Make your own free website on Tripod.com

NOVA Contestação sobre a ANÁLISE CRITICA ao Estudo sobre a Quarta-feira

Em face da refutação do artigo que escrevi: ANÁLISE CRÍTICA DO ARTIGO: O MESSIAS MORREU NA SEXTA OU QUARTA-FEIRA? Publicado nos endereços:

http://tempodofim3.tripod.com/AnaliseCritica.htm e www.adventistas-bereanos.com.br,

resolvi escrever não discordando ou concordando com todos os pontos que foram supostamente “refutados” no primeiro site citado. No entanto, refletindo nos equívocos apresentados na refutação publicada e no dever em apresentar a verdade, dispus-me a fazer uma abordagem; mas somente em função de um parágrafo apresentado pelo autor da matéria identificado como: notempodofim@ig.com.br. Para mim, o parágrafo selecionado, que serviu de base para desenvolver este artigo, é o ponto central da tese que ele procura defender – a morte do Messias na quarta-feira. Entendendo os assuntos abordados em tal parágrafo poderemos estudar outros assuntos. Portanto, não me demorarei com muitos comentários. Mas escreverei o suficiente para que os pontos apresentados fiquem claros.

Quero aproveitar também pra dizer ao irmão, autor da refutação, que, eu não me escondo por trás do anonimato. Eu escrevi o artigo e esqueci de colocar meu nome no final (como já fiz em 99.999% em todos os artigos que escrevi) Contudo, enviei o artigo, em dois formatos, ao irmão Milton do site: www.adventistas-bereanos.com.br em uma lista de discussão, onde muitas pessoas, creio eu, puderam ler sabendo quem era o autor. É verdade que, após a publicação percebi que não havia meu nome no final e mesmo assim não pedi ao irmão Milton que me identificasse no final. No entanto, imagino que se pedisse pra acrescentar, talvez ele não acrescentasse. Porque pedi que ele trocasse o formato publicado pelo outro que estava com melhores explicações (no que diz respeito às subdivisões) e não ocorreu a troca.

Josiel Lima

O MESSIAS COMEU UMA PÁSCOA QUE NÃO ERA A PÁSCOA?

 

No parágrafo que apresentaremos abaixo, o irmão diz:

 

Nota NO TEMPO DO FIM: Temos que entender EXATAMENTE como o irmão está dizendo – ainda bem que encontramos alguém para explicar porque Paulo (I Cor 11:23-26) se “esqueceu” de relatar que além do Pão e do Vinho da Ceia do Senhor havia “cordeiro assado e ervas amargas”! Irmãos, a páscoa que Jesus participou foi uma ”Nova Aliança”; uma páscoa substituta onde os elementos eram símbolos do Seu sacrifício pela humanidade...

 

Sem rodeios, nesse parágrafo acima o referido irmão afirma que o Messias não comeu a Páscoa que Mateus, Marcos, Lucas e João afirmam positivamente que Ele comeu. Com exceção da primeira parte do parágrafo as outras duas partes serão comentadas.

 

Na primeira parte de certa maneira ele afirma que naquela Ceia, que o Messias participou não havia ervas amargas nem cordeiro assado. Com isso, ele usa erroneamente os escritos do apóstolo Paulo. Vejamos o que diz o Texto Sagrado sobre o cordeiro da Páscoa, pães asmos e as ervas amargas.

 

(a) sobre os pães asmos e ervas amargas: “Desde o dia catorze do primeiro mês, à tarde, comereis pães asmos até à tarde do dia vinte e um do mesmo mês”. (Êxodo 12:18 – ARA). Mas, antes desse verso Moisés escreveu: “Naquela noite, comerão a carne assada no fogo; com pães asmos e ervas amargas a comerão”. (Êxodo 12:8 – ARA)

 

Portanto, em função dos dois versos acima, está explicito que desde o décimo quarto dia, “à tarde” (aqui tarde não é parte escura) os judeus comiam pães asmos. E na noite do décimo quinto dia, “à noite”, parte escura que segue imediatamente, “à tarde”, eles, segundo o verso 8, comiam pães asmos com ervas amargas com a carne assada do cordeiro da Páscoa.

 

CONTESTAÇÃO NO TEMPO DO FIM: Portanto, a nossa informação inicial procede quanto ao item CORDEIRO... Este apenas era comido nas  primeiras horas do dia 15 de Nisã e a Ceia que o Messias participou (nas últimas horas do dia 14 de Nisã – páscoa – este não esteve presente!

 

Para que não haja confusão, é importante que se esclareça que no capítulo 12, dos versos 14 ao 17, o assunto em referência é a Festa dos Pães Asmos. Mas no décimo quarto dia, no dia em que o cordeiro era imolado, os israelitas já deveriam comer pães asmos.

 

Agora vejamos o que está escrito na Bíblia, sobre o dia que o cordeiro da Páscoa deveria ser imolado - sacrificado.

 

(b) - sobre o cordeiro: “... Aos dez deste mês, cada um tomará para si um cordeiro, segundo a casa dos pais, um cordeiro para cada família”. “E o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o imolará no crepúsculo da tarde”. – (Êxodo 12:3 e 6 - ARA).

 

Desse verso dois pontos merecem destaques. Primeiro: era um cordeiro (ou cabrito – verso 5) para cada família. Segundo: o cordeiro era imolado no décimo quarto dia. (14 de Nisã/abibe).

 

Esse cordeiro imolado por cada família no décimo quarto dia, era comido na noite do décimo 15 dia. Assim está escrito: “Naquela noite, comerão a carne assada no fogo; com pães asmos e ervas amargas a comerão”. (Êxodo 12:8 – ARA). Percebam que Moisés afirmou positivamente que na noite imediata à tarde em que o cordeiro era imolado comia-se o cordeiro assado com ervas amargas e pães asmos.

 

Depois Moisés escreveu: “Desta maneira o comereis: lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão; comê-lo-eis à pressa; é a Páscoa do SENHOR”. (Êxodo 12:11 – ARA). Aqui, pela seqüência e contexto, Moisés deixa claro não apenas o dia e horário, mas também como a Páscoa deveria ser comida.

 

CONTESTAÇÃO NO TEMPO DO FIM: Ou devo dizer – CONSTATAÇÃO! Paulo e os evangelhos não relatam a presença do cordeiro assado por que realmente Jesus participou com os discípulos ANTES do pôr-do-sol daquele 14 de Nisã!!!

 

Em Levítico Moisés escreveu: “No mês primeiro, aos catorze do mês, no crepúsculo da tarde, é a Páscoa do SENHOR”. (23:5 – ARA).

Em Deuteronômio Moisés deixou claro: “... sacrificarás a Páscoa à tarde, ao pôr-do-sol, ao tempo em que saíste do Egito”. – (16:6 – ARA).

 

Percebam, portanto, que de acordo com os versos citados, que a Páscoa propriamente dita é no décimo quarto dia do primeiro mês, à tarde. Conseqüentemente, também ficou explicito que, a Páscoa era Imolada no décimo quarto dia. No entanto, a Páscoa, segundo os mesmos versos, somente deveria ser comida imediatamente na noite, após à tarde do décimo quarto dia. Ou seja, a Ceia da Páscoa era na noite do décimo quinto dia.

 

No entanto, para entendermos a outra parte do parágrafo, que foi citado pelo irmão, vamos analisar o que foi dito por Mateus, Marcos, Lucas e João.

 

MATEUS E O PRIMEIRO DIA DOS PÃES ASMOS

 

O que Mateus escreveu sobre a última Páscoa que o Messias comeu, bem como sobre a Festa dos Pães Asmos? As respostas serão encontradas no capítulo 26.

 

No verso dois Mateus escreveu as palavras do Messias: “Sabeis que daqui a dois dias, celebrar-se-á a Páscoa; e o Filho do Homem será entregue para ser crucificado”. (ARA).

 

As observações aqui são as seguintes: a Páscoa seria celebrada dois dias após aquela afirmação. Mas, pra quem não sabe, a celebração da Páscoa ocorria no décimo quinto dia. Porque esse era o momento da celebração com a Ceia. Quando as pessoas comiam o cordeiro da Páscoa, assado com pães asmos e ervas amargas. A outra observação é sobre o “Filho do Homem” ser entregue. Ele afirmou que seria “entregue para ser crucificado”, no dia em que a Páscoa seria celebrada. Ou seja, no décimo quinto dia.

 

CONTESTAÇÃO NO TEMPO DO FIM: Lev 23:4-8.

 

 No verso 17 Mateus escreveu: “No primeiro dia dos Pães Asmos, vieram os seus discípulos e perguntaram: Onde queres que te façamos os preparativos para comeres a Páscoa?”. (ARA).

 

A Páscoa que Mateus menciona aqui, sem dúvida é a Páscoa que todos os judeus conheciam. É uma referência a primeira Páscoa que foi imolada, no dia 14 do décimo quarto mês e celebrada pelos israelitas no décimo quinto dia em que saíram do Egito. Os discípulos não sabiam que o Messias iria instituir a “‘Nova’ aliança” (Mat. 26:28 – ARA). No verso 18 o Messias os instruiu sobre o lugar em que os discípulos deveriam fazer os preparativos, para que eles e o Mestre pudessem celebrar a Páscoa.

 

No verso 19 Mateus escreveu: “E eles fizeram como Jesus lhes ordenara e prepararam a Páscoa”. (ARA).

No verso 20 Mateus escreveu: “Chegada à tarde, pôs-se à mesa com os doze discípulos”. (ARA). Sem dúvida, podemos dizer que ao apóstolo Mateus usar a expressão “à tarde”, ele queria dizer que embora já fosse após o pôr-do-sol, ainda não era chegada à noite (ver. noite - 26:31 e 34) propriamente dita. Contudo, já era o décimo quinto dia. O dia em que o cordeiro da Páscoa deveria ser comido. Pois, em função do verso 19, os discípulos já haviam imolado o cordeiro da Páscoa (o cordeiro é imolado antes do pôr-do-sol – ver. Êxodo 12:6); bem como preparado o mesmo para Ceia.

 

Contestação No Tempo do Fim: O irmão “continua” dizendo o que o evangelista QUERIA dizer... Sabemos que logo após a Ceia da Nova Aliança, Jesus seguiu para o Monte das Oliveiras e Mateus, meticulosamente, registra as palavras do Mestre trazendo-nos a informação de que AGORA já era noite! No entanto, segundo Lev 23:4-8 (confirmado por Êxo 12:1-10) temos que a páscoa  É NO DIA 14 de Nisã, à tarde, próxima ao pôr-do-sol – início do dia 15 – e ai temos o primeiro dia (santa convocação como foi a páscoa) dos pães asmos!!!

 

 No verso 21 Mateus escreveu: “E, enquanto comiam, declarou Jesus: Em verdade vos digo que um dentre vós me trairá”. (ARA).

 

Aqui, nesse verso, podemos afirmar uma coisa: o Messias com os seus discípulos não estavam celebrando a “‘Nova’ Aliança”. Então, o que eles comiam? Qual o objetivo dessa reunião do Mestre com seus discípulos? O que os discípulos haviam preparado? Na instrução que o Messias deu aos discípulos, o que Ele disse que iria celebrar? Qual o dia que os discípulos fizeram os preparativos para Páscoa que o Messias iria celebrar com eles?

 

Contestação No Tempo do Fim: Quanto tempo se leva para preparar um cordeiro (matar e assar)? Quanto ao dia perceba que entre a tarde (próxima ao pôr-do-sol – hora da ceia) e a noite (últimas instruções de Jesus) apenas poucas horas os separam... Quanto à Nova Aliança, eu prefiro ficar com o que diz as Sagradas Letras:

 

Mt 26:28 ...porque isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados.

Mc 14:24 Então, lhes disse: Isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos.

Lc 22:20 Semelhantemente, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós.

1Co 11:25 Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.

 

No verso 26 a 28 Mateus escreveu: “Enquanto comiam, tomou Jesus um pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo. A seguir, tomou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos, dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o meu sangue...”. (ARA).

 

Contestação No Tempo do Fim: E, na seqüência do versos citado temos: ...o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados.

 

Novamente Mateus utiliza a expressão: “Enquanto comiam”. Volto a perguntar: comiam o quê na noite imediatamente ao primeiro dia dos pães asmos? (Lembre-se que o dia dos pães asmos é uma referência ao décimo quarto dia do primeiro mês. Êxodo 12:6 e 18).

 

Contestação No Tempo do Fim: Leia com atenção Lev 23:4-8 e veja o erro desta afirmação... O primeiro dia dos pães asmos NÃO É o 14º dia. O 14º dia é a PASCOA!!!

 

Porque se Mat. 26:17 não for uma referência ao décimo quarto de Nisã/abibe, será uma referência explicita, literal ao primeiro dia da Festa dos Pães Asmos (um sábado cerimonial) – o dia 15 de Nisã/abibe. (cf. Lev. 23:6-7 e Núm. 28:17-8). Então, nesse caso, o cordeiro da Páscoa já havia sido imolado no dia anterior. Assim, em função de Mateus 26:17, o Messias comeu a Páscoa no décimo quinto dia, mas o cordeiro foi imolado no décimo quarto dia, conforme foi ordenado a Moisés. No dia 15 o Messias celebrou o primeiro dia da Festa dos Pães Asmos (um sábado cerimonial). Portanto, de acordo com essa análise, tendo por base Mat. 26:17 como literal, o Messias morreu no dia 16, no segundo dia da Festa dos Pães Asmos.

 

Contestação No Tempo do Fim: Então seria simbólico? Irmão, o Messias participou – instituiu a Nova Santa Ceia aos 14 de Nisã – por volta das 15:00hs. Nas primeiras horas dos pães asmos eles seguiram para o Monte das Oliveiras, foi traído e passou a madrugada toda entre julgamentos e torturas; nas primeiras horas do nosso amanhecer (9:00hs) foi levado à cruz e à 15:00hs entregou o seu espírito!

 

 No entanto, conforme confirmaremos com os outros três evangelistas, o primeiro dia da Festa dos Pães Asmos em Mateus (26:17), realmente era o décimo quarto dia de Nisã/abibe, e não o dia de santa convocação – um sábado cerimonial, o décimo quinto dia de Nisã/abibe (Lev. 23:6-7 e Núm. 28:17-18).

 

Contestação no Tempo do Fim: Os evangelistas não iriam contradizer o Pentateuco, não é! Não!!! O primeiro dia dos asmos é o 15º dia!

 

Por isso, na noite em que celebraram – comeram – a Páscoa, tanto o pão quanto o vinho eram sem fermentos. Pois Mat. 26:17 diz que era o “primeiro dia da Festa dos Pães Asmos”. (ARA). Contudo, o dia da afirmação fita por Mateus, era o décimo quarto dia. Porque as afirmações: na tarde (Mat. 26:20 - após o pôr-do-sol) e na noite (Mat. 26:31 e 34), que seguiram à afirmação que fora feita ao verso 17, indicam que já estavam no décimo quinto dia – no sábado cerimonial. O dia em que se celebrava a Páscoa (libertação do cativeiro do Egito – Êxodo 12:14) e comiam o cordeiro da Páscoa, assado e com pães asmos e ervas amargas (Êxodo 12:8).

 

Contestação No tempo do Fim: Não se precipite em sua conclusão, irmão! Páscoa é páscoa (14 de Nisã) e ásmos é asmos (15 de Nisã). Duas festas diferentes separadas apenas por algumas horas próximas do pôr-do-sol entre os dias 14 e 15 de Nisã! Leia com atenção Lev 23:4-8.

 

MARCOS E O PRIMEIRO DIA DOS PÃES ASMOS

 

Marcos não diz que são palavras do Messias, mas escreveu: “Dali a dois dias, era a Páscoa e a Festa dos Pães Asmos...”. (14:1 - ARA). Como percebemos, Marcos relaciona as duas Festas. Enquanto Mateus disse: “Sabeis que daqui a dois dias, celebrar-se-á a Páscoa...”; embora no decorrer do capítulo 26, ele tenha feito várias citações diretas sobre a Páscoa. Mais adiante entenderemos porque Marcos e Mateus abordaram de maneiras diferentes, quando chamam a atenção dizendo: “Dali a dois dias...”

 

No verso 12 Marcos escreveu: “No primeiro dia da Festa dos Pães Asmos, quando se fazia o sacrifício do cordeiro pascal, disseram-lhes seus discípulos: Onde queres que vamos fazer os preparativos para comeres a Páscoa?...”. (13:12 – ARA).

 

Percebam que Marcos fala da Festa da Páscoa e da Festa dos Pães Asmos, como tendo o mesmo início. Porque ele disse positivamente: “No primeiro dia da Festa dos Pães Asmos, quando se fazia o sacrifício do cordeiro pascal”. Então, agora respondam: qual era o dia que se imolava o cordeiro pascal? A partir de que dia e por quantos dias os israelitas deveriam tirar qualquer tipo fermento de suas casas e não comer nada levedado? (Leiam Êxodo 12:6 e 18).

 

Contestação No Tempo do Fim: Lemos Êxodo 12:1-10 e encontramos que REALMENTE o Cordeiro deveria ser sacrificado próximo ao pôr-do-sol (Crepúsculo da tarde – 14 de Nisã) e logo nas primeiras horas do NOVO dia (15 de Nisã) este era comido... Aqui temos mais um argumento para entendermos que REALMENTE na instituição da Ceia do Senhor (por volta das 15:00hs) não havia CORDEIRO e Ervas Amargas... Apenas deste cerimonial Jesus usou os Pães asmos, introduziu o vinho e deu-lhes uma nova simbologia: A Nova Aliança. Lembremos também que JOÃO declara textualmente que os Sacerdotes ainda não tinham comido e era de manhã (João 18:28) e isto praticamente 12 horas depois que JESUS instituíra a páscoa da Nova Aliança e próximo às horas do Seu sacrifício na Cruz do Calvário!

PORTANTO, podemos concluir que JESUS realmente cumpriu a Lei – e não como dissemos anteriormente que Ele antecipara a páscoa em 13 de Nisã – e que quem quebrou o Cerimonial teria sido os Sacerdotes... Mas temos que cumprir também Lev 23 que diz:

 

5 No mês primeiro, aos catorze do mês, à tardinha, é a páscoa do Senhor.

6 E aos quinze dias desse mês é a festa dos pães ázimos do Senhor; sete dias comereis pães ázimos.

7 No primeiro dia tereis santa convocação; nenhum trabalho servil fareis.

 

Pra que TUDO seja literal, temos que a páscoa teria que ser CELEBRADA à tardinha (por volta das 15:00hs como afirmamos em nossa contestação anterior) e tão logo o sol se posse, iniciar-se-ia a festa dos pães ásmos (nas primeiras horas do dia 15 de Nisã, isto é, por volta das 18 às 19:30hs).

 

Nos versos 13 a 15 Marcos escreveu as orientações, respondendo à pergunta feita pelos discípulos. Eles quando encontrassem um certo homem deveriam dizer: “O Mestre pergunta: Onde é o meu aposento no qual hei de comer a Páscoa com os meus discípulos?”. (verso 14 - ARA).

 

Entendemos perfeitamente que, tanto a pergunta feita pelos discípulos quanto às instruções do Mestre apontavam para celebração da Páscoa estabelecida para o décimo quarto dia de abibe (Êxodo 12:6), conforme celebrada no Egito. Além do mais, a afirmação de Marcos 14:12 não deixa dúvida quanto a isso.

No verso 16 Marcos escreveu: “Saíram, pois, os discípulos, foram à cidade e, achando tudo como Jesus lhes tinha dito, prepararam a Páscoa”. (ARA).

 

Semelhante ao que foi dito por Mateus, Marcos escreve: “Ao cair da tarde, foi com os doze. Quando estavam à mas e comiam....” (Mar. 14:17-18 - ARA). Mais uma vez digo, conforme está escrito. A expressão “Ao cair da tarde” refere-se a um momento após o pôr-do-sol (já no décimo quinto dia), no entanto ainda não era à noite do mesmo dia (Mar 14:30). Porque a celebração começava logo após o pôr-do-sol e seguia por toda à noite.

 

Assim, de acordo com Marcos o cordeiro da Páscoa foi imolado no primeiro dia dos pães asmos – no décimo quarto dia (Êxodo 12:6 e 18). Portanto, o Messias comeu a Páscoa no décimo quinto dia (à noite) – um sábado cerimonial – o primeiro dia da Festa dos Pães Asmos (Lev. 23:6 e Núm. 28:17-18).

 

LUCAS E O PRIMEIRO DIA DOS PÃES ASMOS

 

O médico Lucas deu uma contribuição muito importante, com detalhes especiais que registrou em seu livro, no capítulo 22 (digo, em relação à Páscoa).

 

No verso 2 Lucas escreveu: “Estava próxima a Festa dos Pães Asmos, chamada Páscoa”. (22:1 - ARA).

 

Percebam que Lucas não está contradizendo os outros escritores mencionados anteriormente. E o primeiro detalhe que ele nos deu, foi unir, de maneira magistral, o que os outros disseram, ao afirmar que a Festa dos Pães Asmos, na época era chamada de Páscoa. Isso está em conformidade com o que foi dito pelo profeta Ezequiel: “No primeiro mês, no dia catorze do mês, tereis a Páscoa, festa de sete dias; pão asmo se comerá”. (45:21 – ARA).

 

Embora Lucas tenha declarado que a Festa dos Pães Asmos fosse chamada Páscoa, e o profeta Ezequiel houvesse dito que a Páscoa era uma Festa de sete dias. Sabemos, no entanto, de acordo com os escritos de Moisés que, a Páscoa era imolada no décimo quarto dia. Comida no décimo quinto dia; e festejada durante oito dias. Do dia 14 ao dia 21 primeiro dia do primeiro mês (Êxodo 12:18).

 

Nos versos 7 e 8 Lucas escreveu: “Chegou o dia da Festa dos Pães Asmos, em que importava comemorar a Páscoa, Jesus, pois, enviou Pedro e João, dizendo: Ide preparar-nos a Páscoa para que a comamos”. (Luc. 22:7-8 – ARA).

 

Lembre-se, leitor, que Marcos disse: “No primeiro dia da Festa dos Pães Asmos, quando se fazia o sacrifício do cordeiro pascal”. Agora Lucas diz que era o dia: “em que importava comemorar a Páscoa”. Perceba que tanto Marcos quanto Lucas estão falando do mesmo dia – o décimo quarto dia de Nisãn/abibe.

 

Aqui, quero apresentar o segundo detalhe que Lucas nos deu. Ele não apenas mencionou que os discípulos foram imolar o cordeiro (no dia 14) e fazer os preparativos para Ceia do dia 15. Lucas declara que os discípulos enviados pelo Mestre foram: Pedro e João. Eles que foram os responsáveis pelo preparo da Páscoa conforme está escrito em Luc. 22:8. E no verso 13 Lucas escreveu: “E, indo, tudo encontraram como Jesus lhes dissera e prepararam a Páscoa”. (ARA).

 

No verso 14 Lucas escreveu: “Chegada a hora, pôs-se Jesus à mesa, e com ele os apóstolos”. (ARA).

 

Como já foi dito anteriormente, essa hora referida por Lucas é após o pôr-do-sol, mas antes da noite propriamente dita.

 

CONTESTAÇÃO NO TEMPO DO FIM: Se é após o pôr-do-sol, significa que já é noite... Esta situação que o irmão cita só pode ocorrer se levamos em consideração que a transição dia/noite ocorra legalmente às 18:00hs e observarmos que é bem mais tarde e ainda não escureceu... Os ocidentais fazem isto!

 

No verso 15 Lucas escreveu o que o Mestre havia dito: “Tenho desejado ansiosamente comer convosco esta Páscoa, antes do meu sofrimento”. (ARA).

 

Percebam que até o momento o Messias não tocou no assunto de “‘Nova Aliança”. Alguém até pode imaginar, e até mesmo ter ânsia de vômito pensando que o Messias aqui estava pensando em “‘Nova Aliança”. No entanto, isso é ignorar completamente o contexto do capítulo 22:1 e 7-14. Onde está sendo tratado da Páscoa tradicional dos judeus. Além do mais, o Messias diz: “esta Páscoa”. Então, no verso 17 Lucas escreveu: “E, tomando um cálice, havendo dado graças, disse: Recebei e reparti entre vós”. (ARA).

 

Contestação No tempo do Fim: Se alguém nada sabia dos propósitos do Mestre eram os discípulos naquele momento, não é irmão? Paulo sim soube colocar os pingos nos is... A Não ser que Paulo esteja relatando uma outra páscoa ao qual Jesus teria participado: Uma para os judeus e outra para os gentios!

 

Nesse verso encontramos outro detalhe. Notem que com o cálice abençoado e que todos beberam o Messias não fez menção alguma à “‘Nova Aliança”. No entanto, agora, percebam a diferença que há entre o verso 17 e os versos 19 e 20.

 

No verso 19 Lucas escreveu: “E, tomando um pão, tendo dado graças, o partiu e lhes deu, dizendo: Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim”. (ARA). Aqui nesse verso foi instituído à “‘Nova Aliança”. Mas no verso 17 ela ainda não existia.

 

No verso 20 Lucas escreveu: “Semelhantemente, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós”. (ARA). E o outro cálice era de qual Aliança? Será que imolaram um cordeiro “No primeiro dia da Festa dos Pães Asmos, quando se fazia o sacrifício do cordeiro pascal” (Mar. 14:12 - ARA), sem que houvesse nenhuma ligação com essa reunião do Messias com os seus apóstolos?

 

Contestação No Tempo do Fim:  O irmão está indo muito rápido... Não estou conseguindo acompanhar o seu ARGUMENTO! Em que verso Jesus pegou OUTRO cálice? Pelo que eu li nos versos da sua própria versão bíblica (ARA), está escrito que Ele pegou O cálice e não OUTRO cálice (um para a Ceia judaica e outro para a Ceia gentílica?).

 

 Portanto, ao Messias instituir à “‘Nova Aliança”, ele pegou os símbolos da “Nova”, ligando aos fatos da “Antiga”. “Pão” simbolizando o Seu “corpo” e “o fruto da videira” simbolizando o Seu “sangue”. O Cordeiro de Elohym. O Primogênito de YHWH.

 

Contestação No Tempo do Fim: Isto sabe-se; a nossa dificuldade é em que dia (horas) estes fatos ocorreram...

 

JOÃO E O PRIMEIRO DIA DOS PÃES ASMOS

 

Em João não abordarei o verso 1 do capítulo 12. Vamos direto ao capítulo seguinte, onde João escreveu: “Ora, antes da Festa da Páscoa...” (ARA). Depois diz (v 2): “Durante a ceia” (ARA). A expressão: “antes da Festa da Páscoanão está se referindo a um dia antes da Festa; mas às horas que antecederam o pôr-do-sol e a Festa propriamente dita. A hora de comemorar a libertação do Egito e também comer o cordeiro assado com pães asmos e ervas amargas. Porque o verso seguinte diz: “Durante a ceia”. Portanto, em João 13, temos a celebração da Páscoa, ou seja, o décimo quinto dia. O primeiro dia da Festa dos Pães Asmos (Lev. 23:6-7 e Núm. 28:17-18).

 

Contestação No Tempo do Fim:  Mas Levítico 23:4-8 diz que a páscoa é no dia 14 de Nisã ao crepúsculo da tarde; Êxodo 12:6 confirma diz que é ao crepúsculo que se sacrificaria o cordeiro da páscoa e que entendemos ser por volta das 15:00hs (horário que sempre se realizou o sacrifício da tarde). No entanto os evangelhos e Paulo nada falam deste cordeiro e TODOS os contextos nos deixam claro que o cordeiro, naquele momento, seria o próprio Messias que morreria cerca de 24:00hs depois...

 

Por último, o que poderia ser um problema (MAS NÃO É) é o que foi dito por João: “Depois, levaram Jesus da casa de Caifás para o pretório, Era cedo de manhã. Eles não entraram no pretório para não se contaminarem, mas poderem comer a Páscoa”. – (João 18:28 – ARA).

 

Contestação No Tempo do Fim: Não é um problema? Como não! Jesus JÁ havia tomado a ceia, tido sido traído e agora estava prestes a ser levado para a cruz e os SACERDOTES ainda não haviam participado da páscoa – quebrado a lei que dizia que pela manhã deveria ser queimo os restos (Êxo 12:10) que segundo o irmão nos apontou até aqui, deveria ter sido tomada (comida) nas primeiras horas deste dia e não nas últimas horas deste 15 de Nisã, UMA QUARTA-FEIRA que realmente é o assunto que originou este estudo!

 

Além de tudo que já foi dito, não podemos esquecer que foi João e Pedro que imolaram o cordeiro pascal e prepararam a Páscoa. E o Messias não veio “revogar a Lei”, mas “cumprir”. (Mat. 5:17). Portanto, nem o Messias antecipou a Páscoa, para comê-la nem os judeus a comeram em data posterior.

 

CONCLUSÃO

 

Portanto, concluindo, o Messias comeu a Páscoa conforme instituída na libertação de Israel do cativeiro do Egito; mas os líderes envolvidos em sua prisão, julgamento e condenação ainda não haviam comido a Páscoa. Por isso, não entraram no pretório para não se contaminarem.

 

Contestação No Tempo do Fim: Quebrando a Lei mais uma vez...

 

Abaixo apresento, novamente, a conclusão anterior que não foi refutada, apenas houve uma tentativa frustrada de querer refuta-la. (Com exceção de alguns itens que não foram abordados aqui).

 

 

Primeiro: a Páscoa foi sacrificada no dia 14 de Abibe/Nisã. (Mar. 14:12 e Luc. 22:7).

NÃO FOI REFUTADO pelo irmão.

 

Contestação No tempo do Fim: Irmãos, abram as suas Bíblias e estudem o tema e chegando à uma conclusão nos escreva!

 

Segundo: a Páscoa era comida na noite do dia 15, no primeiro dia dos Pães Asmos, um sábado cerimonial.

NÃO FOI REFUTADO pelo irmão.

 

Contestação No tempo do Fim: Irmãos, abram as suas Bíblias e estudem o tema e chegando à uma conclusão nos escreva!

 

Terceiro: o Messias comeu a Páscoa na noite do dia 15 de Nisã/Abibe.

NÃO FOI REFUTADO pelo irmão.

 

Contestação No tempo do Fim: Irmãos, abram as suas Bíblias e estudem o tema e chegando à uma conclusão nos escreva!

 

Quarto: o Messias morreu no primeiro dia dos Pães Asmos, em um sábado cerimonial.

NÃO FOI REFUTADO pelo irmão.

 

Quinto: o Messias não morreu no dia 14 de Nissã/Abibe, sendo uma quarta-feira e dia da preparação (segundo o irmão defende).

NÃO FOI REFUTADO pelo irmão.

 

Contestação No tempo do Fim: Irmãos, abram as suas Bíblias e estudem o tema e chegando à uma conclusão nos escreva!

 

Sexto: Se o Messias comeu a Páscoa, logo não morreu no dia da Páscoa. Então, não morreu na quarta-feira. O que nos leva a afirmar que a tese das setenta e duas horas a partir da quarta-feira não se encaixa na literalidade das setenta e duas horas, para os “três dias e três noites”.

NÃO FOI REFUTADO pelo irmão.

 

Contestação No tempo do Fim: Irmãos, abram as suas Bíblias e estudem o tema e chegando à uma conclusão nos escreva!

 

notempodofim@ig.com.br

 

* Uma meia verdade não faz dela uma VERDADE, mas sim uma mentira...

 

Que YHWH faça resplandecer o Seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti... (josielteli@yahoo.com.br ou josielteli@hotmail.com ou josielteli@bol.com.br)

 

 

RETORNAR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.