inaccesible; á quien ninguno de los hombres ha visto ni puede ver: al cual sea la honra y el imperio sempiterno. Amén."

Tradução:

"...o  bendito e único Poderoso, Rei dos reis e Senhor dos senhores; o único que tem imortalidade, que habita em luz inacessível e quem nenhum homem viu nem pode ver..."

Podemos perceber que, apesar de haverem algumas variações, todas as versões apontam como único Soberano "Aquele que habita na luz inacessível" - o Pai. Sendo assim, consideramos como verdade absoluta da Palavra de Deus que o único Soberano é Deus, o Pai. Precisamos então encontrar qual é a tradução do texto de Judas 4 que se harmoniza com esta verdade. Repetimos abaixo esta passagem na Versão Almeida, e a comparamos com a versão de 1769:

"Pois certos indivíduos se introduziram com dissimulação, os quais, desde muito, foram antecipadamente pronunciados para esta condenação, homens ímpios, que transformam em libertinagem a graça de nosso Deus e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo." Judas 4 (Versão Almeida Revista e Atualizada)

 

1769 Authorised Version:

"For there are certain men crept in unawares, who were before of old ordained to this condemnation, ungodly men, turning the grace of our God into lasciviousness, and denying the only Lord God, and our Lord Jesus Christ." (1769 Autorized Version)

Tradução:

"Porque existem certos homens (crept in anawares), os quais foram antes de muito ordenados para esta condenação, homens ímpios, mudando a graça de nosso Deus em lascívia, e negando o único Senhor Deus, e nosso Senhor Jesus Cristo." Judas 4

 

Verificamos que o texto da versão "1769 Authorised Version" se harmoniza com a verdade absoluta de que Deus, o Pai, é o único Soberano. Portanto, adotamos este texto como verdadeiro, desprezando o texto apresentado da Almeida, por colocar a Bíblia em contradição (não podem haver dois "único Soberano" - único é apenas um).

 

O Alfa e o Omega – Apoc. 1:8

Em geral, defende-se na cristandade o conceito de ser Cristo hoje também o Deus Todo Poderoso, por considerar o texto de Apocalipse 1:8 como referindo-se a Ele:

" Eu sou o Alfa e Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso." Apoc. 1:8

Como consideramos Jesus como sendo o Alfa e o Ômega, atribuímos esta passagem como referindo-se a Ele.  Todavia, convém notar que a expressão "o Todo Poderoso" é aplicada somente referindo-se ao Pai. Em Apocalipse 4:8, notamos os anjos se prostrando diante do Pai, que se assenta no trono, e dizendo:

"Imediatamente, eu me achei em espírito, e eis armado no céu um trono, e, no trono, alguém sentado...Do trono saem relâmpagos, vozes e trovões, e, diante do trono, ardem sete tochas de fogo, que são os sete Espíritos de Deus....E os quatro seres viventes, tendo cada um deles, respectivamente, seis asas, estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso, nem de dia nem de noite, proclamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir."          Apocalipse 4:2, 5, 8

Percebam que os anjos adoram ao que está sentado no trono - este é o Pai. Perceba ainda que eles fazem, relativa ao Pai, a mesma descrição que encontramos em Apoc. 1:8: "aquele que era, que é e que há de vir". O Cordeiro, Cristo, aparece mais tarde na visão de João, como estando em pé no meio do trono e tomando o livro da mão direita dAquele que está no meio do trono (o Pai):

"Vi, na mão direita daquele que estava sentado no trono, um livro escrito por dentro e por fora, de todo selado com sete selos....Então, vi, no meio do trono e dos quatro seres viventes e entre os anciãos, de pé, um Cordeiro como tendo sido morto. Ele tinha sete chifres, bem como sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus enviados por toda a terra. Veio, pois, e tomou o livro da mão direita daquele que estava sentado no trono;" Apocalipse 5:1, 6, 7

Ademais, o termo "aquele que é, que era e que há de vir", demonstra uma existência eterna, e esta somente pode ser atribuída ao Pai, uma vez que Cristo já morreu (portanto, deixou de existir, ainda que apenas por alguns dias, quando esteve na tumba). A Bíblia também reforça este entendimento quando refere-se ao Pai, dizendo que Ele é Deus de "eternidade em eternidade":

    "Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus." Salmos 90:2 (ênfase suprida)

E, referindo-se ao Filho, a Palavra de Deus o aponta como tendo origem na eternidade, e não como sendo Deus durante a eternidade:

"E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade." Miquéias 5:2 (ênfase suprida)

 

Aprouve a Deus que NEle residisse a plenitude – Col. 1:19 e 2:18

Os textos de Colossenses 1:19 e 2:8 são apontados como sendo uns dos mais conclusivos para provar que Cristo é hoje Deus no mais alto sentido. Foram escritos pelo Paulo quando Cristo já havia ascendido ao Céu e subsistia no mesmo estado em que subsiste hoje. Na versão Almeida Revista e Atualizada, lemos, falando de Cristo:

"Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo; porquanto, nEle, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade." Colossenses 2:8, 9 (Almeida Revista e Atualizada)

"porque aprouve a Deus que, nEle, residisse toda a plenitude" Colossenses 1:19

Se consideramos que a Palavra de Deus é assim, exatamente como nos apresentam estes dois textos da versão Almeida acima, temos que admitir que a Palavra de Deus está em contradição. Isto porque, lendo os dois textos na ordem que são apresentados acima, teríamos a seguinte conclusão, extraída da Palavra de Deus:  "nEle (em Cristo), habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade"..."porque aprouve a Deus que, nEle, residisse toda a plenitude". Ponto final, sem apelação. Todavia, tal entendimento está em confronto com a Palavra de Deus, ainda que a princípio possa não parecer. Colocando-nos como pesquisadores honestos e imparciais, somos forçados a admitir que a conclusão: "em Cristo habita a plenitude da Divindade", é ao menos semelhante, quando não igual à: "Cristo é Deus como o Pai, porque nEle reside a plenitude da Divindade assim como no Pai". Teríamos então a conclusão, com base nestes textos de Colossenses, de que a Escritura estaria nos revelando dois deuses, duas pessoas distintas, o que contradiz diretamente o claro testemunho bíblico obtido como verdade absoluta confirmada por todas as traduções da Palavra de Deus, de que "há um só Deus, o Pai". Assim, antes de assumir os textos de Colossenses apresentados acima segundo a tradução Almeida como verdade absoluta, comparemo-los com outras traduções. Analisamos primeiramente Colossenses 1:19:

"porque aprouve a Deus que, nEle, residisse toda a plenitude" Colossenses 1:19

Comparando o texto acima com outras versões:

 

1898's Young's Literal Translation:

"because in him it did please all the fulness to tabernacle"

Tradução:

"porque nEle agradou toda a plenitude de habitar"

 

1889 Darby Translation:

    "for in him all the fulness of the Godhead was pleased to dwell,"

Tradução:

"porque nEle toda a plenitude da Divindade se agradou de habitar,"

As duas traduções apresentadas acima, em contraste com a tradução Almeida são inclusive mais fiéis ao original bíblico, segundo os comentaristas (ver Comentário Bíblico Adventista, Vol. 7, pág. 198). Citamos abaixo o texto do comentário:

"Agradou ao Pai. As palavras "ao Pai" estão incluídas, posto que a evidência textual estabelece (cf. p. 10) sua omissão. O grego sugere a tradução "a plenitude se comprazeu em habitar nEle", que resulta difícil de interpretar. Nesta construção, a "plenitude" parece ser o sujeito no verso 20, portanto, é possível que também tacitamente o seja no verso 19." Comentário Bíblico Adventista, Vol. 7, pág. 198

Como você pode ler, até mesmo o Comentário Bíblico afirma que o grego sugere como tradução correta a tradução que apresentamos nas versões "1888 Darby Translation" e "1898's Young's Literal Translation", acima: "porque nEle agradou toda a plenitude de habitar". Quem é esta plenitude? O próprio comentário afirma ser Deus, o Pai. Ao lermos o verso 20, conforme sugere o comentário, poderíamos comprovar isto. Para tanto, citamos novamente a tradução "1888 Young's Literal Translation", incluindo os versos 19 e 20:

 

1898 Young's Literal Translation:

"because in him it did please all the fulness to tabernacle, and through him to reconcile the all things to himself--having made peace through the blood of his cross--through him, whether the things upon the earth, whether the things in the heavens." Colossenses 1:19, 20

"porque nEle agradou toda a plenitude de habitar, e através dEle reconciliar todas as coisas conSigo mesma..."

Quem estava reconciliando os homens conSigo através de Cristo, e que é denominado "plenitude" no verso acima? O Pai, conforme a Palavra de Deus nos revela:

" a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo..." II Coríntios 5:19 (grifos acrescentados)

Considerando o texto de Colossenses 1:19 conforme a tradução "1898 Young's Literal Translation" mostrado acima, verificamos que este se harmoniza com a verdade absoluta da Palavra de Deus de que "há um só Deus, o Pai". Isto porque, ao dizer que agradou ao Pai (chamando-o de plenitude) habitar em Cristo, o texto nos dá a entender não que Cristo passou a ser Deus como o Pai, e sim que o Pai habitou nEle. Esta verdade Cristo mesmo afirmou quando estava na Terra:

"Não crês que Eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras. Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim; crede ao menos por causa das mesmas obras." João 14:10

Como estava o Pai em Cristo quando em Sua peregrinação na Terra? A Palavra de Deus nos revela que o Espírito do Pai pousou sobre Jesus:

"E João testemunhou, dizendo: Vi o Espírito descer do céu como pomba e pousar sobre Ele. Eu não o conhecia; aquele, porém, que me enviou a batizar com {com; ou em} água me disse: Aquele sobre quem vires descer e pousar o Espírito, esse é o que batiza com {com; ou em} o Espírito Santo. Pois eu, de fato, vi e tenho testificado que ele é o Filho de Deus." João 1:32-34 (ênfase suprida)

Sabemos que Jesus, quando estava na Terra, tinha um corpo de carne e ossos como nós, pois a Palavra de Deus afirma: "o Verbo se fez carne" (Jo. 1:14; ver também Heb 2:14). Assim, o Espírito do Pai habitou nEle da mesma forma em que habita em qualquer ser humano. E a Palavra de Deus assim o revela:

"Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?"                                 I Coríntios 6:19 (ênfase suprida)

O Pai habitava no Filho, quando estava na Terra, através de Seu Espírito. Como? O ungiu com Ele, e isto é demonstrado claramente por ocasião do Seu batismo. O próprio nome "Cristo", é a tradução do termo hebraico "Messias"; e ambos os termos significam "ungido", segundo aclara o comentário da Bíblia Versão “Almeida Revista e Atualizada”, referente a João 1:41 (nota). Ou seja, Deus habitava em Jesus através do Seu Espírito. A "unção" representava o derramamento do Espírito Santo.  A Palavra de Deus declara que Jesus, quando esteve na Terra, foi ungido por Deus:

" como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele;" Atos 10:38

No serviço típico do santuário de Israel, o Sumo Sacerdote, antes de começar a oficiar, precisava ser "ungido":

"Quem for ungido e consagrado para oficiar como sacerdote no lugar de seu pai fará a expiação, havendo posto as vestes de linho, as vestes santas;" Levítico 16:32

O Sumo Sacerdote do povo de Israel era uma figura de Cristo, apontado pelas próprias profecias como o "ungido" (Sal. 2:2; Dan. 9:25, 26). Da mesma forma que o sacerdote terrestre, um ser humano, era ungido para trabalhar como mediador diante do povo e por ele fazer expiação, Jesus, após consumar Sua obra na terra depondo Sua vida na cruz, foi ressuscitado pelo Pai e, tendo ascendido ao Céu, foi ungido como Sumo Sacerdote para ser um mediador dos homens - como homem, conforme a Palavra de Deus o afirma:

"Porque todo sumo sacerdote, sendo tomado dentre os homens, é constituído nas coisas concernentes a Deus...Ninguém, pois, toma esta honra para si mesmo, senão quando chamado por Deus, como aconteceu com Arão. Assim, também Cristo a Si mesmo não se glorificou para se tornar Sumo Sacerdote, mas O glorificou aquele que Lhe disse: Tu és meu Filho, Eu hoje Te gerei; como em outro lugar também diz: Tu és Sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque." Hebreus 5:5, 6

"Ora, o essencial das coisas que temos dito é que possuímos tal Sumo Sacerdote, que se assentou à destra do trono da Majestade nos céus,  como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem." Hebreus 8:1, 2

" Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem" I Timóteo 2:5

O texto acima é enfático em dizer que Jesus é homem. Refletiria ele a Palavra de Deus para nós hoje? Não haverá nele algum erro de tradução? Vimos até aqui que Jesus não pode hoje ser Deus, pois isto contrariaria a verdade absoluta expressa na Palavra de que "há um só Deus, o Pai". Todavia, como seria Jesus somente homem, conforme escrito no texto de I Timóte 2:5 da Versão Almeida Revista e Atualizada, que acabamos de ler? Para confirmarmos, vamos expor abaixo as outras versões que estão sendo utilizadas nesta pesquisa. Caso todas as versões sejam unânimes dando o testemunho de que Cristo Jesus é hoje homem, teremos como verdade absoluta, proveniente da Palavra de Deus, de que Cristo Jesus é de fato homem hoje:

 

1881 American Standard Version:

"For there is one God, one mediator also between God and men, himself man, Christ Jesus

Tradução:

"porque há um só Deus, um mediador também entre Deus e os homens, Ele mesmo, o homem Cristo Jesus"

 

1769 Authorised Version:

    "For there is one God, and one mediator between God and men, the man Christ Jesus;"

Tradução:

"Porque há um Deus, e um mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus"

 

1947 Revised Standard Version:

     "For there is one God, and there is one mediator between God and men, the man Christ Jesus,"

Tradução:

"Porque há um Deus, e há um mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus"

 

Interlinear Greek New Testament:

  "eiv gar {FOR ONE} yeov {GOD IS,} eiv kai {AND ONE} mesithv {THE MEDIATOR} yeou {OF GOD} kai {AND} anyrwpwn {MEN,} anyrwpov {THE MAN} cristov {CHRIST} ihsouv {JESUS,}"

Tradução:

"Porque há um Deus, e um sendo o mediador entre Deus e homens, o homem Cristo Jesus"

 

Reina valera 1909:

"Porque hay un Dios, asimismo un mediador entre Dios y los hombres, Jesucristo hombre"

    Tradução:

     "Porque há um Deus, assim mesmo um mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem"

 

    1889 Darby translation:

    "For God is one, and the mediator of God and men one, the man Christ Jesus,"

Tradução:

"Porque Deus é um, e o mediador de Deus e homens um, o homem Cristo Jesus"

 

SEV - Las 1569 Sagradas Escrituras:

   "Porque hay un solo Dios, asimismo un solo Mediador entre Dios y los hombres, el hombre Cristo Jesús,"

Tradução:

"Porque há um só Deus, assim mesmo um só Mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus"

 

1833 - Webster Bible:

  "For there is one God, and one mediator between God and men, the man Christ Jesus;"

Tradução:

"Porque há um Deus, e um mediador entre Deus e homens, o homem Cristo Jesus"

 

Como podemos observar, todos os textos acima nos apresentam a mesma verdade central: "há um só Mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus". Temos portanto, isto estabelecido como verdade absoluta da Palavra de Deus, que nosso atual Mediador nos céus é Cristo Jesus, e que Ele é um homem. Que Cristo ainda atua hoje como nosso Mediador no Céu, é evidente por outras passagens da Palavra de Deus (Heb. 8:6; 9:15, 12:24). Citamos uma:

" Por isso mesmo, Ele é o Mediador da nova aliança, a fim de que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia sob a primeira aliança, recebam a promessa da eterna herança aqueles que têm sido chamados." Hebreus 9:15 (grifo acrescentado)

Como vemos pelo exposdto acima, a própria promessa de herança eterna, vida eterna, nos é assegurada pela Mediação de Cristo Jesus hoje. E se hoje Ele ainda é o Mediador entre nós, os homens, e Deus, Ele é ainda homem, porque a verdade absoluta da Palavra de Deus, confirmada pelo testemunho unânime de todas as traduções, é de que "há um Mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus".

 

Nele habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade

Dos textos de Colossenses, resta-nos ainda analisar o verso 8 do capítulo 2:

"porquanto, nEle, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade." Colossenses 2:9 (Almeida Revista e Atualizada)

Esta passagem, conforme apresentada no texto na versão Almeida acima, nos leva a entender, como já comentamos no ítem anterior, que em Cristo toda a plenitude dos atributos de Deus reside corporalmente. Sendo honestos conosco mesmos, concordamos que tal afirmação equivaleria a dizer que Cristo é Deus, pois tem todos os atrabutos de Deus. Todavia, Tal conclusão contraria a verdade absoluta da Palavra de Deus: "há um só Deus o Pai", colocando a Palavra de Deus em contradição. Vamos buscar uma versão que nos traga uma tradução que se harmonize com a verdade absoluta: "há um só Deus, o Pai". Apresentamos a versão abaixo, para nos auxiliar no entendimento da verdade:

 

1912 Weymouth New Testament:

    "For it is in Christ that the fulness of God's nature dwells embodied, and in Him you are made complete," Colossenses 2:9

Tradução:

"Porque é em Cristo que a plenitude da natureza de Deus reside incorporada, e nEle vocês são feitos completos"

O texto acima, embora possa parecer um pouco confuso, é por demais esclarecedor. Afirma que a plenitude da natureza de Deus reside incorporada em Cristo. O que entendemos desta afirmação? Obviamente, não entendemos que o Pai vive corporalmente dentro do Filho; pois se assim o crêssemos estaríamos reduzindo o Deus Pai, o único Deus a uma essência sem forma que precisa de um corpo de outro ser para habitar. Este é um conceito espírita, anti-bíblico e nós o rejeitamos. A Palavra de Deus é enfática em mostrar que o Pai tem um corpo por si só (Dan. 7:9, At. 7:55, 56; Ap. 5:1, 6, 7 etc.). Estevão, por ocasião do seu martírio, viu Jesus à direita de Deus:

"Mas Estêvão, cheio do Espírito Santo, fitou os olhos no céu e viu a glória de Deus e Jesus, que estava à sua direita," Atos 7:55

Entendemos a afirmação do texto de Colossenses: "é em Cristo que a plenitude da natureza de Deus reside incorporada" como significando que é em Cristo que tudo o que o Pai é, é revelado. Falando sobre o Pai, a Palavra de Deus declara que Ele é amor - esta é a Sua natureza:

"Aquele que não ama, não conhece a Deus, pois Deus é amor." I João 4:8

"Deus é amor, e aquele que permanece no amor, permanece em Deus, e Deus nele" I João 4:16

E esta mesma Palavra, afirma que o Pai deu a conhecer Sua essência, o que Ele é (amor), pelo Seu Filho:

"Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o Seu Filho Unigênito ao mundo, para vivermos por meio dEle" I João 4:9.

E Jesus mesmo disse que revelou o amor do Pai a nós:

"Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado...Pai justo, o mundo não te conheceu; Eu, porém, te conheci, e também estes compreenderam que Tu me enviaste. Eu lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei conhecer" João 17:22, 25, 26

Moisés, quando pediu para ver a glória de Deus, recebeu como resposta: "farei passar toda a Minha bondade diante de ti" Êxodo 33:19. Desta maneira Deus revelou sua glória a Moisés. E Cristo revelou toda a bondade do Pai quando esteve na Terra, pois Seu caráter refletia plenamente a bondade do Pai. A própria profecia da Palavra de Deus descrevia como sendo Sua missão revelar o caráter de bondade do Pai - este era o objetivo do Pai ao ungí-lo para o ministério terrestre - veja:

"Então, Jesus, no poder do Espírito, regressou para a Galiléia, e a sua fama correu por toda a circunvizinhança. ... Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler. Então, lhe deram o livro do profeta Isaías, e, abrindo o livro, achou o lugar onde estava escrito:

O Espírito do Senhor está sobre Mim, pelo que Me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor. Tendo fechado o livro, devolveu-o ao assistente e sentou-se; e todos na sinagoga tinham os olhos fitos nele. Então, passou Jesus a dizer-lhes: Hoje, se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir." Lucas 4:14-21

E Jesus, quando estava na Terra, disse:

"Quem Me vê a Mim vê o Pai" João 14:9

Obviamente, Jesus não estava se referindo ao fato de que quem O visse como ser humano veria a forma (substância constituinte) do Pai, pois Ele mesmo estava subsistindo em carne na Terra, e o Pai não possui um corpo de carne. Jesus se referia ao caráter, à glória, que é a bondade do Pai. Quem olhasse para Ele via a bondade do Pai. Era neste sentido que a frase "quem vê a Mim, vê o Pai" era verdadeira. E é neste mesmo sentido que a frase "é em Cristo que a plenitude da natureza de Deus reside incorporada" de Colossenses 2:9 é verdadeira, pois, como vimos, é verdade absoluta da Palavra de Deus de que Jesus subsiste ainda hoje na forma (corpo) de carne, e Deus não tem um corpo de carne. Entendemos portanto a Palavra de Deus na passagem de Colossenses 2:9 como sendo "é em Cristo que a plenitude da bondade do caráter de Deus reside incorporada", e este entendimento está em plena harmonia com as verdades absolutas da Palavra de Deus, confirmadas pelas positivas afirmações de todas as versões pesquisas de que "há um só Deus, o Pai, e um só Mediador entre Deus e os homens - o homem Cristo Jesus".

 

Todas as coisas nEle subsistem:

Lemos em Colossenses 1:17, o seguinte:

     "Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele." Colossenses 1:17 (Almeida Revista e Atualizada)

Os que desejam, podem pesquisar este texto em todas as versões disponíveis, e encontrarão apenas pequenas variações que de maneira alguma ferem o sentido dado pelo entendimento explicitado do texto da versão Almeida apresentado acima. Lendo este verso, entendemos: "todas as coisas são mantidas por intermédio dEle". Sabendo ser a verdade absoluta da Palavra de Deus que Cristo é homem hoje, como já estudamos, precisamos responder a pergunta nos vem à mente através da leitura deste texto: "podem todos os mundos do Universo, ou seja, tudo, ser mantido por meio de um homem, posto que Cristo é hoje homem?". A resposta, segundo a Palavra de Deus é: sim. Como? Jesus recebeu uma dotação ilimitada do Espírito de Deus. A Palavra de Deus afirma claramente que Ele foi ungido com uma porção do Espírito de Deus superior à que qualquer outro tenha sido ungido. Falando de Jesus, ela declara:

"Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso, Deus, o Teu Deus, Te ungiu com o óleo de alegria como a nenhum dos Teus companheiros." Hebreus 1:9 (ênfase suprida; grifos acrescentados)

Jesus disse que poder tal que tornaria o homem capaz de mesmo dominar os elementos da natureza estaria disponível ao homem de fé. Disse mais; que nada seria impossível ao homem de fé:

"E Ele lhes respondeu: Por causa da pequenez da vossa fé. Pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele passará. Nada vos será impossível." Mateus 17:20 (ênfase suprida)

A mensagem do texto acima da Palavra de Deus para nós, homens, é: "se tiverdes fé", "nada vos será impossível". Jesus era homem como nós; mas tinha muita fé, em verdade tinha toda a fé que um ser humano pode possuir. Assim, para Ele, nada era impossível, pois toda a dotação do Espírito Santo proveniente do Pai estava à Sua disposição. Ora, se nada Lhe era impossível, por ser Ele um homem de fé, quando Ele vivia entre nós na Terra, que dirá de quando foi ressuscitado, ascendeu ao Pai e disse aos Seus discípulos:

        "É-Me dado todo o poder no céu e na terra." Mateus 28:20

Sim, tudo é possível hoje para Jesus, mas não por ser Ele um homem diferente de nós em qualquer particular. O poder que O torna capaz de manter todos os mundos e fazer tudo subsistir, é-Lhe concedido pelo Pai, e este mesmo poder está a nossa disposição se formos homens e mulheres de fé na Terra. Jesus nos disse que, se tivermos fé, "nada vos será impossível". Em face de tão gloriosa promessa, é literalmente impossível acreditar que o homem não possa cumprir perfeitamente a lei de Deus, como tão amplamente o tem pregado a teologia popular católica e evangélica.

Quando Jesus estava na Terra, tinha, por ser um homem de fé, todo o poder que fosse necessário para fazer as obras de Deus, enquanto fosse obediente à Sua Palavra, porque a verdadeira fé baseia-se nas promessas da Palavra de Deus. Jesus vivia de toda a Palavra que sai da boca de Deus, conforme o disse a Satanás (Mat. 4:4); por isso tinha todo o poder à Sua disposição. No entanto, exatamente por viver de toda a Palavra que procede de Deus, usava este poder apenas para cumprir a vontade do Pai. Era então verdade que o Pai operava as Suas obras através de Seu Filho obediente, como Jesus mesmo o disse:

"Não crês que Eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que Eu vos digo não as digo por Mim mesmo; mas o Pai, que permanece em Mim, faz as suas obras." João 14:10 (ênfase suprida)

Jesus era homem, e não tinha poder inerente a Si mesmo para operar nenhuma obra; todo o poder que Ele possuía provinha do Pai, que por intermédio dEle operava as Suas obras. O mesmo se deu quando ascendeu ao Céu e se tornou nosso Sumo Sacerdote. Foi ungido com óleo por Deus "mais do que todos os Seus companheiros". Através dEle, por cumprir Ele perfeitamente a vontade do Pai, tudo subsiste. Embora tudo subsista por meio dEle, o poder que opera mantendo o Universo através dEle é o poder de Deus, o Pai. Isto a Palavra de Deus nos revela claramente. O apóstolo Paulo, referindo-se a Deus o Pai, diz que nEle nós vivemos, nos movemos e existimos:

"para buscarem a Deus se, porventura, tateando, o possam achar, bem que não está longe de cada um de nós; pois nEle vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos poetas têm dito: Porque dele também somos geração....Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam; porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um Varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-O dentre os mortos." Atos 17:27, 28, 30, 31

Assim, ao lermos o texto de Colossenses quando, referindo-se a Jesus, afirma que todas as coisas subsistem “por Ele”, entendemos este exatamente em seu sentido explícito. As coisas subsistem finalmente pelo poder do Pai, “no qual” nós nos movemos e existimos, “por intermédio do Filho”, Jesus Cristo.

 

É Deus quem julga – João 5:22 / Sal. 50:6

“porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um Varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-O” Atos 17: 31

Ao lermos o texto de Atos 17: 31 apresentado na seção anterior, observamos que a Palavra afirma que "Deus", obviamente referindo-se ao Pai, o único Deus, "vai julgar o mundo com justiça", "por meio de um varão que destinou", Jesus, ressuscitando-O dentre os mortos. Perceba que Jesus novamente é apresentado como um agente utilizado pelo Pai. O texto afirma que Deus irá julgar o mundo "por meio de Jesus". Isto destrói outro argumento que comumente era utilizado para se provar que Jesus é Deus hoje. A Bíblia afirma, no livro de Salmos, que "é Deus quem julga":

    "Os céus anunciam a Sua justiça, porque é o próprio Deus que julga." Salmos 50:6 (ênfase suprida)

Alguns, considerando o texto acima, apresentam as palavras de Jesus: "E o Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo julgamento," João 5:22. Concluem portanto que, se Jesus diz que o Pai confiou todo o julgamento ao Filho e é Deus quem julga, Cristo é Deus hoje. Todavia, esta conclusão não leva em consideração a verdade de Atos 17:30, 31, na qual a Palavra de Deus afirma que Deus vai julgar o mundo por meio de Seu Filho:

"porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um Varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-O dentre os mortos." Atos 17:31 (ênfase suprida)

É desta forma que Ele confia ao Filho todo o julgamento. Assim, torna-se claro e evidente que o Deus que julga, citado em Salmos 50:6, é o Pai, o único Deus revelado a nós hoje segundo a Palavra de Deus.

 

 

Mas não disse Jesus: “Eu e o Pai somos um”?

É verdade que Jesus disse “Eu e o Pai somos um” João 10:30. Todavia, precisamos saber em que sentido Ele disse que Ele e Seu Pai eram “um”. Na Palavra de Deus encontramos a resposta. Jesus fez um comparativo, com os discípulos, pedindo ao Pai que todos os discípulos fossem “um” assim como Ele e o Pai eram um:

“Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado, para que sejam um, como nós o somos” João 17: 22

Obviamente, Jesus não pedia para que todos os discípulos se fundissem em um só corpo e se tornassem “um discípulo”. Tampouco pediu ao Pai para que todos fossem iguais, exatamente com as mesmas capacidades e dons. O discípulo Lucas era médico e André era pescador. A Palavra de Deus não nos diz em nenhum momento que, após a oração de Jesus, André tenha se tornado médico ou Lucas tenha se convertido em um bom pescador. E embora mais tarde tenham todos recebido o Espírito, a Palavra de Deus afirma que o Espírito concede dons diferentes a cada um:

“Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o mesmo” I Cor. 12:4 (ênfase suprida)

Em verdade, Jesus pediu em Sua oração para que os discípulos tivessem um só propósito, como Ele e o Pai tinham um só propósito. Que Jesus e o Pai tinham um só propósito é evidente de outras passagens da Escritura (Heb. 10:7, 9; Sal. 40:8; Jo. 8:29). Citamos João 4:34:


”Disse-lhes Jesus: A minha comida consiste em fazer a vontade dAquele que Me enviou e realizar a Sua obra.” João 4:43

E foi nesse sentido, de ter um só propósito, que a oração de Jesus para que os discípulos fossem “um” como Ele e o Pai eram “um” foi cumprida. Falando da união dos discípulos, a Palavra de Deus nos diz:

“Todos estes perseveravam unânimes em oração, com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele.” Atos 1:14 (ênfase suprida)

“Diariamente perseveravam unânimes no templo...” Atos 2:46  (ênfase suprida)

A oração de Jesus foi cumprida em relação aos discípulos quando eles perseveravam unânimes, com um mesmo propósito de servir a Deus e proclamar o evangelho.

É também evidente que Jesus não disse que Ele e o Pai eram um no sentido de serem exatamente iguais em natureza, pelo fato de que Jesus, quando disse tais palavras, era um homem de carne e ossos (Jo. 1:14), e Deus era “Espírito” (Jo. 4:24). Ora, um corpo de Espírito é diferente de um corpo de carne, como Jesus mesmo disse:

Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: Paz seja convosco! Eles, porém, surpresos e atemorizados, acreditavam estarem vendo um espírito. Mas Ele lhes disse: Por que estais perturbados? E por que sobem dúvidas ao vosso coração? Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e verificai, porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que Eu tenho.” Lucas 24:36-39 (ênfase suprida; grifos acrescentados)

Não se pode nem ainda considerar que Jesus disse “Eu e o Pai somos um” no sentido de terem o mesmo poder, pois Ele mesmo disse que de Si mesmo nada podia fazer, e que Sua própria vida era mantida pelo Pai:

“...Eu vivo pelo Pai” João 6:57 (ênfase suprida)

“...o Filho nada pode fazer de Si mesmo...” João 5:19

“Eu nada posso fazer de Mim mesmo...” João 5:30

      “...mas o Pai, que permanece em Mim, faz as Suas obras” João 14:10

Varões israelitas, atendei a estas palavras: Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós com milagres, prodígios e sinais, os quais o próprio Deus realizou por intermédio dEle entre vós, como vós mesmos sabeis; Atos 2:22

 

O reconhecimento de Tomé - João 20:28

 

      "E logo disse a Tomé: Põe aqui o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente.

   Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!" João 20:27, 28 (grifo acrescentado)

No texto acima, lemos o relato de uma exclamação de Tomé ao ver Jesus ressuscitado. Havia ele duvidado e se recusado a crer no relato dos discípulos de que Jesus havia ressuscitado. É simples então compreender que a declaração de Tomé, o discípulo incrédulo, não pode ser considerada como expressando uma verdade que devêssemos crer. Jesus mesmo, ao aparecer para Ele disse: "não sejas incrédulo, mas crente". Ora, a declaração de um incrédulo não pode ser considerada como base para apoiar a crença de ninguém que realmente deseje ser salvo. A Bíblia também não relata que qualquer dos outros discípulos houvesse repetido ou ao menos concordado com a declaração de Tomé. Esta declaração é semelhante a uma que poderia fazer um católico de hoje, caso estivesse em lugar de Tomé: "Virgem Maria, mãe de Deus!". Ora, isto passaria a ser verdade quando tal exclamação fosse feita em presença de Jesus? Obviamente não. Muito provavelmente, Jesus nem sequer reprovaria o católico naquele momento, como não o fez com Tomé, pois Jesus aceita o homem que vive segundo a luz que tem.

 

Os títulos de Jesus na Terra - Mat. 1:23; Isa. 9:6

Jesus, nas Escrituras, possui muitos títulos, mas as profecias que apontavam Sua encarnação nos apresentam ao menos dois que consideramos dignos de destaque, pois, uma vez mal interpretados, podem levar o leitor descuidado a supor a existência de mais de um Deus, o Pai, o que faria com que a Palavra de Deus estivesse em contradição. Os textos são "Mat. 1:23 e Isa. 9:6". Vamos analisá-los abaixo:

 

1) Mateus 1:23

"Eis que a virgem conceberá e dará à luz um Filho, e Ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco)." Mateus 1:23

Em verdade, para o pesquisador sincero, este texto não deve trazer dificuldades. Isto porque o texto é explicito em afirmar que "Emanuel" é o "nome" pelo qual seria chamado o homem Jesus quando estivesse na Terra. Alguém ainda poderia raciocinar que, se Jesus tinha o nome de Deus, então era Deus quando estava aqui na Terra. Todavia, tal conclusão carece de amparo bíblico. Primeiro, porque contraria a verdade absoluta da Palavra de Deus de que "há um só Deus, o Pai". Segundo, porque em outro lugar da Escritura, o próprio Moisés, um homem criado, com pai e mãe humanos, exatamente iguais a nós, foi constituído como "Deus":

"Então, se acendeu a ira do SENHOR contra Moisés, e disse: Não é Arão, o levita, teu irmão? Eu sei que ele fala fluentemente; e eis que ele sai ao teu encontro e, vendo-te, se alegrará em seu coração. Tu, pois, lhe falarás e lhe porás na boca as palavras; eu serei com a tua boca e com a dele e vos ensinarei o que deveis fazer. Ele falará por ti ao povo; ele te será por boca, e tu lhe serás por Deus." Êxodo 4:14-16

   "Então, disse o SENHOR a Moisés: Vê que te constituí como Deus sobre Faraó, e Arão, teu irmão, será teu profeta. Tu falarás tudo o que Eu te ordenar; e Arão, teu irmão, falará a Faraó" Êxodo 7:1, 2

Vemos pelo relato bíblico acima que o Senhor disse a Moisés que ele seria a Arão por "Deus", e sobre Faraó. Isto fez dele um Deus? De maneira nenhuma; a Palavra de Deus declara expressamente que ele morreu alguns anos depois como homem:

"Assim, morreu ali Moisés, servo do SENHOR, na terra de Moabe, segundo a palavra do SENHOR." Deuteronômio 34:5 (grifos acrescentados)

Ora, houvesse Moisés se tornado um Deus pelo fato de que, em algum momento, o Senhor ter-lhe dito que seria colocado por Deus para Arão e Faraó, e não teria morrido, pois Deus é imortal. Todavia, Moisés morreu. Conclui-se portanto que ele não se tornou "Deus", embora o Senhor em algum momento houvesse dito que ele seria por "Deus". A denominação "Deus" aplicada a ele, não o fez Deus. E por que, então, Deus disse a Moisés que o constituiria como "Deus" sobre Faraó? O próprio texto responde:

"te constituí como Deus sobre Faraó...Tu falarás tudo o que Eu te ordenar" Êxodo 7:1, 2.

Moisés embora nunca houvesse deixado de ser um ser humano, seria constituído como "Deus" sobre Faraó porque falaria as palavras que Ele, Deus, ordenasse. E Deus, profetizando a respeito de Jesus, disse a Moisés que suscitaria um profeta semelhante a Ele - veja:

   "Suscitar-lhes-ei um profeta do meio de seus irmãos, semelhante a ti, em cuja boca porei as minhas palavras, e Ele lhes falará tudo o que Eu lhe ordenar." Deut. 18:18

Veja que em ambos os casos - de Moisés e de Jesus, Deus diz que eles falariam "tudo" o que Ele "ordenasse". Como Moisés, sendo homem, foi colocado por "Deus" diante de Faraó, porque falaria as Suas palavras, assim também Jesus, em carne, como homem (Heb. 2:14), seria colocado por "Deus conosco", porque falaria tudo o que Deus lhe ordenasse. Jesus disse, a respeito de Si mesmo: "eis aqui estou (no rolo do livro está escrito a Meu respeito), para fazer, ó Deus, a Tua vontade." Heb. 10:7. Percebe-se que, se o nome "Deus", foi atribuído a Moisés por falar ele as palavras que Deus ordenava, e isto não fez de Moisés um Deus, o nome atribuído ao homem Jesus Cristo "Deus conosco", também não fez dEle um Deus enquanto vivia na Terra. Obviamente, Jesus, quando na carne, era Filho de Deus além de Filho de Maria, um ser humano; e Moisés era filho de pai e mãe humanos (Êx. 2:1-10; I Cron. 23:13). Nem sequer lemos em qualquer dos evangelhos que Jesus era comumente chamado de "Emanuel" por seus parentes e amigos. Isto nos leva a entender o nome "Emanuel", citado pelo anjo, como significando um título descritivo da missão de Cristo na Terra, que era trazer Deus até nós, e mostrar-nos Seu caráter. Jesus mesmo disse: "quem vê a Mim, vê o Pai" João 14:9.

 

2) Isaías 9:6

"Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz" Isaías 9:6

O mesmo caso do exemplo anterior se aplica à passagem bíblica acima, ainda com maior força. Enquanto no texto de Mat. 1:23 é atribuído um título a Cristo, no texto acima são atribuídos vários títulos a Cristo, não apenas um. Não é difícil perceber, por exemplo, que as expressões "Maravilhoso Conselheiro" e "Príncipe da Paz" são títulos. Um príncipe na terra pode até morar em uma melhor casa e gozar de maiores privilégios e regalias do que um mendigo, mas ambos, príncipe e mendigo, continuam sendo seres humanos. O fato de serem diferentes quanto ao título (um é príncipe e o outro não) não os faz diferentes quanto à natureza. Assim, o fato de serem atribuídos a Cristo, na passagem acima, os títulos "Deus Forte" e "Pai da Eternidade" não faz Cristo diferente no mínimo quanto à natureza. Jesus é “Deus Forte” no sentido de que a força de Deus, o “Espírito Santo”, é nos comunicada por meio dEle. E Jesus é Pai dos filhos que Deus lhe deu, os seres humanos que Ele comprou com o Seu sangue. A Palavra de Deus, referindo-se a Jesus, declara:

“Eis aqui estou Eu e os filhos que Deus me deu.” Heb. 2:13

Para os que creram, Jesus é Pai da Eternidade, pois através do Seu sacrifício é-lhes concedida a vida eterna. Jesus disse:

“As Minhas ovelhas ouvem a Minha voz; Eu as conheço, e elas Me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da Minha mão” João 10:27, 28 (ênfase suprida)

 

Como consideraremos a Jesus Cristo?

A Palavra de Deus nos dá a resposta clara sobre quem devemos nós entender que Cristo é. Na primeira carta de Paulo a Timóteo, este explicou a ele quem era Jesus:

   "Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem" I Timóteo 2:5

A Bíblia nos afirma claramente que O Filho de Deus, Jesus, chamado de "Verbo", "se fez carne" (Jo. 1:14); tornou-se homem exatamente como nós, participando igualmente da carne e sangue, assim como nós temos carne e sangue (Heb. 2:14). Todavia, não encontramos nenhum relato bíblico que afirme ter Jesus voltado a ser Deus após ter sido "feito" carne. Assim, é simples concluirmos que, se a Palavra de Deus não diz que Ele mudou de estado existente (de homem para Deus) após ter encarnado, a verdade é que Ele permaneceu da forma em que se "fez" quando se fez carne - permaneceu na forma de "homem". E Paulo simplesmente comenta esta verdade em sua carta a Timóteo, dizendo que temos a "Cristo Jesus, homem" como Mediador entre Deus e nós no Céu. Esta é a verdade colocada de forma simples, que, espera Deus, aceitemos. Cristo Jesus se uniu à raça humana por laços que não foram partidos. A Bíblia afirma que Ele "não se envergonha" de nos chamar "irmãos" (Heb. 2:11), mostrando que está perfeitamente identificado conosco hoje, possuindo a mesma natureza que nós. Nós não temos a Deus por irmão, e sim a homens. E convinha que assim o fosse, que Cristo Jesus se tornasse um irmão de nossa raça, para como nosso irmão, idenficado com as nossas necessidades e fraquezas, poder fazer propiciação por nossos pecados diante do Pai (Heb. 2:17).

A crença em um Cristo igual ao Pai em poder, glória e soberania hoje, após Sua encarnação e morte da cruz, contraria o ensinamento bíblico de que Aquele que faz hoje mediação por nós, o Filho de Deus, é um homem: "há um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus homem" I Timóteo 2:5. Este ensino, comum na maioria das denominações cristãs atuais, também favorece o credo trinitariano, que afirma que há um Deus composto de três pessoas iguais. Para que este credo seja mantido como verdadeiro, é preciso encontrar amparo bíblico para o ensinamento de que Cristo é hoje igual ao Pai em poder, glória e majestade; e como pudemos verificar, tal amparo não existe na Palavra de Deus.

Uma vez tendo claramente estabelecido pela Palavra de Deus que há um só Deus o Pai, e entendidos os textos que nos dariam a idéia de Jesus ser também "Deus", o que vimos não ser verdade, resta-nos estudar, pela Palavra de Deus, como consideraremos a Cristo - qual é a Sua natureza, posição e obra hoje, a fim de podermos considerá-lo da maneira correta e honrarmos ao nosso Deus e Pai.

 

Sua natureza

Temos como estabelecido até aqui a verdade absoluta da Palavra de Deus de que "há um só Deus, o Pai, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem". Desde que se fez carne, Jesus, o Verbo, que era Deus, passou a ser homem e assim permaneceu até hoje. Sim, Jesus era da substância de Deus e passou a ser de carne e osso, como nós o somos (Heb. 2:14-18; 5:7-9; I Tim. 2:5). Possui hoje um corpo humano glorificado. Verdade é que seu corpo possui mais glória (se assim o podemos dizer) que qualquer outra criatura no Universo, pois foi ungido por Deus com "óleo de alegria" mais "que todos os Seus companheiros" (Heb. 1:9). Isto no que concerne à Sua natureza, à composição do Seu corpo.

 

Sua posição hoje

Jesus Cristo - o Senhor

O mesmo texto que estudamos ao princípio e demonstrou-se ser a ¨verdade absoluta da Palavra de Deus, revelando-nos quantos deuses há, nos revela a verdadeira posição de Cristo, reconhecida pelos apóstolos e que permanece até hoje:

“todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo” I Coríntios 8:6

A verdade absoluta da Palavra de Deus, confirmada pelo testemunho de todas as versões da Bíblia, é que para nós há um Senhor – Jesus Cristo. Esta é a posição de Jesus. A Palavra de Deus afirma que foi o Pai quem O exaltou a esta posição após Seu imenso sacrifício consumado na cruz em favor do ser humano:

“a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.” Filipenses 2:8-11 (ênfase suprida, grifo acrescentado)

Em obediência ao mandado de Deus, os apóstolos confessavam a Jesus, não como Deus, mas como "Senhor":

 

Pedro:

     "Esteja absolutamente certa, pois, toda a casa de Israel de que a este Jesus, que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo." Atos 2:36

" Esta é a palavra que Deus enviou aos filhos de Israel, anunciando-lhes o evangelho da paz, por meio de Jesus Cristo. Este é o Senhor de todos." Atos 10:36

    Decisão dos apóstolos do concílio de Jerusalém:

"homens que têm exposto a vida pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo." Atos 15:26

   

     Paulo:

"Vós bem sabeis como foi que me conduzi entre vós em todo o tempo, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia,...testificando tanto a judeus como a gregos o arrependimento para com Deus e a fé em nosso Senhor Jesus Cristo." Atos 20:17, 21

"  ...e foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos, a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor,...

   A todos os amados de Deus, que estais em Roma, chamados para serdes santos, graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." Romanos 1:4, 7

   " à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso:" I Coríntios 1:2

    "Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor." I Cor. 1:9

 

    Tiago:

   "Meus irmãos, não tenhais a fé em nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas." Tiago 2:1

 

    Judas:

    "Vós, porém, amados, lembrai-vos das palavras anteriormente proferidas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo," Judas 1:17

 

    João:

  "Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente, venho sem demora. Amém! Vem, Senhor Jesus!" Apocalipse 20:20

     "A graça do Senhor Jesus seja com todos." Apocalipse 22:21

 

Deus exaltou a Jesus após o Seu sacrifício. Diz a Palavra que Deus deu um nome a Ele (Senhor), e portanto toda a língua deve confessar que Jesus é “Senhor” para a glória de Deus, o Pai (toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai  - Fip. 2:11). Desta maneira, obedecemos ao evangelho eterno, pois este diz:

“Temei a Deus, e dai-lhe glória...” Apocalipse 14:7

Aprendemos até aqui, pela Palavra de Deus, que devemos temer ao único Deus, o Pai, e dar-lhe glória. Como damos glória a Ele? Confessando que Jesus é Senhor da nossa vida. Note que a declaração de fé de Paulo expressa em I Coríntios 8:6, estava em plena harmonia com o evangelho eterno:

“todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo” I Coríntios 8:6

 

O evangelho eterno - da idolatria à santificação

Como o evangelho é eterno, portando, imutável, exige de nós que tenhamos a mesma fé dos apóstolos, reconhecendo e temendo a Deus o Pai como o único Deus e Soberano do universo, e dando glória ao Pai, confessando a todo o momento que Jesus é o Senhor da nossa vida. Deixamos a adoração a outros deuses diferentes do Pai, e nos convertemos a Cristo. Tal era o resultado que produzia o evangelho eterno quando pregado por Paulo, segundo está escrito:

    "pois eles mesmos, no tocante a nós, proclamam que repercussão teve o nosso ingresso no vosso meio, e como, deixando os ídolos, vos convertestes a Deus, para servirdes o Deus vivo e verdadeiro" I Tessalonicenses 1:9

Posto que o evangelho é eterno, deve hoje operar o mesmo resultado nos que o recebem que operou no passado nos crentes Tessalonicenses. Nos tira da idolatria e nos converte a Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.

“Para nós há um só Deus, o Pai... e um só Senhor, Jesus Cristo”, foi a confissão de Paulo, movido pelo evangelho eterno, e tal deve ser a nossa confissão hoje. Devemos temer a Deus Pai, e Jesus deve ser nosso único Senhor, em lugar do cigarro, da bebida, da carne, da satisfação do apetite pervertido, do orgulho, do amor do eu. Jesus nos ordena a guardar todos os mandamentos da lei de Deus, e se o confessamos como o único Senhor da nossa vida, devemos obedecê-lo guardando os mandamentos. Jesus disse:

     “Se me amais, guardareis os meus mandamentos.” João 14:15

“Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra” Mateus 5:17, 18

Guardando todos os mandamentos da lei de Deus, estaremos confessando de fato que Jesus é nosso Senhor, e glorificando a Deus. Estaremos de fato obedecendo ao evangelho eterno, crendo na Palavra de Deus.

 

Jesus Cristo – o Sumo Sacerdote

A Palavra de Deus declara que Jesus, após ter obtido a vitória sobre o pecado na Terra e ascendido aos céus, foi nomeado por Deus como Sumo Sacerdote, à semelhança dos Sumo Sacerdotes terrestres, que oficiavam no templo de Jerusalém, em Israel:

“Porque todo sumo sacerdote, sendo tomado dentre os homens, é constituído nas coisas concernentes a Deus, a favor dos homens, para oferecer tanto dons como sacrifícios pelos pecados, e é capaz de condoer-se dos ignorantes e dos que erram, pois também ele mesmo está rodeado de fraquezas....

Ninguém, pois, toma esta honra para si mesmo, senão quando chamado por Deus, como aconteceu com Arão. Assim, também Cristo a si mesmo não se glorificou para se tornar sumo sacerdote...

Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade,  embora sendo Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu e, tendo sido aperfeiçoado, tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem, tendo sido nomeado por Deus sumo sacerdote.....” Hebreus 5:1,2 ,4 , 7-10 (ênfase suprida)

A Palavra de Deus também nos declara que Jesus, como sumo sacerdote, está familiarizado com nossas dificuldades. Ele viveu na Terra como homem e ascendeu aos céus como homem. Foi tentado por Satanás (Lúcifer), o diabo, e enfrentou as mesmas dificuldades que nós enfrentamos para cumprir toda a lei de Deus. Sabe que nós, a fim de obedecermos ao evangelho, dando glória ao Pai, precisamos obedecê-lo e cumprir a lei de Deus. Mas Ele não nos pede para fazer nada que Ele mesmo não tenha feito. Tendo sido tentado em todos as coisas, mas “sem pecado” (Heb. 4:15), Ele sabe qual é a medida de poder (Sua graça) que precisamos receber em cada situação, de maneira que, uma vez convertidos, possamos vencer o diabo e permanecer constantemente em obediência à lei de Deus. Assim, como Sumo Sacerdote nos céus, Ele está pronto a nos conceder todo o poder necessário para que obedeçamos a Deus em todas as circunstâncias:

“Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida. Pois ele, evidentemente, não socorre anjos, mas socorre a descendência de Abraão. Por isso mesmo, convinha que, em todas as coisas, se tornasse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel Sumo Sacerdote nas coisas referentes a Deus e para fazer propiciação pelos pecados do povo.”

“Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande Sumo Sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão. Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi Ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna.”

“Pois naquilo que Ele mesmo sofreu, é poderoso para socorrer os que são tentados.” Heb. 2:14-17; 4:14-16; 2:18 (ênfase suprida)

 

O Consolador - enviado por Jesus Cristo - homem

Jesus foi nomeado por Deus como nosso Sumo Sacerdote nos céus, para que pudesse ministrar a nós o poder necessário para confessá-lo como nosso Senhor na Terra. Talvez você se pergunte: “como pode Ele ministrar poder a mim, sendo somente homem hoje”? Não se esqueça que Deus ungiu a Jesus com o Espírito Santo, o “óleo de alegria”, mais do que todo o ser no Universo (Heb. 1:9). De fato, a Palavra de Deus nos revela que é o poder que tem Sua origem em Deus, o Pai, que nos provê livramento nas tentações:

“...Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento....” I Cor. 10:13 (ênfase suprida)

Mas o poder de Deus é a nós ministrado através de Jesus. Por isso a Palavra de Deus nos diz que a graça nos é dada da parte de Deus e do Senhor Jesus:

graça e paz a vós outros, da parte de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo” II Tessalonicenses. 1:2 (ênfase suprida)

A Palavra de Deus afirma que o Espírito Santo, o Consolador prometido, que nos fortalece para resistir e vencer as tentações do diabo, provém do Pai, mas é Jesus quem o envia:

“Quando, porém, vier o Consolador, que Eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dEle procede, esse dará testemunho de mim;” João 15:26

 Note com que clareza Jesus descreve que o Consolador é o Espírito do Pai:

“...o Consolador...da parte do Pai...que dEle procede...” João 15:26

Note também que com igual clareza Jesus se posiciona como Aquele que enviaria o Consolador, o Espírito do Pai, para nós:

“...o Consolador...que Eu vos enviarei” João 15:26

Quando Jesus ascendeu ao Céu, foi nomeado Sumo Sacerdote para nos auxiliar a vencer o pecado e poder ministrar o Espírito Santo do Pai a nós quando o pedíssemos, na medida da nossa necessidade. A Palavra de Deus afirma que Jesus recebeu o Espírito Santo, o poder, do Pai, e o ministrou aos apóstolos:

“A este Jesus Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas. Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis.” Atos 2:32, 33 (ênfase suprida)

Embora a Palavra de Deus por vezes mencione muitas vezes as expressões “Espírito de Cristo”, juntamente com a expressão “Espírito do Pai”, só podemos entender que a expressão “Espírito de Cristo” refira-se ao fato de que é através de Cristo que o Espírito é enviado a nós, pois a Palavra afirma claramente que a todos é dado a beber de “um só Espírito”:

“E a todos nós foi dado beber de um só Espírito.” I Cor. 12:13

Se a Palavra de Deus afirma que “há um só Espírito”, concluímos que este é aquele que esta mesma Palavra afirma proceder do Pai. Deus não é Deus de confusão; se diz que há “um só” Espírito, não queria que entendêssemos que há dois Espíritos, um do Filho e um do Pai, ou três (para os trinitarianos). “Um só” quer dizer “um só”, não dois ou três. E se é um Espírito que procede do Pai, como a Palavra mesma afirma, este não é uma pessoa que existe por si mesma, como os trinitarianos pretendem. O Espírito é dado a beber aos crentes para que eles permaneçam em obediência à Palavra de Deus, e estará disponível a nós, que cremos, sempre que o peçamos.

 

Conclusão

Diante desta espantosa verdade, sim, digo espantosa porque com bons ex-trinitarianos, durante muito tempo acreditamos em três pessoas divinas (tal crença na verdade implica em crer em três deuses), e passamos então a crer em um Deus: "Pai e Filho"; mas, convenhamos, se Pai e Filho são duas pessoas distintas, como a Bíblia o revela claramente, ao crermos em um Deus "Pai e Filho", não estamos crendo em dois deuses? Não estamos querendo afirmar que Cristo nunca foi Deus. A Bíblia é extremamente clara em dizer que Cristo subsistia na forma de Deus, e era a expressa imagem do Pai:

"Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois Ele, subsistindo em forma de Deus" Filipenses 2:5, 6

"Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser" Hebreus 1:3

Todavia, não negamos o fato de que a Bíblia mesma nunca nos apresenta a expressão "Deus Filho", antes, diz ser Ele o "Filho de Deus":

"Princípio do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus." Marcos 1:1

    "Também os espíritos imundos, quando o viam, prostravam-se diante dele e exclamavam: Tu és o Filho de Deus!" Marcos 3:11

Assim, consideramos a Jesus tal como a Bíblia o apresenta - "Filho de Deus", e não como "Deus". "Deus" é o Pai, e Jesus é o "Filho de Deus". O único texto que afirma explicitamente que Jesus, antes da encarnação, era "Deus", e não o "Filho de Deus, encontra-se em João 1:1:

    "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus." João 1:1 (Versão Almeida Revista e Atualizada)

Todavia, a leitura do texto original não nos dá este entendimento. Acompanhe a tradução palavra a palavra do texto grego de João 1:1, 2:

"en {NO} arch {PRINCÍPIO} hn {ERA} o {A} logov {PALAVRA,} kai {E} o {A} logov {PALAVRA} hn {ESTAVA} prov {EM} ton {O} yeon {DEUS,} kai {E} yeov {DEUS} hn {ERA} o {A} logov {PALAVRA..}

     outov {ESTA} hn {ESTAVA} en {NO} arch {PRINCÍPIO} prov {EM} ton {O} yeon {DEUS.}"

 

Tradução:

"No princípio era a Palavra, e a Palavra estava no Deus, e Deus era a Palavra. Esta estava no princípio no Deus".

Note que a significação do texto conforme o original, segundo a tradução acima, nos leva a um entendimento bem diferente desta passagem, que nos dá a leitura desta na tradução "Versão Almeida Revista e Atualizada", apresentada anteriormente. O que entendemos a partir da leitura de João 1:1, 2, segundo a tradução do original, é:

No princípio, Jesus, a Palavra, estava em Deus, por isso, Deus era a Palavra. Dizendo de outra forma: como Jesus, a Palavra, ainda não existia (estava no Pai), o Pai era a Palavra. Este entendimento está em harmonia com o ensinamento bíblico sobre a origem de Jesus. A Bíblia ensina que Jesus, diferentemente do Pai, teve origem:

"E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade." Miquéias 5:2

 

* (Ver também Prov. 8:12-15; I Cor. 1:24)

Em contraste com o ensino de que Jesus teve origem na eternidade, falando do Pai, a Bíblia declara que Ele não teve origem; pelo contrário, sempre foi Deus, mesmo na eternidade (Sal. 90:2). E o ensinamento bíblico que harmoniza com João 1:1, 2, segundo o entendimento do mesmo de que Jesus estava "em Deus" no princípio, harmoniza com a verdade expressa em Salmos 8:23, 24, de que Jesus foi gerado do Pai no "princípio":

"Desde a eternidade fui estabelecida, desde o princípio, antes do começo da terra. Antes de haver abismos, Eu nasci, e antes ainda de haver fontes carregadas de águas. Antes que os montes fossem firmados, antes de haver outeiros, Eu nasci. Ainda Ele não tinha feito a terra, nem as amplidões, nem sequer o princípio do pó do mundo." Provérbios 8:23-26

O texto acima, referindo-se a Jesus, afirma: "desde o princípio...Eu nasci" *. Se Ele, Jesus, nasceu do Pai no princípio, estava no Pai neste princípio. Teria que estar "em Deus", o Pai para nascer "de Deus", ser gerado por Ele. E esta é a verdade apresentada em João 1:1, 2 - que Jesus Cristo, o Verbo, estava "em Deus" no princípio. Temos portanto como claro que este texto bíblico, em sua forma original, não afirma algo diferente do que o fazem todas as outras partes da Escritura (dizer que Cristo é o Filho de Deus); mas sim nos lança luz sobre a origem de Cristo, antes mesmo do Seu nascimento. Assim, concluímos, segundo a Palavra de Deus:

"1. Que existe um Deus, uma pessoa, um ser espiritual, o Criador de todas as coisas, onipotente, onisciente e eterno; infinito em sabedoria, santidade, justiça, bondade, verdade e misericórdia; imutável e presente em toda a parte por seu representante, o Espírito Santo.

2. que existe um Senhor Jesus Cristo, o Filho do Eterno Pai, aquele pelo qual Ele criou todas as coisas, e pelo qual elas subsistem; que Ele tomou sobre Si a natureza da semente de Abraão para a redenção de nossa raça caída; que viveu entres os homens, cheio de graça e verdade, viveu nosso exemplo, morreu nosso sacrifício, foi ressuscitado para nossa justificação, ascendeu ao céu para ser nosso único mediador no santuário celestial, onde através dos méritos de Seu sangue derramado, Ele assegura o perdão e remissão dos pecados de todos aqueles que vêm persistentemente à Ele; e na parte final de Seu trabalho como sacerdote, antes de tomar Seu trono como Rei, Ele irá fazer a grande expiação pelas faltas de todos que tiveram seus pecados perdoados (Atos 3:19) e retirá-las do santuário como mostrado no serviço do sacerdócio Levítico, o qual exemplificou e prefigurou o ministério de nosso Senhor no Céu." (Crenças Fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia - Yearbook da denominação Adventista do Sétimo Dia - 1912)

 

Que Deus vos abençoe...

Jairo

 

VOLTAR