Make your own free website on Tripod.com

1844: Podem os luminares do céu atestar a veracidade desta data?

Ministério 4 Anjos

 
 

Dentre os mais acirrados ataques contra o adventismo, está a afirmação de que a data de 22 de outubro de 1844 não é considerada a data do Yom Kippur (dia da expiação) no calendário hebraico rabínico. Isso traz consigo sérias implicações quanto a validade dos principais pilares do adventismo. Alegam os inimigos do adventismo que, se nesta data, ratificada por Ellen G. White como sendo correta, não foi celebrado o dia da expiação de acordo com a tradição rabínica, então Ellen G. White errou e não poderia nunca ser considerada uma profetiza para os nossos dias e ainda, a doutrina do santuário celestial, uma das principais doutrinas do adventismo, estaria construída sobre areia movediça.

Por certo, em qualquer calendário hebraico do ano de 1844 / 1845, o registro encontrado para o dia da expiação (Yom Kippur) será o de 23 de setembro (Ver Figura 1). A liderança da Igreja Adventista atualmente quando confrontada com este problema tenta usar o subterfúgio de que o calendário hebraico adotado por Miller e os pioneiros adventistas na época foi o calendário estabelecido pelos judeus karaítas que marcam o início do ano judaico na primeira lua nova após o “aviv”. No entanto, a pretensa liderança da Igreja Adventista falha em não apresentar tal calendário karaíta de 1844, o que ajuda a fomentar mais dúvida e contribui mais ainda para o não esclarecimento desta questão. O fato é que não existe tal calendário karaíta para 1844, e os pioneiros do adventismo dificilmente apoiariam o pilar de toda a sua pregação em cima de supostos calendários karaítas. O “aviv”, segundo os karaítas, é um estágio de amadurecimento dos grãos nas espigas de cevada encontradas nos campos de Israel. O Êxodo hebreu do Egito se deu após o “aviv” ou “abib” (ver Ex. 9:31 e 13:4) e segundo os karaítas, que se dizem zelosos quanto à interpretação e prática das escrituras, a observação do amadurecimento das espigas de cevada seria o fator preponderante na determinação do início do ano do calendário hebraico.

 Copyright Ó 1997 – 2001 Russ Hersch. All rights reserved.

Figura 1 Mês de setembro de 1844 do calendário hebraico rabínico. Yom Kippur (Dia da expiação) em 23 de setembro.

 

O fator mais importante na elucidação desta questão deve ser a resposta à seguinte pergunta: O que determina o início do ano no calendário hebraico? Segundo os judeus karaítas isto depende do estágio do amadurecimento da espiga de cevada conhecida como “aviv” ou “abib”. Mas este fator é muito susceptível a variações das condições climáticas. Basta um adiantamento ou um atraso das chuvas na região e os grãos poderiam alcançar o seu amadurecimento antes ou depois da estação correta fazendo com que o mês de Nisan e conseqüentemente o primeiro dia do ano seja marcado com até 1 mês de defasagem em relação à sua correta datação. Deste modo, a metodologia empregada pelos karaítas, a despeito de sua afirmação de ser esta uma recomendação bíblica para se determinar o início do anos (o que é questionável), não pode ser um parâmetro preciso. Então qual é o parâmetro correto na determinação de anos, estações e dias?

Vamos à palavra de Deus. Lemos o que diz em Gênesis 1:14:

“E disse Deus: haja luminares no firmamento do céu, para fazerem separação entre o dia e a noite; sejam eles para sinais e para estações, e para dias e anos;” (negrito suprido).

Vemos então, por observação do que está escrito, que o parâmetro correto para observarmos o início de dias, estações e anos sempre será aquele estabelecido através dos luminares do céu. E quais são eles? O sol e a lua.

Enquanto o calendário utilizado atualmente pela humanidade – calendário gregoriano – é um calendário somente solar, o calendário hebraico é um calendário luni solar, isto é, um calendário regido pelos movimentos tanto do sol quanto da lua. O período em que a lua dá uma volta em torno do planeta Terra é chamado de lunação e determina a duração de cada mês, que corresponde a aproximadamente 29,5 dias. O ano lunar, formado por 12 lunações (12 x 29,5 = 354), tem uma defasagem de 11 dias em relação ao ano solar que é o período em que a Terra dá uma volta em torno do sol e que dura cerca de aproximadamente 365 dias. Desta forma, para que o ano solar e o ano lunar estejam em fase (não em defasagem) ao longo da linha de tempo é necessário incluir-se um mês a mais a cada determinado número de anos (Adar II). Isto é o que prevê o calendário hebraico rabínico e isto é feito para que as estações do ano sempre fiquem dentro dos mesmos meses e assim os tempos de semeadura e colheita ocorram dentro dos mesmos meses em todos os anos. Esta prática instituída pelos rabinos, de se incluir um mês a mais a cada determinado número de anos (daí o nome “calendário rabínico”), nada mais é do que uma tentativa humana de suprir a defasagem do ano lunar em relação ao ano solar. Mas tomemos como parâmetro não mais a tradição rabínica na determinação do início dos anos, mas somente a observação dos luminares que Deus colocou no céu no quarto dia da criação para servirem para sinais e para “estações, para dias e para anos” – o sol e a lua. Fazendo isto, veremos que estas coisas deixam de ter o crivo humano susceptível a erros e passam a ter a precisão da ordem divina no cumprimento dos sinais dos tempos.

Há dois dias no ano em que ocorre um fenômeno notável e que, por conta disto, estes dois dias representam um marco na sucessão dos anos. São os equinócios que ocorrem nos dias 21 de março e 23 de setembro. No dia 21 de março, em todo o mundo, dia e  noite têm igual duração. Este fenômeno notável é chamado de Equinócio Vernal. Este fenômeno volta a se repetir 6 meses depois, no dia 23 de setembro – equinócio de outono que e marca o fim do verão no hemisfério norte.

No calendário hebraico, o primeiro dia de cada mês é determinado sempre no pôr do sol do dia em que ocorre a primeira observação do quarto crescente após a lua nova. Este dia é o primeiro dia do mês ou dia da lua nova.

Há então, que se identificar quais das três metodologias a seguir são válidas na determinação do início do primeiro mês do ano (Abibe ou Nissan). Tendo o equinócio vernal como marco, o primeiro mês deveria:

·        começar na lua nova anterior ao equinócio vernal;

·        começar na lua nova mais próxima antes ou depois do equinócio vernal;

·        começar na primeira lua nova após o equinócio vernal.

Para identificar quais das três opções acima é a mais válida vamos à Bíblia e deixemos que ela seja nossa bússola.

A páscoa celebrada no décimo quarto dia do primeiro mês é o memorial do Êxodo de Israel da terra da escravidão – o Egito. Também Deus mandou ao povo que, após entrar na terra Canaã e haver segado sua primeira colheita, trouxesse um molho das primícias da colheita, no dia que se seguisse ao sábado, após a páscoa, para que fosse movido pelo sacerdote diante do altar:

“Quando houverdes entrado na terra que eu vos dou, e segardes a sua sega, então trareis ao sacerdote um molho das primícias da vossa sega;” Levítico 23:10.

Para que haja molho a ser movido pelo sacerdote após a páscoa é necessário que a sega ou colheita seja no máximo um pouco antes da páscoa. O equinócio vernal é normalmente o marco a partir do qual ocorre o amadurecimento natural dos grãos cultivados pelo homem. Se a páscoa fosse antes do equinócio vernal não haveria molho a ser movido pelo sacerdote na festa das primícias, a não ser que um desequilíbrio climático apressasse o amadurecimento dos grãos adiantando a época natural da colheita. Por esta razão, a data mais adequada para o início do primeiro mês do ano teria que ser após o equinócio vernal.

Quando o início dos anos é contado a partir da primeira lua nova após o equinócio vernal, este mês adicional colocado a cada determinado número de anos (Adar II) no calendário rabínico se sucede naturalmente. Mas deve se ter em conta que a correta datação do equinócio vernal não pode ser nunca negligenciada. No calendário gregoriano, que é um calendário puramente solar, o dia do equinócio vernal sempre ocorre na mesma data - 21 de março.

Vamos agora fazer uma simulação do que aconteceu no ano de 1844 e verificar quando deveria ter começado o primeiro mês do calendário hebraico levando-se em conta o  dia da primeira visibilidade do quarto crescente (lua nova) após o equinócio vernal em 21 de março. Lembrando que o ano de 1844 foi um ano bissexto, então é precisamente correto afirmar que a data de 21 de março corresponde ao equinócio vernal neste ano. Faremos uso de um programa disponível na internet – Lunacal, que faz uma simulação precisa das fases da lua e da visibilidade das luas novas no ano de 1844.

  

Copyright Ó 2002 – 2005 Roy Hoffman. All rights reserved.

Figura Software Lunacal. Simulação da visibilidade da lua em 20 de março de 1844 no centro de Jerusalém.

 

Comecemos então por analisar o primeiro dia de lua nova antes do equinócio vernal. No dia 19 de março de 1844, o primeiro quarto crescente em Jerusalém ainda não estava visível. Conforme o gráfico abaixo provido pelo software Lunacal, a probabilidade de se ver a lua nova (ou o primeiro quarto crescente) entre as 18:30 hrs e 18:50 hrs não passava de 0,5%.

 

 Copyright Ó 2002 – 2005 Roy Hoffman. All rights reserved.

Figura 3 – Visibilidade da lua entre 18:30 hrs e 18:50 hrs.

 

Já no dia seguinte, em 20 de março a lua teve 90% de visibilidade entre às 18:00 hrs e 19:45 hrs, conforme atesta o gráfico a seguir:

  

Copyright Ó 2002 – 2005 Roy Hoffman. All rights reserved.

Figura 4 – Visibilidade da lua entre 18:00 hrs e 19:45 hrs.

 

Portanto, a primeira visibilidade do quarto crescente se deu em 20 de março de 1844. Um dia antes do equinócio vernal em 21 de março. O dia que o calendário hebraico rabínico considera como o primeiro dia daquele ano foi o dia 21 de março (ver Figura 5). Na realidade este foi o segundo dia do mês Adar II de acordo com os dados de visibilidade da lua simulados através do software Lunacal. Portanto aquele ano que terminava em março / abril de 1844 era um ano de 13 meses – um ano “bissexto” judaico.

  

Copyright Ó 1997 – 2001 Russ Hersch. All rights reserved.

Figura Mês de março de 1844 do calendário hebraico rabínico. Suposto Rosh Chodesh do mês de Nisan que na verdade ocorreu no mês seguinte, em abril.

 

Deste modo o primeiro mês daquele ano deveria ser o mês seguinte, em abril / maio, precisamente a começar no dia 19 conforme mostra o gráfico da simulação a seguir:

  

Copyright Ó 2002 – 2005 Roy Hoffman. All rights reserved.

Figura 6 – Visibilidade da lua entre 18:20 hrs e 20:30 hrs em 19 de abril de 1844.

 

A partir daqui é possível concluir o seguinte: se o primeiro mês (Nisan) em 1844 ocorreu em abril / maio então o sétimo mês conseqüentemente foi em outubro / novembro.

 

Nisan (1ºmês)

abril / maio

lyyar (2º mês)

maio / junho

Sivan (3º mês)

junho / julho

Tammuz (4º mês)

julho /agosto

Av (5º mês)

agosto / setembro

Elul (6º mês)

setembro /outubro

Tishrei (7º mês)

outubro / novembro

 

O primeiro dia do sétimo mês deve então ser em um dia após a lua nova de outubro em que se verificou a primeira visibilidade do quarto crescente. O primeiro quarto crescente visível em outubro de 1844, de acordo com nossa simulação foi no dia 13, conforme mostra o gráfico a seguir:

  

Copyright Ó 2002 – 2005 Roy Hoffman. All rights reserved.

      Figura 7 – Visibilidade da lua entre 17:15 hrs e 18:30 hrs em 13 de outubro de 1844.

 

Com 90% de visibilidade da lua, o pôr-do-sol de 13 de outubro marcou o primeiro dia do sétimo mês em 1844.

 

Pôr do sol

Tishrei

13/10

1º dia

14/10

2º dia

15/10

3º dia

16/10

4º dia

17/10

5º dia

18/10

6º dia

19/10

7º dia

20/10

8º dia

21/10

9º dia

22/10

10º dia

 

Deste modo, o décimo dia do sétimo mês, o dia da expiação (Yom Kippur) se deu precisamente em 22 de outubro de 1844, data esta ratificada por Ellen G. White, e que marca o início do Juízo Investigativo no céu, quando o Senhor Jesus, nosso Sumo Sacerdote, passa a ministrar no segundo compartimento do Santuário Celestial, o Lugar Santíssimo. Assim, comprova-se, pelo próprio método que Deus deu ao homem para marcar o tempo, a veracidade da mensagem adventista. A palavra de Deus mostra-se infalível e plenamente digna de confiança, até mesmo para marcar o tempo.

Última Atualização: ( 31 05 2005 )

VEJA TAMBÉM:

Noções de Calendário e as Setenta Semanas

 

RETORNAR